Os jogos de construção e a sua aplicação em terapia

27 Abril, 2020
Nos últimos anos, a terapia psicológica evoluiu para intervenções expressivas, como as que ocorrem no âmbito das terapias lúdicas, dirigidas a incentivar o cliente a explorar seus próprios recursos e gerar novos.
 

O Lego e outros jogos de construção se estabeleceram firmemente na terapia psicológica de adultos e em muitos processos de coaching empresarial. O que começou como um jogo que fascinava as crianças acabou se tornando uma ferramenta poderosa no trabalho com adultos. A questão é que quando pensamos com as mãos, também exercitamos a inteligência emocional – colocando à prova a tolerância à frustração, por exemplo –, a visual e a cinestésica.

Isso fornece muitas informações sobre a personalidade de um indivíduo, suas emoções, sua tolerância à frustração e suas habilidades para resolver conflitos. Por todas essas razões, os jogos de construção são utilizados com frequência em terapia, tanto individual quanto grupal. É uma via que ajuda a desenvolver a inteligência emocional, a criatividade, a empatia e outras habilidades.

As terapias de jogos de construção

O principal modelo de intervenção psicológica, baseado na fala, foi o mais tradicional até o momento. Nos últimos anos, a terapia psicológica evoluiu para intervenções expressivas, como as terapias lúdicas ou as terapias de arte. Esses tipos de terapias visam focar os clientes na exploração de perspectivas mais profundas. As terapias de jogos de construção são muito eficazes para a descoberta de conteúdos inconscientes.

O caso do método facilitador Lego, por exemplo, consiste em um processo clínico inovador altamente estruturado. Existem vários modelos facilitadores de Lego. O Lego Serious Play (LSP), que inicialmente foi utilizado em organizações empresariais, o Six Bricks e Play Box, que foram utilizados para o desenvolvimento e a aprendizagem das crianças. Além disso, ambos foram generalizados para várias aplicações na educação, no aconselhamento familiar e na saúde mental.

 

A leitura do livro The Cult of LEGO (Baichtal & Meno, 2011) é de especial interesse. Essa obra descreve a terapia de desenvolvimento social, baseada em Lego, no Centro para a Saúde Neurológica e Neurológica do Desenvolvimento de Nova Jersey.

Menino brincando com jogos de construção

Aplicações

Os doutores em psicologia Harn e Hsiao aplicam terapia LSP para ajudar sobreviventes de episódios de violência. Eles fazem isso por meio da reconstrução da confiança interpessoal dos pacientes. Também apresentaram um relatório de aplicação de terapia LPS com o objetivo de reduzir o estresse no trabalho.

Esse tipo de terapia combina as construções de Lego com as perguntas do facilitador. Dessa forma, o paciente deve seguir a narrativa em vez de simplesmente compartilhar informações pessoais. Por outro lado, a utilização do modelo Six Bricks surgiu como um método eficaz para promover a capacidade da linguagem, da cooperação e da mediação emocional.

Ambas as abordagens se baseiam na criação da emoção positiva de construir e ampliar. Elas implicam o desenvolvimento de novas habilidades e recursos e ajudam na eliminação de emoções negativas. De acordo com a psicóloga social Barbara Fredrickson, “brincar” é o mecanismo mais rápido para alcançar emoções positivas. Brincar é um esquema que os indivíduos utilizam para construir.

 

A transição emocional produzida pela criatividade e pela diversão ajuda os pacientes a restaurarem suas histórias de vida e a perceberem suas próprias habilidades e recursos. Os blocos dos jogos de construção podem muito bem simbolizar os obstáculos ou os limites das nossas próprias ideias. Assim, ao utilizá-los para construir, promovemos a conversão do pensamento. Nesse sentido, as tarefas com o Six Bricks são simples, mas desafiadoras.

Lidando com a depressão

Nas terapias convencionais, os pacientes com quadros de depressão severa muitas vezes se veem limitados em sua expressão oral. No entanto, por meio da terapia de jogos de construção, é mais fácil colocar as emoções para fora.

Além disso, se a terapia ocorrer em grupo, ela oferece ao paciente a oportunidade de desenvolver conexões com os outros membros da equipe em uma interação social positiva. Em resumo, esse método utiliza a regulação emocional e a reestruturação cognitiva.

“Enquanto as crianças estão construindo alguma coisa, elas falam constantemente sobre o que estão fazendo e planejam as aventuras que vão criar”.
-D. Whitebread-

Peças de Lego
 

Os jogos de construção e a pesquisa

Esses jogos de construção também são usados em vários estudos de investigação psicológica. Em 2011, o psicólogo cognitivo David Whitebread conduziu vários estudos sobre a relação desses jogos de construção com a fala e a autorregulação.

Existe outro estudo em andamento realizado por Miles Richarson, da Universidade de Derby. Essa equipe investiga as habilidades nos jogos de construção como um previsor de habilidades matemáticas e espaciais.

No documento intitulado O efeito Ikea: quando o trabalho de parto leva ao amor, a equipe liderada por Michael Norton investigou a noção contraintuitiva de que ter que se esforçar para produzir aumenta a disposição de pagar por isso: os consumidores conferem um valor desproporcionalmente mais alto a produtos que eles mesmos contribuíram para criar ou fabricar. Dessa maneira, são desenvolvidos um afeto positivo e um apego emocional pelo produto construído, permitindo que os indivíduos vejam a si mesmos como seres competentes.