O existencialismo sartriano

Sartre é um daqueles filósofos que marcaram um antes e um depois na história da psicologia. Hoje, nos aproximaremos do seu pensamento dando uma atenção especial à construção do seu existencialismo.
O existencialismo sartriano

Última atualização: 16 Maio, 2021

A frase “Um homem é o que faz com o que fizeram dele” é muito reveladora no pensamento de Jean-Paul Charles Aymard Sartre. De fato, podemos dizer que contém a base do existencialismo sartriano.

O ser humano é definido, entre outras coisas, pela sua qualidade de temporalidade. Todo homem tem um passado, um presente e um futuro. A concepção dessa temporalidade é o que torna o existencialismo sartriano tão especial. Na verdade, a sua forma de conceber a existência é uma das mais importantes do século XX.

A consciência é intencional

A teoria marxista havia explicado a consciência humana como uma consciência reflexiva e passiva em face do condicionamento do mundo que a rodeia. A consciência, para essa linha de pensamento, era reflexiva e totalmente separada do mundo. Sartre vai renegar essas teorias marxistas propondo um materialismo humanista.

A consciência humana é ativa. A sua relação com o mundo não é de passividade, mas, ao se projetar no futuro, ela o constrói. A consciência e o mundo são inseparáveis, e há apenas “autoconsciência” enquanto há “consciência mundial”.

O existencialismo sartriano

O que significa dizer que a consciência está projetada para o exterior?

Sartre distingue duas modalidades de ser: “ser em si” e “ser para si”. A primeira modalidade refere-se àquilo que é permanente e sempre será dessa forma; exemplos de ser em si seriam uma pedra, uma pena… Eles são de uma determinada forma e a sua natureza não é a mudança.

Por outro lado, o “ser para si” é aquela modalidade de ser que consiste em sair para o mundo e projetar-se no futuro, é estar em estado de ousadia e, portanto, puro projeto de vida.

No caso do ser humano, essas duas modalidades coexistem. O ser em si da consciência humana seriam aquelas escolhas que fazemos ao longo da vida. O ser humano se constrói “fazendo escolhas” ao longo da vida. O passado forma a face do que é permanente. Somos, em parte, o que escolhemos ao longo da nossa história.

O ser para si do homem é a consciência projetada para o futuro e para as novas decisões que ele tomará, mas que ainda não tomou. É puro projeto. É por isso que Sartre postula um famoso apotegma:

“O ser para si é aquele ser que não é o que é”.

Não é o que é porque, por se projetar no futuro, é mutável e, potencialmente, se transformará dependendo das decisões que tomar. Não é o que é porque, embora seja construído a partir do ser em si, não podemos dizer que seja exatamente isso (o seu passado).

O homem é um nada segundo o existencialismo sartriano?

Como já dissemos, a realidade humana tem por trás um passado que já é imutável. Nós somos o nosso passado. Por outro lado, o futuro ainda não é, mas a consciência está projetada para ele.

A consciência presente olha para as suas escolhas possíveis. Portanto, o existencialismo sartriano postula que o ser humano presente é um puro projeto corajoso. O ser humano no presente não é nada. Somos o nosso passado, mas não somos apenas isso; o presente nos conduz para o que vamos ser e, portanto, como tal, é um nada.

Homem em caverna

“Um homem é o que ele faz com o que fizeram dele”

Agora podemos entender melhor essa frase que tão bem define o existencialismo sartriano. Mundo e consciência, como são apenas um, vão se moldando mutuamente. O mundo faz do homem o que ele escolhe entre as suas muitas possibilidades, limitadas por condições externas.

Dessa forma, o nosso passado é o que escolhemos, o que o mundo tornou possível para nós. Porém, como já dissemos anteriormente, não somos apenas o nosso passado, pois no aqui e agora somos lançados em um mundo que é pura possibilidade e no qual iremos escolher o que desejamos.

O homem está condenado a ser livre! E, se pudermos, adicionaremos um toque de psicologia a toda essa teoria, mencionando o imperativo pindárico: “Atreva-se a ser o que você é.” Será que estamos nos atrevendo?

Pode interessar a você...
‘A Experiência’: a natureza humana
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
‘A Experiência’: a natureza humana

'A Experiência' é um filme alemão de 2001 baseado na obra The Black Box, inspirada em uma experiência real realizada em Stanford em 1971.