4 fatores que alteram a arquitetura e a qualidade do sono

A arquitetura do sono condiciona de forma significativa o quanto nosso descanso pode ser restaurador. Descubra as consequências de uma possível alteração nessa arquitetura, que afetam a todos nós.
4 fatores que alteram a arquitetura e a qualidade do sono
Elena Sanz

Escrito e verificado por a psicóloga Elena Sanz.

Última atualização: 08 junho, 2023

O sono é um processo fisiológico crucial para o nosso bem-estar. Cada vez mais os profissionais reforçam a importância de cuidarmos do nosso descanso, promovendo estilos de vida que o protejam. Porém, além da existência desse tempo, temos que garantir que o descanso seja de qualidade, e para isso precisamos saber o que é a arquitetura do sono e quais fatores podem alterá-la.

A relevância desse aspecto reside no fato de que o sono não é sempre o mesmo, mas passa por várias fases. Cada um delas cumpre funções específicas que devem ocorrer se queremos que nosso corpo funcione corretamente.

Desta forma, quando a arquitetura do sono é alterada, a qualidade do descanso é afetada e podemos nos privar de processos altamente necessários. Se você quiser saber mais sobre isso, convidamos você a continuar lendo.

Mulher dormindo na cama
Fatores como a idade ou o ambiente podem afetar o sono.

O que é a arquitetura dos sonhos?

A arquitetura do sono coleta como esse fenômeno é construído, por quais fases ele passa e quais características compõem cada uma delas. E é que não podemos conceituar o sono como um estado único e homogêneo diferente da vigília. Na realidade, é necessário prestar atenção à sua forma e como se estrutura em cada momento.

Em um adulto saudável, o sono é organizado em ciclos de cerca de 90 a 120 minutos, compostos por diferentes fases. Assim, cada ciclo completo inclui o seguinte percurso:

  • Fase 1 – Este é um estágio sonolento caracterizado pela presença de ondas cerebrais theta. Começamos a nos sentir sonolentos, mas ainda somos capazes de perceber a maioria dos estímulos ambientais.
  • Fase 2: Nesta fase , a atividade cerebral diminui, as frequências cardíaca e respiratória diminuem e o tônus muscular é reduzido. No nível do cérebro, a presença de ondas delta é apreciada em pequenas quantidades.
  • Fase 3: a essa altura, o sono tornou-se mais profundo e somos menos capazes de perceber os estímulos do ambiente. Esta fase é dominada por ondas delta e dura alguns minutos.
  • Fase 4: Na fase 4 , entramos em um estado de relaxamento profundo e tanto a pressão arterial quanto a frequência cardíaca permanecem baixas. Não há tônus muscular e devido ao sono profundo, é difícil acordar a essa hora. Além disso, é uma fase crucial em termos de descanso restaurador.
  • Sono REM: nas fases anteriores, predomina o sono não REM, o que difere desta última fase conhecida como sono REM. Nesta fase , o cérebro está muito ativo e aparecem os característicos movimentos oculares rápidos ; É também o momento em que sonhamos. Por ser a fase final, é comum que ocorram pequenos microdespertares ao final dela.

Fatores que afetam a arquitetura do sono

Cada momento do sono tem suas características e particularidades, e todas elas são necessárias. Esta é uma das razões pelas quais é tão importante que o sono continue; o saudável é que os ciclos se completem.

Se essa arquitetura for alterada, os processos de recuperação e restauração biológica e psicológica que ocorrem enquanto descansamos não ocorrem adequadamente, o que pode afetar a qualidade de vida.

Mas, que fatores podem alterar a arquitetura do sono?:

Idade

A idade é o principal elemento a ser considerado, pois a arquitetura do sono varia notavelmente ao longo da vida. Por um lado, sabe-se que os bebês têm ciclos de sono de cerca de 50 minutos compostos por apenas duas fases: o sono REM e o sono lento. Além disso, os recém-nascidos passam mais tempo em sono REM.

Por outro lado, observou-se que a quantidade de sono de ondas lentas segue uma progressão não linear à medida que envelhecemos. Atinge seu pico máximo na adolescência, e a partir desse momento começa a diminuir, sendo realmente escasso em pessoas idosas.

