Geração Z, cada vez mais triste e ansiosa

Às vezes chamamos a Geração Z de Geração Cristal. Os jovens estão cada vez mais infelizes e apresentam maiores problemas de saúde mental. O que está por trás dessa realidade?
Geração Z, cada vez mais triste e ansiosa

Última atualização: 05 junho, 2022

Chamamos a geração Z de várias maneiras. São, por exemplo, aqueles nativos digitais que veem as novas tecnologias como sua forma de entender o mundo e gerenciá-lo. São também aqueles meninos e meninas que nasceram no século XXI, com o que isso implica em todos os níveis. Incerteza, mudanças sociais, avanços científicos e até uma pandemia.

Agora, se há algo que parece definir essa nova geração de jovens, são seus problemas com a saúde mental. Pertencem àquela parcela da população que, apesar de estar mais conectada com outras pessoas, se sente mais sozinha do que nunca. É verdade que existem exceções. Muitos são definidos pelo entusiasmo de qualquer pessoa cuja juventude seja cheia de sonhos, forças e felicidade.

No entanto, não podemos colocar uma venda nos olhos diante da realidade óbvia. No ano passado foi publicado o Mental Health Million Project, um relatório que traz dados científicos sobre o bem-estar mental da população mundial. E as conclusões são claras. 44% das pessoas entre 18 e 24 anos apresentam sérios problemas psicológicos.

Os jovens apresentam grande pressão social, tanto acadêmica quanto no trabalho. Além disso, as redes sociais costumam ter um grande impacto negativo sobre eles.

Adolescente simbolizando a Geração Z
Os adolescentes têm mais pensamentos negativos e obsessivos do que as gerações de 50 e 60 anos.

O que está acontecendo com a geração Z?

Comentamos no início que chamamos de geração Z de várias maneiras. Uma delas é “a geração cristal”. A pandemia causou, segundo especialistas, uma quarta onda de saúde mental que afeta em maior grau a população mais jovem. Mas não se engane.

Muitos desses problemas já estavam latentes em mais de um adolescente ou jovem adulto. As circunstâncias atuais apenas aumentaram uma realidade enterrada. Estaremos talvez diante da geração mais bem preparada, mas mais infeliz que as anteriores? A resposta é mais complexa do que imaginamos, e é interessante se aprofundar em cada aspecto.

Apatia como resposta à frustração acadêmica e profissional

A geração Z, assim como os millennials, estão extremamente frustrados. Ambas as gerações foram educadas na ideia de que todo esforço tinha seu benefício. Sua recompensa notável. No entanto, ter uma excelente formação não significa encontrar um emprego que corresponda às suas habilidades. Em geral, o mercado de trabalho para os jovens é precário.

Muitos desses jovens nascidos entre 1995 e 2000 sentem grande ansiedade acadêmica e profissional. São altamente exigentes, criativos e comprometidos, mas sabem que o mundo não oferece uma resposta adequada às suas necessidades. E é muito possível que sua situação não melhore amanhã. Isso acaba gerando apatia e desafeto.

A Geração Z assume que o futuro que os espera não é tão brilhante quanto foi prometido. Na verdade, eles sabem que provavelmente viverão muito pior do que seus pais.

O impacto de entender o mundo (e a si mesmo) por meio das mídias sociais

Atualmente, a construção do “eu” de cada criança e adolescente também é nutrida pelo mundo digital. A imagem que eles têm de si mesmos tem uma relação direta com as redes sociais. É nesse ambiente que buscam seus reforços diários, aqui se comparam e passam, em muitos casos, a odiar seus corpos ou ansiar por outras vidas muito diferentes da sua.

Uma pesquisa do Centro Médico Universitário Hamburg-Eppendorf destaca algo importante. O uso intensivo das redes sociais aumenta desde o estresse e a impulsividade até a má regulação emocional.

