O que é o falso dilema e por que é importante identificá-lo?

O falso dilema é uma falácia que aparece quando um argumento é manipulado. Cumpre o papel de colocar o outro entre a cruz e espada, quando na realidade há mais opções. Vamos ver do que se trata.
O que é o falso dilema e por que é importante identificá-lo?

Última atualização: 18 Novembro, 2021

O falso dilema é uma forma de falácia em que a realidade se reduz a duas opções, quando há muitas outras. Em outras palavras, é um tipo de raciocínio incorreto que reduz as alternativas, de forma errada, a apenas duas. Isso, é claro, leva a erros de percepção e decisão.

Existem vários tipos de falácias e o falso dilema pertence a uma categoria chamada “falácias informais“. São raciocínios incorretos que envolvem não apenas a forma, mas também o conteúdo e o contexto. A questão é que, na aparência e na linguagem natural, não é possível detectar o erro facilmente. Portanto, muitas vezes eles passam despercebidos.

A falácia do falso dilema pode aparecer em uma miríade de situações. De discussões diárias a grandes decisões na vida, negócios, política, etc. O risco desse tipo de raciocínio errôneo é que geralmente eles estão muito bem camuflados e parecem muito lógicos. Como identificá-los?

Não há coragem sem dilema ou caráter que não seja forjado por escolhas ao invés de vitórias.”
-Muriel Barbery-

Casal zangado

Estamos muito sujeitos a cair em falsos dilemas

Em muitos casos, é mais fácil pensar em termos de “preto ou branco” do que levar em consideração as muitas nuances que existem entre duas alternativas que podem parecer incompatíveis. Muitas pessoas se sentem melhor quando há apenas duas opções; assim, de certa forma, o problema é simplificado.

Esta pequena introdução quer dizer que todos nós somos muito propensos a cair em falsos dilemas. Ou você é meu amigo ou meu inimigo. Ou você nunca diz uma mentira ou é um mentiroso. Ou você me ama do jeito que eu quero que você me ame, ou simplesmente não ama. A realidade trazida a essa polaridade é mais digerível.

O problema é que a vida real não é assim. Além de uma infinidade de nuances em cada situação, também é comum que haja ambiguidade, sem que isso constitua uma contradição. Uma pessoa gentil pode acabar sendo rude, mas isso não significa que ela seja rude sempre.

Existem também situações que não admitem pontos médios, seja porque não é possível, seja porque incorrem em incoerência ética, por exemplo. Ou você está nu ou vestido; Ou você tolera o abuso ou não. Nesses casos, entretanto, outras considerações também entram em jogo.

Mulher pensando

Identificar o falso dilema

As raízes etimológicas da palavra dilema ajudam a esclarecer a situação. Esta palavra vem do latim dilema, composto por sua vez pelas raízes “di”, ou “dois”, e lema, ou ‘premissa’. Portanto, torna-se algo como “duas premissas”. O falso dilema se configura quando não existem apenas duas premissas, mas muitas mais, embora não sejam conhecidas.

Existem vários tipos de falsos dilemas, embora em essência correspondam à mesma coisa:

  • Dilema falsificado. É o típico falso dilema. Acontece quando, na realidade, não há nem mesmo um dilema real. Por exemplo: ou você acredita no deus “X” ou é ateu. Entre uma alternativa e outra, existem várias opções.
  • Falácia do terceiro excluído. Ocorre quando as opções são três, mas artificialmente são reduzidas a duas. Por exemplo: ou você está do lado dos donos da empresa, ou está do lado dos trabalhadores. A realidade é que em alguns pontos alguém pode estar de um lado e em outros do outro.
  • Falsa dicotomia. Nesse caso, duas opções escolhidas arbitrariamente são propostas, como se não existissem mais. Por exemplo: pátria ou morte. Isso é verdade para alguns, enquanto outras pessoas não entendem que devem escolher entre um e outro.
  • Falsa oposição. Quando duas opções que não são realmente exclusivas são contrastadas. Por exemplo: trazemos mais policiais às ruas ou permitimos que o crime vença. O primeiro não é a única opção para evitar o segundo.
  • Falsa dualidade. Caso não haja grandes diferenças entre dois conceitos que se pretendem tomar como divergentes. Por exemplo: se você realmente gostasse do seu trabalho, nunca reclamaria. O amor pelo trabalho e a reclamação não são mutuamente exclusivos.
  • Falso correlato. Quando são colocados juntos dois conceitos que não estão relacionados de forma objetiva um com o outro. Ou você conserta o espelho que quebrou, ou terá sete anos de azar.
  • Bifurcação. Ocorre quando, de forma artificial, o mesmo conceito ou a mesma realidade se divide em dois. Por exemplo: quem acredita em uma religião não pode aceitar a existência de outras. É um falso dilema porque a crença de uma pessoa tem o mesmo status da crença de outra. Ambos são isso: crenças. Portanto, nenhum deles predomina.

O falso dilema é uma falácia que aparece especialmente no contexto de debates religiosos ou políticos. No entanto, também está presente no dia a dia. A melhor forma de erradicá-lo é sempre se perguntar: existe outra opção?

Pode interessar a você...
O que é a falácia do controle?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O que é a falácia do controle?

A falácia do controle implica sentir que podemos e devemos controlar tudo ou, pelo contrário, que nada depende de nós. Saiba mais aqui!



  • Peces-Barba Martínez, G. (2001). Un falso dilema.
  • Realpe, Sandra. (2001). DILEMAS MORALES. Estudios Gerenciales , 17 (80), 83-113. Obtenido el 12 de noviembre de 2021 de http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0123-59232001000300004&lng=en&tlng=es.