Essas diferenças na arquitetura do sono que ocorrem com a idade são naturais e não patológicas, mas nos informam sobre como nossas necessidades mudam e como a estrutura do sono se adapta a elas. Por exemplo, o fato de os bebês passarem mais tempo na fase REM permite que eles consolidem a grande quantidade de informações e novos aprendizados que adquirem do ambiente, pois é nessa fase que ocorre esse processo.

O ambiente

O ambiente em que descansamos também pode prejudicar a qualidade do sono, alterando sua estrutura. Por exemplo, ruídos ambientais, exposição à luz durante a noite ou interrupções causadas por outras pessoas podem nos levar a ter um sono fragmentado e, portanto, pouco reparador.

Sim, podemos dormir todas as horas de que precisamos, mas despertares frequentes (não importa quão pequenos sejam) nos impedem de completar nossos ciclos naturais de sono. Por isso, é fundamental garantir que tenhamos boas condições na hora de descansar.

fatores internos

Existem elementos relacionados à própria pessoa que também podem influenciar. Um dos mais comuns é o estresse, que, quando presente em níveis elevados, não só causa insônia, mas também um sono de má qualidade. Isso porque a produção de cortisol e hipocretinas (substâncias que promovem a vigília) é estimulada, o que torna o sono eminentemente leve e fragmentado e leva a despertares precoces.

Por outro lado, problemas de saúde físicos e psicológicos devem ser considerados. E é que a dor (aguda ou crônica) e outros sintomas de doenças que causam desconforto, sem dúvida, afetam a capacidade de descansar corretamente. Da mesma forma, vários distúrbios psicológicos demonstraram alterar a arquitetura do sono naqueles que os sofrem.

Por exemplo, o TDAH parece resultar em maior porcentagem de alterações no estágio do sono e menor eficiência do sono em comparação com controles saudáveis. Da mesma forma, as pessoas com transtorno bipolar parecem ter atividade REM aumentada.

drogas e substâncias

Não podemos esquecer que certas substâncias podem afetar a estrutura do sono.

Por exemplo, os inibidores seletivos da recaptação da serotonina têm sido associados a um possível efeito supressor no sono REM; enquanto o metilfenidato usado para tratar o TDAH parece aumentar a latência do sono. Da mesma forma, o uso de drogas afeta a arquitetura do sono, tanto nos períodos de uso quanto nos períodos de abstinência.

Mulher tomando pílula
As drogas afetam a qualidade e a quantidade do sono.

Cuidar da arquitetura do sono é cuidar da saúde

Em suma, são vários os fatores que podem alterar a estrutura ou a forma do sono e ter um impacto negativo na pessoa. O sono de má qualidade tem sido associado à sonolência diurna, irritabilidade, problemas de concentração e bem-estar emocional e físico prejudicado. Por isso, é importante cuidarmos da qualidade do nosso descanso e não apenas do número de horas que dormimos.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Estrada i Prat, X. (2018). Utilidad de la arquitectura del sueño para el diagnóstico del trastorno bipolar pediátrico (Doctoral dissertation, Universitat Autònoma de Barcelona).
  • Lee, S. (2022). Naturally occurring consecutive sleep loss and day-to-day trajectories of affective and physical well-being. Annals of Behavioral Medicine56(4), 393-404.
  • National Heart, Lung and Blood Institute. (2022). Cómo funciona el sueño: Fases y etapas del sueñohttps://www.nhlbi.nih.gov/es/salud/sueno/estadios-del-sueno
  • Orantes López, C., Ayala Guerrero, F., Méndez Ubach, M., Oropeza Tena, R.  & Juárez García, F. L. (2013). Arquitectura de sueño en dependientes de la cocaína en abstinencia crónica. Psicología Iberoamericana21(2), 48-59.
  • Sakurai, T. (2007). The neural circuit of orexin (hypocretin): maintaining sleep and wakefulness. Nature Reviews Neuroscience8(3), 171-181.
  • Valdivia L., (2023). Mal dormir en la UCI: ¿Por qué preocuparnos?. Revista Chilena de Medicina Intensiva, 0(0).

Os conteúdos de A Mente É Maravilhosa servem apenas para fins informativos e educacionais. Não substituem o diagnóstico, o aconselhamento ou o tratamento de um profissional. Em caso de dúvida, é recomendável consultar um especialista de confiança.