Os experimentos de Gregg Braden e o poder da intenção

04 Setembro, 2020
Gregg Braden escreveu mais de 20 livros e vários deles se tornaram best-sellers. Seu livro "Fractal Time" esteve por muito tempo entre os mais vendidos na lista do New York Times. As abordagens de Braden são intrigantes.

Gregg Braden é um daqueles estudiosos que intrigam, porque a partir de premissas científicas, ele propõe ideias que não coincidem com as da ciência tradicional. Várias das abordagens de Gregg Braden são baseadas em três experimentos que, é claro, oferecem evidências para comprovar o que ele diz; entretanto, não foi possível replicar esses resultados e, portanto, as descobertas não foram formalmente adotadas como conhecimento científico.

Gregg Braden faz algumas afirmações ousadas, como a de que muitas pessoas, ao meditarem por um objetivo comum, são capazes de mudar a realidade. Isso é o que alguns chamam de “o poder da intenção”. Ele também aponta que as emoções afetam o DNA e que, portanto, a autocura é possível através de uma via semelhante.

Antes de começar a falar sobre os experimentos de Gregg Braden, ou melhor, sobre os experimentos nos quais ele baseia a sua tese, é importante deixar claro que a ciência formal não endossou as suas afirmações, mas também não o negou sistematicamente. Portanto, a questão requer uma mente aberta e prudente ao mesmo tempo.

Quando um certo número de pessoas se reúne e escolhe, a qualquer momento, criar uma emoção precisa nos seus corações, essa emoção pode literalmente influenciar intencionalmente os campos que sustentam a vida no planeta Terra.”
-Gregg Braden-

As engrenagens da mente

Gregg Braden: ciência e espiritualidade

Gregg Braden é um geólogo norte-americano que trabalhou para a Phillips Petroleum durante os anos 1970. Mais tarde, ele foi Senior Designer de Computer Systems na Martin Marietta Defense SystemsEm 1991, ele foi nomeado o primeiro Diretor Técnico de Operações da Cisco Systems.

No entanto, Braden começou a se aprofundar no estudo de culturas antigas e desenvolveu um grande interesse por assuntos espirituais. Ele partiu da ideia de que ciência e espiritualidade não são realidades exclusivas e, por isso, em meados dos anos 90, direcionou sua ação para a pesquisa sobre a relação entre as duas áreas.

É preciso dizer que, no momento, ele é mais conhecido pelo grande número de livros que escreveu e pelos programas de televisão em que participou do que por qualquer outra coisa. Ou seja, ele não é um pesquisador reconhecido dentro da comunidade científica, embora parte do seu trabalho tenha sido citada em algumas pesquisas.

A base dos experimentos de Gregg Braden

Gregg Braden tem um documentário conhecido e intitulado The Science of Miracles. Nele, ele expõe boa parte das suas teorias e cita três experimentos realmente intrigantes. O primeiro deles foi realizado em 1990 pelo cientista russo Vladimir Poponin, o segundo foi de caráter militar e o terceiro foi realizado no instituto HeartMath.

O experimento de Poponin consistia em pegar um tubo de vidro e criar um vácuo nele. Na verdade, nunca existe um vazio total; o que Poponin queria era estudar o comportamento dos fótons, ou seja, das partículas de luz, dentro desse tubo.

No início, os fótons estavam espalhados, sem ordem. O pesquisador introduziu amostras de DNA humano, e essas partículas ficaram alinhadas em torno dessa amostra biológica. Em teoria, isso demonstraria que o DNA afeta a matéria ao seu redor.

Moléculas de DNA

Outros experimentos

Para o segundo experimento, uma amostra de glóbulos brancos foi coletada e colocada em uma sala especial, onde foi possível medir as mudanças elétricas, por mais mínimas que fossem. O doador estava em uma sala anexa e foi pedido que assistisse a uma série de imagens em vídeo, nas quais apareciam situações de violência e intimidação.

Braden destaca que, ao medir simultaneamente as reações dos doadores e as mudanças nos glóbulos brancos, houve uma correspondência. Em outras palavras, o que aquela pessoa sentia também parecia ser vivenciado pela sua amostra biológica. Aparentemente, isso provaria que as células vivas se reconhecem.

Para o terceiro experimento, foram retiradas 28 amostras de placenta humana, que foram colocadas em recipientes capazes de detectar mudanças elétricas. Ao lado de cada amostra havia alguém fazendo meditação. Cada uma dessas pessoas se concentrou intensamente em um sentimento, positivo ou negativo. Braden diz que o DNA se expande se alguém estiver projetando uma emoção construtiva e que encolhe se a emoção for negativa.

O que esses experimentos provariam, ainda sem sucesso, é que os sentimentos mudam a matéria. Levado ao plano prático, Gregg Braden propõe que uma pessoa pode se curar a partir dos seus pensamentos e sentimentos “positivos”. Embora seu trabalho ofereça pistas interessantes, ainda há um longo caminho a percorrer antes que ele seja validado cientificamente.

Braden, G. (2009). La matriz divina. Hay House, Inc.