O engano emocional é infidelidade?

· agosto 28, 2016

A definição tradicional de infidelidade faz referência a que uma das pessoas do casal (em um relacionamento de compromisso) se envolve com mais alguém intimamente, uma terceira pessoa. Por causa de uma serie de fatores, o comportamento de infidelidade tem sido redefinido para incluir, além do conceito tradicional, uma definição contemporânea que não necessariamente implica contato concreto a nível físico.

Normalmente associamos a infidelidade ao contato sexual do nosso companheiro com outra pessoa, contudo, ultimamente também se fala de outro tipo de traição: a infidelidade emocional.

Em que consiste a infidelidade emocional?

A infidelidade emocional é definida como qualquer vínculo que acontece através do sentimento ou pensamento, mesmo que não chegue a se consumar em um contato íntimo.

Com o impressionante desenvolvimento tecnológico na área das comunicações, com os telefones celulares e a Internet, os costumes mudaram muitíssimo e a definição de traição ou infidelidade se ampliou e inclui agora condutas como:

  • Trocar mensagens intimas com alguém através do celular.
  • Conhecer alguém através da Internet.
  • Manter um relacionamento próximo através de qualquer fonte disponível não física.
  • Visualizar material pornográfico através de qualquer meio ou dispositivo.

Por que isso acontece?

Qual é a causa da infidelidade emocional? Obviamente cada caso é diferente e apresenta suas próprias características, mas em geral podemos afirmar que uma possível causa é o desejo de evasão de um relacionamento (que às vezes pode se tornar um tanto rotineiro), mas sem a ideia nem a decisão de terminar com o companheiro.

É muito comum que a pessoa emocionalmente infiel se proteja com o argumento de que suas ações não necessariamente implicam que esteja fazendo algo incorreto.

No que se diferencia a infidelidade tradicional da traição emocional?

A principal diferença está no contato físico. Tradicionalmente, a traição consistia na intimidade física de duas pessoas que se encontravam no “mundo real”. A infidelidade emocional, entretanto, não implica intimidade física, e às vezes as pessoas nem sequer se conhecem pessoalmente, pois o contato pode acontecer através de celular ou computador.

Às vezes pode haver atividade física envolvida, mas esta acontece em lugares separados, isto é, as pessoas envolvidas não estão se tocando “realmente”.

Diferentes opiniões a respeito

Se perguntadas, muitas das pessoas que estão enganando emocionalmente não consideram que estão sendo infiéis. O seu fundamento é que não tendo contato físico real, o seu comportamento não pode ser considerado uma traição. Outros também acham que se trata apenas de um “jogo mental” e não têm a intenção de abandonar seu companheiro.

Contudo, outro grupo de pessoas não concorda com estas afirmações e acha que não existe diferença entre uma infidelidade física e uma infidelidade emocional. Segundo este outro ponto de vista, a infidelidade emocional tem os mesmos fatores de comportamento que uma traição “real”, pois as emoções, desejos e sentimentos que entram em jogo são os mesmos e, de fato, podem se apresentar com muita intensidade.

Quando alguém trai, usa muitas “técnicas” como o flerte, a sedução, a bajulação, e em geral o faz com total discrição, independentemente do lugar onde estiver ou de qual seja a forma de comunicação que esteja usando. A realidade é que o cônjuge infiel presta sua atenção e interesse a outra pessoa. Portanto, mesmo que o relacionamento se mantenha restrito a um plano emocional, de qualquer forma poderia estar manifestando algumas carências ou necessidades não satisfeitas no casal.

E você, o que acha? Uma pessoa que não tenha concretizado um encontro a nível físico pode ser considerada infiel? Você acha que existe a infidelidade emocional?

Imagem cortesia de Eliacim Lopes.