Habilidades psicológicas no tênis

19 Outubro, 2020
O tênis é um esporte em que os aspectos mentais são de grande importância. Você sabe quais habilidades desse âmbito são as mais treinadas pelos atletas?

A aplicação da psicologia no campo esportivo está tendo cada vez mais peso e relevância. A partir do modelo cognitivo-comportamental, inúmeras estratégias profissionais têm sido propostas no campo do esporte, evidenciando a associação entre os níveis de autoeficácia e desempenho esportivo (Ortega e Meseguer, 2009). Em muitos casos, as habilidades psicológicas no tênis fazem a diferença entre um bom jogador e um ótimo jogador.

Lucia Jiménez Almendros, ex-tenista e agora também psicóloga esportiva, com doutorado na tese de Cognição e Emoção Positiva em Atletas de Enfrentamento de Competição, afirma que o limite neste esporte está na mente. Vários tenistas de elite (ATP e WTA) confirmaram que, nas competições profissionais, quando os aspectos técnicos, táticos e físicos são semelhantes, o resultado final é 95% determinado por fatores emocionais (Hoya Ortega, 2018).

Na elite do esporte, vencer vem em primeiro lugar e, em alguns casos, é praticamente o único resultado que interessa. Aqui não vale o discurso de que o importante é participar, um mantra que pode ser adequado no treinamento mais básico. Quando tudo é regido pelos resultados, classificação e pressão, as habilidades psicológicas assumem uma importância enorme. É aqui que se destaca que a diferença para chegar à elite esportiva do tenista passa inevitavelmente pelo reforço das competências psicológicas.

“A parte mental é muito importante, porque no final, sempre vêm os momentos ruins e você tem que estar preparado para aceitá-los e superá-los. É como a vida, em que você tem que aceitar os bons e os maus momentos com a mesma calma”.
-Rafael Nadal-

Habilidades psicológicas no tênis

Habilidades psicológicas no tênis (autovalorização e motivação) e a competência física percebida

As habilidades psicológicas no tênis têm uma grande influência nos aspectos fisiológicos, técnicos e táticos. Os tenistas que se percebem mais competentes fisicamente são mais motivados pela competitividade e também pelo sucesso/conquista.

Essas habilidades são essenciais para o bom desempenho nos esportes de alta velocidade, como o tênis, uma vez que os jogadores precisam perceber e interpretar as informações rapidamente, para que tenham tempo suficiente para se planejar, iniciar e executar um movimento com sucesso.

O tênis se caracteriza por ter altas demandas psicológicas, pois apresenta algumas peculiaridades que o tornam um esporte que envolve grandes complexidades mentais: é um esporte individual, não tem limite de tempo e pode causar perda de concentração, motivação e ativação. Os atletas devem tomar muitas decisões, não há pausas longas, há muitas situações críticas que produzem altos e baixos no desempenho (Hoya Ortega, 2018).

“Sempre tenho em mente que posso ganhar de qualquer um. Isso não é um problema. Mas acho que acontece o mesmo para a maioria dos atletas. Se você não acredita que pode ganhar os torneios, então você realmente não ganhará.”
-Roger Federer-

Bola de tênis

Como vencer a partida mental?

As habilidades psicológicas no tênis que ajudam os jogadores a vencer a partida mental são a motivação intrínseca, a motivação para o sucesso (eles não pensam que vão perder, são realistas e otimistas, atribuem seus sucessos e fracassos a aspectos internos) e a motivação para o desempenho (jogar bem, melhorar, dar tudo de si). Essas qualidades e comportamentos direcionados a um determinado fim são decisivos para vencer a partida mental.

Os jogadores de tênis de elite também ficam nervosos, mas têm uma capacidade maior de controlar essa ansiedadePara isso, trabalham a capacidade de concentração, focam nos aspectos importantes do jogo, e não se distraem.

Para manter o foco mental durante as partidas, eles seguem diretrizes predeterminadas para a ação antes e durante as partidas. Desta forma, eles fazem tudo parecer mais normal e alcançam o desempenho máximo.

Enfim, para vencer o jogo mental, além de jogar bem, o tenista precisa ter a sensação de que tudo ocorre de forma automática, sem ter que pensar no que vai fazer, mas ao mesmo tempo sente que tudo está sob controle.

“Para ver o que pode ser melhorado, o que foi feito bem e mal, é preciso ter a atitude necessária e a cabeça fria, e estar aberto para analisar as coisas e pesquisar”.
-Rafael Nadal-

García-González, L., Araújo, D., Carvalho, J., & Del Villar, F. (2011). Panorámica de las teorías y métodos de investigación en torno a la toma de decisiones en el tenis. Revista de Psicología del deporte20(2), 645-666.

González, J. (2017). Diseño del entrenamiento mental del tenista. De lo científico a la aplicado. Revista de Psicología aplicada al deporte y al ejercicio físico2(1), e5.

Hoya Ortega, M. Análisis conductual y factores psicológicos asociados al rendimiento deportivo del tenista: resiliencia y motivación= Behavioral analysis and psychological factors associated with the athletic performance of the tennis player: resilience and motivation.

Latinjak, A. T., Álvarez, M. T., & Renom, J. (2009). Aplicando el auto-habla al tenis: su impacto sobre el foco atencional y el rendimiento. Cuadernos de psicología del deporte9(2), 19-19.

Meseguer, M., & Ortega, E. (2009). Valoración de la autoeficacia percibida en baloncesto: diferencias entre el entrenador y los jugadores. Revista Iberoamericana de Psicología del Ejercicio y el Deporte4(2), 271-288.

Riera, J., Caracuel, J. C., Palmi, J., & Daza, G. (2017). Psicología y deporte: habilidades del deportista consigo mismo. Apunts. Educación física y deportes1(127), 82-93.

Villamarín, F., Maurí, C., & Sanz, A. (2007). Competencia percibida y motivación durante la iniciación en la práctica del tenis. Revista de psicología del deporte7(2).