História da terapia sistêmica

A terapia sistêmica promove o uso de tratamentos breves, contextualizando as pessoas e entendendo a mente como relacional. Conhecer sua história tornará mais fácil entender seus fundamentos.
História da terapia sistêmica

Última atualização: 12 Setembro, 2021

Para entender o funcionamento e a relevância dos seus conceitos, é necessário conhecer a história da terapia sistêmica. Atualmente, ela é usada por muitos psicólogos tanto no tratamento de problemas individuais, de casal ou de família, quanto na pesquisa.

O aspecto mais inovador da terapia sistêmica é a compreensão da mente como algo relacional, assumindo uma diferença em relação às correntes tradicionais que entendiam a origem e o tratamento da patologia como algo exclusivamente individual. Por sua vez, essa mudança levou à transferência do foco de intervenção do indivíduo ou da natureza intrapsíquica da patologia para o ambiente ou caráter interacional.

A história dos modelos sistêmicos em psicoterapia tem sido associada à dos modelos familiares, sendo a terapia familiar seu campo de aplicação mais difundido. Da mesma forma, a história da terapia sistêmica é concebida como pioneira no desenvolvimento da terapia breve, sendo a duração do tratamento curta, de 6 a 20 sessões.

A história da terapia sistêmica é caracterizada por não ser linear e ser inerente às constantes interações entre seus membros, como nenhum outro modelo em psicologia.

História da terapia sistêmica

Antecedentes da terapia sistêmica

Antes do desenvolvimento da terapia sistêmica, Rogers contemplou, em 1939, a inclusão dos outros membros da família na intervenção. O motivo tinha a ver com o objetivo necessário da psicologia rogeriana de aumentar o entendimento do indivíduo para obter melhores resultados.

As primeiras associações familiares surgiram nos Estados Unidos no final dos anos 30 e início dos anos 40, sob o nome de AAMFT-American Association for Marriage and Family Therapy“, mantendo suas portas abertas até hoje.

A psicanálise da primeira metade do século 20 apontava para a importância das relações familiares na gênese das neuroses, evitando o contato do terapeuta com a família do cliente. Para Freud, isso só aumentaria as chances de vulnerar a regra da abstinência.

No entanto, foi um psicanalista, Ackerman, que em 1937 publicou um artigo que enfoca como as atitudes atuais dos familiares podem influenciar os sintomas de um dos membros. A partir da década de 1940, surgiram contribuições de outros psicanalistas, como as de Eric Fromm, K. Horney e Sullivan, que foram além da ortodoxia freudiana.

Por sua vez, Adler enfatizou o papel das relações entre irmãos no desenvolvimento do indivíduo, incluindo o conceito de constelação familiar: o peso da ordem de nascimento dos irmãos em seu desenvolvimento psicológico.

A mudança que a passagem do paradigma intrapsíquico para o interacional provocou foi aquela que se originou graças à psicologia social e à contribuição do interacionismo simbólico. Suas ideias impactaram as teorias neopsicanalíticas ao levar em conta o ambiente psicossocial atual na origem da neurose e englobando fenômenos que escapavam às abordagens psicanalíticas, como a psicose.

Nesse sentido, as contribuições mais influentes para a terapia familiar foram: Fromm-Reichman, com o conceito de mãe esquizofrênica, Rosen, com a mãe perversa, e Whitaker com os esquizofrênicos no seio familiar.

O surgimento anedótico da terapia familiar

A ideia de fazer psicoterapia com familiares surgiu de um mal-entendido entre Bell e Sutherland, que descreveu os estilos de apego – do agora famoso psicólogo Bowlby – quando ele estava na Inglaterra.

No retorno aos Estados Unidos, passou a utilizar entrevistas conjuntas para o tratamento de problemas da infância, obtendo sucesso nos resultados.

Início da terapia sistêmica, década de 1950

Os primórdios mais relevantes da terapia familiar sistêmica se devem ao antropólogo Gregory Bateson e sua equipe do Hospital de Palo Alto, que entre 1952 e 1962 realizou uma investigação com psicoterapeutas e teóricos da comunicação, vindo a desenvolver a teoria do vínculo duplo, sendo considerada hoje um marco na história da psicoterapia.

