Karl Jaspers e o método biográfico na psiquiatria

· dezembro 13, 2018

Karl Jaspers foi um psiquiatra e filósofo alemão que teve grande relevância nas ciências da mente e gerou um grande impacto nas áreas da saúde durante a reconstrução da Alemanha. Ele é considerado um dos pioneiros da filosofia existencialista. Ele também é reconhecido por ter criado o método biográfico, comumente utilizado na psiquiatria.

Jaspers nasceu em Oldenburg (Alemanha) em 1883. Estudou medicina na Universidade de sua cidade natal e fez seu doutorado no mesmo lugar, em 1909. Logo em seguida ele começou sua prática psiquiátrica no hospital da Universidade de Heidelberg. Lá, ele experimentou uma enorme inquietude por ver na prática a forma como os médicos e enfermeiros tratavam as doenças mentais e os pacientes.

Filosofar é aprender a morrer, e só isso”.
-Karl Jaspers-

Desde 1921, Karl Jaspers se tornou professor de psicologia da faculdade de filosofia da Universidade de Heidelberg. Pouco a pouco a docência ocupou todo o seu tempo e se tornou seu maior interesse, e então ele se retirou da prática clínica que trazia tanta angústia para a sua vida.

O nazismo e o ponto alto na vida de Karl Jaspers

Karl Jaspers era alemão, mas sua esposa, Gertrud Mayer, era descendente de judeus. Por isso, com a ascensão do nazismo ele foi demitido do seu cargo como professor na universidade. A Segunda Guerra Mundial representou uma dura prova para ele e para a sua família. Ele só voltou a lecionar em 1946, após o término da guerra.

Desde então, Karl Jaspers se converteu em uma importante figura da reconstrução alemã. Ele foi um dos encarregados de restaurar o desenvolvimento normal da educação. Seu principal objetivo foi retirar todos os nazistas dos centros de ensino alemães.

Infelizmente ele sofreu mais uma desilusão. Rapidamente ele se desencantou com a política, e por isso, decidiu ir trabalhar na Universidade da Basileia, na Suíça, em 1948. As constantes decepções e a guerra marcaram de forma definitiva sua perspectiva existencialista da filosofia.

O método biográfico de Karl Jaspers

Uma  das principais contribuições de Karl Jaspers para a psiquiatria foi o método biográfico. Ele consiste basicamente em pedir ao paciente que relate por escrito a sua forma pessoal de perceber seus sintomas. Em outras palavras, o que estava acontecendo para ele. Isso era novidade e trazia elementos valiosos para compreender o que estava acontecendo na mente do paciente.

Sua importância está no poder dado ao paciente e à palavra do paciente dentro da psiquiatria. Até hoje, muitas vezes isso não acontece na psiquiatria moderna. Nos enfoques mais biológicos, as palavras do paciente são consideradas um produto do mau funcionamento cerebral. O método biográfico, ao contrário, valoriza muito a palavra mesmo que ela produza disparates. Usa esses dados como uma possibilidade para compreender as alterações na percepção do paciente.

Árvores em forma de cabeças

Karl Jaspers realizava um processo minucioso de escrita da biografia dos seus pacientes. Ele dava especial atenção para a descrição dos sintomas, com a maior exatidão possível. Buscava na vida dos doentes os elementos que permitiriam compreender algo do transtorno que apresentavam.

Outras contribuições de Karl Jaspers

Karl Jaspers também postulou a existência de dois tipos de delírio: o primário e o secundário. O delírio primário é aquele que surge sem uma razão aparente, é autônomo e incompreensível se o observarmos a partir de um ponto de vista psicológico. O delírio secundário, ao contrário, surge como uma tentativa de explicação de experiências anormais e é compreensível psicologicamente. Essa é uma das importâncias do método biográfico: ele pode trazer novos elementos para entender a complicada natureza de um delírio que acontece no contexto de um transtorno.

As conclusões de suas pesquisas e reflexões foram publicadas em um livro chamado ‘Psicopatologia Geral’. Ele se converteu em um clássico da psiquiatria e tornou-se uma base para o desenvolvimento posterior dessa ciência.

Jaspers também estudou e pesquisou as áreas da filosofia e a da teologia com grande êxito. Obras como ‘Filosofia e Existência’, ou ‘Filosofia e Mundo’, trouxeram grande notoriedade para o autor. Infelizmente, a obra de Karl Jaspers é de muito difícil acesso. Ele é um escritor hermético que só conseguimos compreender com muito esforço e muita leitura.

Os últimos anos de Jaspers

A política, a religião e a filosofia sempre estiveram entre os interesses de Karl Jaspers. São vários os seus ensaios a respeito desses temas. Um de seus textos mais interessante foi ‘A bomba atômica e o destino do homem’.

Boa parte da obra de Jaspers mostra uma decepção absoluta com seu país. Foi justamente essa desilusão que o levou a renunciar à nacionalidade germânica em 1967. Desde então ele se tornou um cidadão da Comunidade Helvética, atual Suíça.

Ao longo de sua vida ele recebeu uma grande quantidade de prêmios e reconhecimentos. Os mais importantes foram o Prêmio Goethe, em 1947, e o Prêmio Erasmo, em 1961. Também lhe foram outorgados doutorados honoris causa em várias universidades. Ele faleceu como um cidadão suíço na Basileia, em 1969.