Há também outro problema óbvio. Embora as novas tecnologias pareçam facilitar a conexão dos adolescentes, na realidade o que elas fomentam são relações claramente distorcidas. Os jovens se sentem cada vez mais isolados e é comum que muitos deles tenham sofrido algum tipo de assédio online em algum momento.

Uma geração emocionalmente despreparada

Se dissermos que a geração Z tem poucas habilidades em assuntos emocionais, é provável que mais de uma experimente confusão. Isso significa que as gerações anteriores eram mais habilidosas? Na realidade, as pessoas na faixa dos 40 ou 50 anos cresceram em um contexto muito diferente do que, por exemplo, nossos adolescentes.

Talvez o problema esteja, em parte, na superproteção que recebem de seus pais e mães. Os pais que sobrevoam seus filhos, satisfazendo cada necessidade, facilitando a vida e respondendo a cada demanda, tendem a “fragilizar” ainda mais o caráter dessas novas gerações.

São jovens pouco resistentes à frustração. Em uma realidade cada vez mais dominada pelo imediatismo, o ” quero agora” faz com que se aborreçam rapidamente e mal desenvolvam a autorregulação emocional adequada.

Mãe e filha enfrentam os problemas da Geração Z

Individualismo e “sobreviver como puder” na Geração Z

A Geração Z foi criada em um contexto social cada vez mais individualista e polarizado. Não estamos errados se dissermos que o comportamento narcisista está se tornando cada vez mais frequente. O culto de si mesmo, de satisfazer as próprias necessidades e obter o que se quer no momento presente a todo custo, atacando o outro, parece ser uma constante hoje.

As redes sociais também são catalisadoras de um problema de valores e individualismo feroz. Os relacionamentos estão cada vez mais fluidos, expiram em breve e outros relacionamentos são procurados com o clique de um botão. Não é difícil entender por que a Geração Z se sente vazia, sem esperança e ansiosa.

Em um contexto dominado pelo “sobreviver como puder”, dificilmente encontram recursos e apoio quando precisam de ajuda. Porque é muito bom tornar visíveis os problemas de saúde mental, mas normalizar uma realidade e não dar uma resposta não é tão bom assim. A tristeza e desafeto de nossos jovens é, em grande medida, nosso fracasso como sociedade.

Precisamos de uma mudança profunda e, sobretudo, ampliar e melhorar os serviços de atendimento psicológico.

Pode interessar a você...
Ansiedade na Geração Y
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Ansiedade na Geração Y

A ansiedade e os transtornos de estresse são comuns na Geração Y, e não é por acaso. Descubra os principais motivos neste artigo.



  • Kessler, R.C., Amminger, G.P., Aguilar-Gaxiola, S., Alonso, J., Lee, S., and Ustün, T.B. (2007). Age of onset of mental disorders: a review of recent literature. Curr Opin Psychiatry 20(4), 359-364. doi: 10.1097/YCO.0b013e32816ebc8c.
  • Kessler, R.C., Berglund, P., Demler, O., Jin, R., Merikangas, K.R., and Walters, E.E. (2005). Lifetime prevalence and age-of-onset distributions of DSM-IV disorders in the National Comorbidity Survey Replication. Arch Gen Psychiatry 62(6), 593-602. doi: 10.1001/archpsyc.62.6.593.
  • Varma, P., Junge, M., Meaklim, H., and Jackson, M.L. (2020). Younger people are more vulnerable to stress, anxiety and depression during COVID-19 pandemic: A global cross-sectional survey. Prog Neuropsychopharmacol Biol Psychiatry 109, 110236. doi: 10.1016/j.pnpbp.2020.110236.
  • Wartberg, Lutz & Thomasius, Rainer & Paschke, Kerstin. (2021). The relevance of emotion regulation, procrastination, and perceived stress for problematic social media use in a representative sample of children and adolescents. Computers in Human Behavior. 121. 106788. 10.1016/j.chb.2021.106788.