As contribuições de Bateson foram fundamentais para o início da terapia sistêmica e inovadoras na história da psicoterapia ao considerar a mente como relacional e não como uma característica individual.

Os fundamentos teóricos do paradigma sistêmico foram influenciados pelas disciplinas que estavam surgindo naquela época, como a cibernética, a teoria da comunicação humana, a ecologia e a teoria dos sistemas.

Desenvolvimento e expansão, a partir dos anos 60

O desenvolvimento da terapia sistêmica ocorreu na década de 1960. Jackson e Ackerman fundaram a revista Family Process, considerada um órgão de comunicação científica para a terapia sistêmica. Junto com Virginia Satir e Riskin, Jackson criou o Palo Alto MRI (Mental Research Institute), liderado por Gregory Bateson, que mais tarde se juntou ao autor da teoria da comunicação humana, Wazlawick, Weakland e Sluzki.

Wazlawick

Na década de 1970, o criador da hipnoterapia moderna, Milton Erickson, juntou-se a essa equipe, enquanto Haley divulgava seu método. Também nessa época, Salvador Minuchin, promovido pelo próprio Ackerman, realizou um projeto de pesquisa com famílias de baixa condição social, com problemas de inadimplência. Isso permitiu um estilo altamente estruturado de terapia familiar, agora conhecido como escola estrutural, que se revelou perfeitamente integrável na estrutura sistêmica da primeira escola de Palo Alto.

Com base no trabalho que estava sendo realizado no Instituto Palo Altocontemplou-se estudar os padrões de interação comunicacional nos processos de mudança ao mesmo tempo em que se analisou a forma como o tratamento poderia ser mais eficiente, ou seja, com um menor número de sessões.

Essa linha de pesquisa nasceu em 1967 no Brief Family Therapy Center, liderado por Fish e formado por Watzlawick, John Weakland e Segal, com o objetivo de investigar a terapia familiar breve.

A duração do curto tratamento de 10 sessões, sem seleção de patologia, focando a intervenção no problema, a utilização de técnicas ativas e muito diretivas, deu origem ao modelo de tratamento centrado nos problemas, caracterizado nas queixas das pessoas e não na organização da família ou no desenvolvimento do insight. Os problemas foram considerados de tipo interacional e são mantidos por tentativas ineficazes de solução, ou seja, o problema é a tentativa de solução

Terapia focada na solução, berço da terapia breve

A segunda escola de terapia sistêmica é a terapia breve centrada na solução (TCS). Essa escola foi criada no Brief Family Therapy Center em Milkwaukee, por meio de Shazer e Insoo Kim Berg, que deixaram de se concentrar na identificação de padrões de interação em torno da queixa para interromper a sequência-problema, como promovia o MRI, e se concentraram no que funcionava para a pessoa, a fim de identificar e amplificar as sequências de solução.

A terapia focada na solução concebe o problema e a solução como categorias descontínuas. Assim, duas pessoas podem ir à terapia para o mesmo problema e gerar duas soluções diferentes ou, pelo contrário, uma solução igual pode ser obtida para dois problemas diferentes.

Final da década de 1960, início da década de 1970: as escolas europeias

No final da década de 1960, as diversas linhas de pesquisa começaram a se instalar na Europa. Laing viajou para Palo Alto e, no retorno, consolidou a linha de pesquisa do modelo sistêmico na Clínica Tavictock, em Londres.

Em 1967, Selvini-Palazzoli e sua equipe formaram um centro de pesquisa em terapia familiar com ampla repercussão para todo o movimento psicoterápico internacional, considerando a escola de Milão, a terceira escola de referência. Posteriormente, na Alemanha, um serviço clínico de medicina psicossomática e terapia familiar foi criado, liderado por Stierlin na Universidade de Heidelberg.

