A estimulação do nervo vago reduz os sintomas da depressão

17 Abril, 2020
A estimulação do nervo vago está melhorando a qualidade de vida de pacientes com depressão resistente que não respondem aos fármacos nem à terapia psicológica.
 

Estudos recentes têm demonstrado que a estimulação do nervo vago reduz os sintomas da depressão resistente. A melhora é significativa entre pacientes que não respondem aos tratamentos comuns. Quando a psicoterapia e os fármacos não demonstram efetividade, essa técnica baseada na estimulação elétrica tem mudado a vida desses pacientes.

Quem está a par de como o mundo da psicologia e da psiquiatria avança sabe que novos tempos se aproximam. Vozes como as de Jim Van Os, psiquiatra e editor da conhecida revista científica Plos One, nos informam sobre um fato: tratar um transtorno mental é mais do que focar apenas os sintomas.

Até o momento, temos nos focado em excesso no uso dos rótulos e da terminologia ditada à risca pelo DSM-V (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) No entanto, uma pessoa é muito mais que um diagnóstico, é infinitamente mais do que um transtorno bipolar ou uma esquizofrenia.

Autores como o próprio Van Os propõem principalmente personalizar os tratamentos. Uma atitude dessas é, sem dúvida, essencial para pessoas que, por exemplo, sofrem de depressão maior e não encontraram nenhuma estratégia que lhes proporcione alguma melhoria.

Nessas situações, é necessário explorar mais opções. Assim, o profissional especialista e o próprio paciente podem encontrar a resposta que mais se adapte às particularidades do caso.

Nos últimos anos, já encontra-se à disposição uma estratégia inovadora: a estimulação do nervo vago.

 

O nervo vago é um dos nervos cranianos mais importantes. É o par craniano número X e, por sua vez, o efetor neural mais predominante do sistema nervoso parassimpático.

Distribuição do nervo vago

A relação entre a estimulação do nervo vago e a depressão resistente

O nervo vago é um dos pares cranianos mais importantes. É o mais longo deles, está distribuído abaixo do nível da cabeça e faz parte do sistema nervoso parassimpático. Além disso, essa estrutura neural se distingue por suas múltiplas funções, entre elas a de enviar e receber informações de praticamente todos os nossos órgãos.

Sua principal tarefa, portanto, é regular e saber o estado do universo sensorial do nosso organismo. Nesse sentido, regula os batimentos cardíacos, controla o bom funcionamento da digestão e induz o relaxamento após o esforço físico. Poderíamos dizer que é um supervisor, excepcional por seu valor, que está sempre atento ao nosso bem-estar.

Até não muito tempo atrás, os especialistas sabiam sobre a sua relação com os estados de ansiedade e estresse, mas em 2006, um estudo publicado na revista Biological Psychiatry revelou algo ainda mais interessante. A estimulação do nervo vago abria um novo método terapêutico para o tratamento da depressão resistente.

 

O que a estimulação do nervo vago gera?

Charles Conway, psiquiatra da Universidade de Washington, tinha consciência da necessidade de novas estratégias para o tratamento da depressão resistente. Muitas vezes, nos deparamos com pacientes que tomam até 3 ou 4 antidepressivos diários sem experimentar melhorias. Portanto, o objetivo era claro: oferecer a eles uma maior qualidade de vida.

Na Escola de Medicina da Universidade de Washington, esse método vem sendo experimentado há vários anos. Até o momento, já foram tratados 328 pacientes, nos quais os resultados foram muito bem-sucedidos.

  • A estimulação do nervo vago otimiza a sinapse de monoaminas do circuito neuronal do cérebro, o qual encontra-se desregulado durante uma depressão.
  • Além disso, otimiza a função do córtex cerebral e da amígdala. Esta última estrutura costuma apresentar uma hiperativação, que produz sensação de alerta, medo e desânimo.
  • Os pacientes com depressão unipolar e bipolar severa e recorrente apresentaram mudanças notáveis. Tanto que, após terem se submetido à estimulação do nervo vago, começaram a mostrar melhorias na terapia psicológica.

Como a estimulação do nervo vago é realizada?

A estimulação do nervo vago é realizada por meio da neuromodulação. Portanto, existe uma estimulação elétrica com o objetivo de reativar a função desse nervo.

Para que o tratamento seja efetivo, nos últimos anos foram projetados pequenos dispositivos que são implantados (por meio de cirurgia ambulatorial) sob a pele do tórax, no lado esquerdo. Assim que entram em funcionamento, começam a emitir sinais elétricos através do nervo vago até chegar ao cérebro.

 

A melhoria no humor aparece em poucos dias.

Dispositivo para a estimulação do nervo vago

Aspectos importantes 

Antes de terminar, ainda falta um aspecto importante a ser analisado. A estimulação do nervo vago não é uma estratégia terapêutica exclusiva nem definitiva para acabar com a depressão. É um mecanismo que melhora a qualidade de vida e, o que é importante, faz com que o resto dos tratamentos (como a terapia psicológica) seja eficaz.

É como um despertar. Essa estimulação elétrica precisa e controlada faz com que a pessoa se sinta melhor, que fique mais receptiva. De repente, os pacientes conseguem se concentrar de novo, se interessar por um filme, um livro ou sair para dar um passeio. Em resumo, ela melhora o humor e ativa a motivação para produzir mudanças.

É nesse momento que a terapia psicológica pode ser mais efetiva do que nunca. É nesse momento que é possível proporcionar à pessoa estratégias adequadas para lidar com a sua própria realidade.

Além disso, há outro detalhe que devemos considerar. Estima-se que entre 30 e 40% das pessoas com depressão maior possam apresentar resistência ao tratamento. Nesses casos em que temos um paciente quase catatônico, a estimulação do nervo vago figura como uma estratégia altamente efetiva.

 

Estaremos, portanto, atentos a novos avanços sobre o tema. 

  • Barral, J-P. (2009). Vagus nerve. Manual Therapy for the Cranial Nerves. Elsevier: USA.
  • Charles R. Conway, Arun Kumar, Willa Xiong, Mark Bunker, Scott T. Aaronson y A. John Rush. “La estimulación crónica del nervio vago mejora significativamente la calidad de vida en la depresión mayor resistente al tratamiento”. The Journal of Clinical Psychiatry DOI:  10.4088 / JCP.18m12178
  • Rea, P. (2014). Vagus Nerve. Clinical Anatomy of the Cranial Nerves. Elsevier Academic Press: UK.