Explicação dos 7 sonhos mais comuns

Explicação dos 7 sonhos mais comuns

17, junho 2015 em Psicologia 0 Compartilhados
sonhos

“Morrer, dormir… talvez sonhar. Eis o problema”

Shakespeare 

Os sonhos nos levam a um estado de inconsciência onde deixamos de ser donos de nós mesmos. Ao mesmo tempo, nos submergimos num oceano onírico onde elevam-se as ilhas de nossos mundos mais escondidos, o mesmo inconsciente coletivo do qual falava Gustav Jung.

Nós, seres humanos, sentimos os mesmos medos e compartilhamos as mesmas fontes de ansiedade: medo de sermos abandonados por nosso par, de não alcançar nossos objetivos, de sermos feridos… tudo isso constrói uma série de paralelismos que cada um de nós tem em comum, desenhando, a cada noite, a mesma pintura onírica. Você gostaria de saber a que conclusões chegaram alguns psiquiatras e psicólogos sobre estes sonhos?

1. Sonhar com um falecido

É muito comum perder uma pessoa querida e voltar a vê-la em nossos sonhos. Às vezes, não conseguimos nem mesmo falar com eles, somente os vemos perto de nós, nos observando, nos olhando de longe. Também é possível que consigamos nos comunicar com eles, mas é sempre algo breve e fugaz, embora muito intenso.

A explicação vem da luta emocional pela qual estamos passando, tentando assumir e aceitar a perda, a ausência. É parte do processo e de nosso próprio sofrimento o fato de já não ter determinada pessoa em nossas vidas.

2. Sonhar que estamos sendo perseguidos

Esse é, sem dúvidas, um dos pesadelos mais frequentes. Caminhar por determinado lugar e, de repente, ser perseguido por alguém ou por um animal. Os cientistas dizem que isso acontece devido a um medo de confrontar algo, alguém ou determinada situação.

O que isso quer dizer? Às vezes, tememos enfrentar determinadas coisas: como pedir ou exigir algo a nossos chefes ou nosso par, revelar alguma informação ou, simplesmente, assumir uma realidade ou enfrentar determinado fato.

3. Sonhar que estamos caindo

Quem nunca sonhou com isso? Estar dormindo, estar sonhando… e, de repente, sentir que caímos num vazio. Uma angústia momentânea interrompe a respiração e nos obriga a acordar de forma violenta, com uma sensação de pânico. A explicação para os especialistas é muito simples: estamos passando por uma situação de estresse e essa ansiedade, esse nervosismo, se transportam ao mundo dos sonhos dessa forma.

4. Sonhar que estamos presos

Capturados, presos num lugar pequeno e asfixiante. Uma sensação claustrofóbica que nos aflige em determinados momentos de nossos sonhos. Se isso já aconteceu alguma vez com você, tente se lembrar de como se encontrava sua vida na época em que teve esse sonho.

Estava tendo problemas em casa ou no trabalho? Algum problema emocional estava lhe angustiando? Às vezes, nossa rotina e nossas obrigações nos prendem por conta da pressão e de sua exigências.

5. Sonhar que seu relacionamento acaba

Medo da solidão. Simplesmente. Medo do que é querido desaparecer rapidamente e de que fiquemos numa solidão absoluta e dolorosa. Este é outro sonho muito recorrente ao longo de nossa vida.

6. Sonhar que os dentes caem ou que saímos de casa pelados

Estes são sonhos muito conhecidos e ambos compartilham da mesma explicação. De acordo com especialistas, são mais habituais entre os jovens e estão relacionados a uma falta de autoestima ou de segurança em si mesmo. De repente, nos sentimos vulneráveis, temos um problema e não sabemos confrontá-lo porque não temos recursos, porque não confiamos em nós mesmos para encontrar uma solução.

Medo de enfrentar as coisas, insegurança, indecisãocertamente, essas são as dimensões associadas a este quadro onírico tão habitual.

7. Sonhar com desastres naturais

Sonhar com uma tempestade violenta, com fortes rajadas de vento capazes de destruir casas, com mares agitados e, até mesmo, com florestas incendiadas. Cenários terríveis nos quais a natureza pede ajuda e nos vemos indefesos. A quê se deve isso?

Os psiquiatras dizem que este é um exemplo muito claro de ansiedade. Quando nossa realidade parece passar por cima de nós, pouco a pouco nos sentimos pequenos e indefesos.

Implicam crises nervosas e estados emocionais, nos quais a pessoa se sente muito frágil e incapaz de enfrentar tudo o que existe a sua volta. No caso de serem sonhos muito frequentes, os profissionais recomendam procurar ajuda. Este seria, talvez, o caso mais extremo.

Devemos concluir dizendo que é normal ter algum desses sonhos ao longo da vida. O inconsciente está relacionado à realidade cotidiana, não estando isento de se impregnar com nossos sentimentos, emoções e preocupações. Os sonhos são aqueles cenários belamente surrealistas, cheios de mensagens ocultas que não somos capazes de entender.

Algo apaixonante, sem dúvidas.

Recomendados para você