Os 7 caminhos para imitar um monge zen

O interessante sobre imitar um monge zen é que isso representa um caminho para alcançar uma maior evolução espiritual. Isso se traduz em uma vida mais tranquila e simples, o que nos torna mais produtivos e criativos.
Os 7 caminhos para imitar um monge zen

Última atualização: 13 Março, 2021

Por que deveríamos imitar um monge zen? As respostas para esta pergunta podem ser muitas. No entanto, vamos começar pela mais prática: um monge zen é um exemplo de capacidade de atenção e concentração, assim como de produtividade e estabilidade.

Claro que quando falamos em imitar um monge zen, não estamos dizendo para fazer isso no sentido literal. Eles levam uma vida tão disciplinada e particular que é impossível replicar esse estilo de vida em um contexto como o nosso. Por isso, trata-se de ter atenção aos padrões de comportamento que eles aplicam e que também são válidos para o nosso ambiente.

“Somos formados pelos nossos pensamentos; nos tornamos o que pensamos.”
– Buda –

Eles fazem da simplicidade e da concentração uma forma de vida. Conseguem manter o seu equilíbrio interno. Sua forma de ver as coisas e de enfrentar a realidade é realmente admirável.

Se você ficou curioso diante da ideia de imitar um monge zen, comece a levar os seguintes padrões de comportamento em conta:

1. Se entregar ao que você faz

Isso é algo que todos nós já sabemos, por bom senso, mas que esquecemos de colocar em prática porque vivemos em um mundo muito agitado. A melhor forma de fazer alguma coisa é se entregar a ela até que você tenha terminado. Isso facilita a concentração e permite melhores resultados.

Fazer várias coisas ao mesmo tempo é um sintoma de falta de concentração. Esse comportamento reflete inquietude e dispersão. Com isso, a única coisa que conseguimos é gastar um tempo valioso em nada e alcançar resultados que nem sempre são os melhores.

Mulher respirando ar puro

2. Fazer as coisas devagar e deliberadamente

Embora pareça contraditório, na maioria das vezes alcançamos um objetivo mais rapidamente quando avançamos lentamente em sua direção. Isso acontece porque, frequentemente, a pressa nos leva ao erro, e o erro impede o avanço.

Quando fazemos as coisas lentamente, facilitamos o processo de concentração. Se há concentração, também aproveitamos ao máximo cada experiência e temos muito mais chance de avançar de verdade.

3. Deixar um espaço entre duas atividades

Não é bom programar muitas tarefas a serem realizadas em um curto período de tempo. Quando lotamos nossa agenda de atividades, acabamos cheios de angústia e estresse. Podemos até conseguir completar todas elas, mas no fim do dia o nosso humor estará arruinado.

O melhor a fazer é deixar um tempo X entre uma atividade e outra. Assim, será possível manter tudo sob controle, principalmente se, por alguma razão, as atividades que estavam programadas se prolongarem por mais tempo. Então, caso isso aconteça, teremos tempo para começar de novo sem pressa e agonia.

4. Realizar rituais: uma forma de imitar um monge zen

Um dos pontos de referência mais interessantes ao imitar um monge zen está relacionado com os rituais. Um ritual dá um sentido especial ao que fazemos. Sua principal função é nos lembrar da importância de algo.

Não é necessário realizar os rituais zen, basta criar a nossa própria forma de solenizar certos momentos. É muito conveniente fazer rituais no início e no final do dia. Além disso, esta prática também é interessante antes de fazer uma atividade particularmente complexa.

5. Dar valor ao que fazemos

Cada dia é único e é preciso valorizá-lo de acordo. Às vezes, nos esquecemos disso e acabamos organizando nossas rotinas de forma que separamos por completo os dias de trabalho, de descanso, de diversão, etc.

Os monges zen fazem isso de uma maneira diferente. Eles alocam uma parte do dia para cada uma dessas práticas. Uma hora para trabalhar e outra para descansar. Além disso, separam um momento para se divertir e outro para meditar. Tudo no mesmo dia.

Pessoa meditando

6. Reservar tempo para não fazer nada

Fazer nada é algo que tem uma importância decisiva. Destinar momentos para isso nos torna mais produtivos, mais criativos, e evita a fadiga. Também nos ajuda a equilibrar as emoções e a cultivar um sentimento de plenitude.

Trata-se simplesmente de separar um momento do dia para se sentar, respirar, e mais nada. Os monges fazem isso em posição de lótus, aplicando as técnicas da meditação zen. No entanto, o simples ato de ficarmos quietos, respirando, já basta para conseguir o que se deseja: quietude e relaxamento.

7. Fazer atividades domésticas

Todos precisamos fazer alguma atividade doméstica. Esta é uma atividade nobre, que permite que as pessoas tenham um maior bem-estar. Os monges zen valorizam profundamente as atividades domésticas e recomendam praticá-las para crescer espiritualmente.

Além disso, as atividades domésticas são um excelente ponto de partida para a meditação e para a prática da concentração. Também servem para exercitar a habilidade de fazer as coisas devagar e metodicamente. Tente sempre encontrar um momento para realizar estas atividades em casa.

Imitar um monge zen, mesmo que seja apenas nos aspectos descritos neste artigo, é um excelente caminho para evoluir. Neste caso, a evolução significa aprender a viver com mais simplicidade e tirar o melhor proveito de cada momento.

Pode interessar a você...
Os dez reinos espirituais do Zen Budismo
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Os dez reinos espirituais do Zen Budismo

Os budistas relacionam diferentes estados mentais a dez reinos espirituais. Quatro deles são considerados estados superiores e seis deles inferiore...



  • Suzuki, D. T. (2004). Introducción al budismo zen. Editorial Kier.