Por sua vez, Andolfi e Cancrini retomaram o modelo sistêmico e criaram outra via de terapia familiar sistêmica, dando origem à escola de Roma. Todas essas escolas mantiveram trocas e relações constantes, podendo se diferenciar em três orientações de acordo com seus fundamentos teórico-práticos:

Orientações sistêmicas puras

Integradas pela escola de Palo Alto, a escola estratégica Jay Haley e a Milan School. A terapia foca na resolução de problemas, a unidade familiar é o objeto de intervenção e considera o indivíduo como membro do sistema familiar. A família é considerada um sistema aberto, regido por regras que constituem metáforas desenvolvidas pelo terapeuta para nomear sequências de comportamento

O sistema familiar adquire essas regras ao longo do tempo por tentativa e erro, e elas não são consideradas negativas “per se”, mas sim quando se tornam rígidas e as mesmas soluções são utilizadas compulsiva e repetidamente, dando origem ao sintoma.

O terapeuta sistêmico tem que descobrir o funcionamento dessas regras rígidas e redundantes para modificar aquelas que não são úteis para o sistema, focando na resolução de problemas e, portanto, no aqui e agora. Ao contrário das orientações a seguir, o terapeuta intervém de fora, como se fosse um observador.

Orientações de sistemas mistos: Escola Estrutural de Minuchin e Montalvo, Escola de Roma e Escola Suíça (Kaufman)

Os objetivos da terapia não tentam apenas resolver o problema, mas também modificar a estrutura familiar, de modo que, se os problemas reaparecerem, essa estrutura possa ser útil ao longo do tempo. Esta orientação é caracterizada por sua perspectiva ecológica.

O terapeuta atua se envolvendo no sistema familiar, não como um observador passivo, mas como um agente ativo de mudança que deve realizar essa reestruturação. Limites, alianças e hierarquia são elementos-chave de qualquer estrutura familiar, orientando o terapeuta a fazer mudanças na estrutura familiar.

Orientações psicanalíticas sistêmicas

Esta orientação é composta por Ackerman, terapia contextual, terapia familiar simbólica experiencial de Whitaker e orientação grupoanalítica de Robin Skinner.

A família é formada por indivíduos, cada um com sua própria identidade e história pessoal, e patologia responde às leis que regem as relações interpessoais. Embora não parem de prestar atenção à família, consideram o indivíduo em primeiro plano. É uma perspectiva sistêmica individualista. Sem dúvida, se há algo que caracteriza a história da terapia sistêmica, é a relação constante entre suas diferentes escolas, seu caráter conceitual mais prático e inovador e a qualidade de suas pesquisas.

Os terapeutas sistêmicos não se limitam a “militar” a sua própria escola, mas têm um bom conhecimento das contribuições e técnicas de várias escolas, predominando uma perspectiva construtivista e integrativa.

Atualmente, o paradigma sistêmico é o mais utilizado na terapia familiar e de casal, sendo utilizado nos últimos anos na área da saúde, assistência e bem-estar social, organizações, nos problemas escolares e nas redes sociais.

Pode interessar a você...
Virginia Satir e a terapia familiar
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Virginia Satir e a terapia familiar

Virginia Satir foi uma terapeuta norte-americana que revolucionou a terapia familiar e teve grande importância na história da terapia sistêmica.



  • Feixas, G. y Miró, M.T. (1993). Aproximaciones a la psicoterapia: Una introducción a los tratamientos psicológicos. Barcelona: Paidós.
  • Roji B. y Saul, L. (Coords.) (2005). Introducción a las psicoterapias experienciales y constructivistas. Madrid: UNED.
  • Vittori M.L. (2014). Guida al paradigma relazionale. La teoria, la clinica, l’intrinseca bellezza, Milano: Franco Angeli.
  • Watzlawick,P., Beavin, J. y Jackson, D. (1967). Teoría de la comunicación humana. Barcelona: Herder
  • Watzlawick, J., Weakland, J.H. y Fisco, R. (1995) Cambio: Formación y solución de los problemas humanos. (9ª ed.). Barcelona: Herder.