5 erros cotidianos do cérebro

26 Julho, 2020
Um dos erros cotidianos mais comuns do cérebro é achar que a informação que coincide com o que pensamos previamente é mais verdadeira. Essa distorção e outras similares nos impedem de ser objetivos em nossos julgamentos sobre a realidade.
 

Existem vários erros cotidianos do cérebro que passam despercebidos pela maioria das pessoas. Eles são chamados de vieses cognitivos e obedecem a um processamento impreciso das informações fornecidas pela realidade.

A razão para o surgimento desses erros cotidianos do cérebro é que o ser humano precisa responder rapidamente aos estímulos que recebe. Por esse motivo, o cérebro usa o caminho mais simples para interpretar as informações fornecidas. No entanto, nem sempre esse caminho leva a uma conclusão válida.

O que fazemos é colocar um tipo de filtro entre as informações e a sua interpretação. Facilitamos esse processo para nós, embora seja impreciso do ponto de vista da razão. Não é voluntário, pois é algo que se opera automaticamente. A seguir, compartilhamos cinco desses erros cotidianos do cérebro que todos já cometemos alguma vez.

“Talvez seja a própria simplicidade do assunto que nos conduz ao erro.”
-Edgar Allan Poe-

1. Considerar válidas ideias que se assemelham às nossas

Esse é um dos erros cotidianos mais frequentes do cérebro. Tecnicamente, é chamado de viés de confirmação e consiste no fato de que, sem perceber, tendemos a filtrar as informações de uma maneira que confirme o que estávamos pensando ou sentindo anteriormente.

Em outras palavras, pensamos que tudo que confirma o que pensávamos ou sentíamos anteriormente é verdadeiro e nossa atenção é seletiva para isso. Se surge algum dado ou informação que contradiz o que pensamos, tendemos automaticamente a rejeitá-lo. Normalmente, nós o classificamos como “falso” sem submetê-lo a uma avaliação meticulosa.

 
Mulher sorrindo

2. Preocupar-se com situações irremediáveis

Seguindo a lógica, tudo que não tem solução ou é irremediável deveria ser colocado para fora da nossa caixa de preocupações uma vez aceita essa natureza. Por que desperdiçar tempo e energia com isso, se é impossível resolver ou alterar o fato? No entanto, os seres humanos não costumam ser guiados por essa lógica tão simples.

Muitas vezes, nossas mentes ficam preocupadas com o impossível. Nós tendemos a dar muita importância a isso, porque faz parte da nossa linha evolutiva. O que está perdido ou o que não podemos alcançar atrai mais a nossa atenção porque assumimos que é algo do qual devemos nos proteger.

3. Enganar a si mesmo com compras desnecessárias

Claro que é um erro fazer compras desnecessárias de maneira compulsiva. No entanto, do ponto de vista dos erros cotidianos do cérebro, o importante não é a compra em si, mas todo o processo mental que ocorre após sua realização. É um tipo de ressaca emocional que nos leva a criar um viés cognitivo.

Muitas pessoas se sentem culpadas depois de gastar dinheiro com algo de que não precisam. Para evitar esse estado desagradável, elas gastam uma quantidade significativa de tempo desenvolvendo uma imensa lista de razões para defender a ideia de que o desnecessário é necessário. O objetivo é se convencer disso e, assim, eliminar o remorso.

 

4. Comparar o incomparável, uma dos erros cotidianos do cérebro

Esse é um daqueles erros cotidianos do cérebro que a publicidade conhece e utiliza. Suponha que você veja uma etiqueta comparando dois preços. Algo como “De 100 reais por 79 reais, só hoje”. Isso imediatamente chama a sua atenção, e você processa essa informação como uma oportunidade muito favorável que está sendo apresentada a você. Após esse passo mental, é mais provável que você acabe comprando. Afinal, quem gosta de perder oportunidades?

O ponto é que raramente nos preocupamos em comprovar as informações. O produto realmente custava 100 reais antes e hoje está mais barato? Nesse caso, nosso cérebro simplesmente se deixa levar pela avaliação de que está fazendo uma comparação favorável. Essa comparação leva à tomada de decisões gratificantes, mesmo que sejam baseadas em algo que não é realmente verdadeiro.

Jovem preocupado

5. Acreditar no oposto para nos tranquilizar

Segundo vários estudos realizados por Eduard Punset, professor de ciência, tecnologia e sociedade da Universitat Ramon Llull, o cérebro tende a mudar a percepção que temos da realidade quando essa realidade nos atormenta significativamente. O surpreendente é que ele costuma nos levar a acreditar no contrário, para invocar a ansiedade que alguma coisa pode despertar em nós.

 

O exemplo mais clássico disso é a negação da morte. Muitas pessoas não conseguem tolerar a ideia de desaparecer definitivamente. Portanto, independentemente das crenças religiosas, elas estão convencidas de que a vida se estende além da morte. Apesar do fato de não haver nenhuma evidência que apoie essa ideia, elas se recusam a pensar de outra maneira.

Esses são apenas alguns exemplos de erros cotidianos do cérebro, pois existem muitos outros. Embora nossa mente tenha uma capacidade infinita, ela também tende a usar atalhos para simplificar as coisas e construir uma resposta ágil. Nunca é demais avaliar a objetividade das nossas percepções de vez em quando.

 
  • Concha, D., Ramírez, M. Á. B., Gallardo, I., Rovira, D. P., & Rodríguez, A. F. (2012). Sesgos cognitivos y su relación con el bienestar subjetivo. Salud & Sociedad, 3(2), 115-129.