Como lidar com o medo segundo o budismo

· março 22, 2019
Lidar com o medo é lidar com nossos problemas de atenção e com nossa falta de amor. Quem se concentra decididamente no agora e enche sua alma de compaixão dificilmente sente medo.

Para o budismo, lidar com o medo é um trabalho interior que gira em torno da percepção. Na verdade, eles definem o medo como um erro perceptivo, que se traduz em imagens fantásticas e horríveis que acabam tomando conta de nossas mentes. O perigo não está fora, mas dentro de nós.

Da mesma forma, os budistas afirmam que o medo encontra um território mais fértil naqueles que têm um coração sem amor. O ressentimento, a inveja e o egoísmo são formas prejudiciais de nos relacionarmos com os outros. Formas que contêm uma faísca de combate, e todo mundo que está em guerra deve temer.

“Melhor que mil palavras vazias, uma palavra que traga paz.”
-Buda-

Em termos gerais, os budistas apontam que a melhor maneira de lidar com o medo é através da plena concentração no momento presente e da compaixão. São fatores que nos levam a ser e nos sentir mais fortes e, portanto, com menos medo. Vamos nos aprofundar.

O medo e a recusa a sofrer

Os budistas apontam que a essência fundamental do medo é a rejeição que experimentamos em relação ao sofrimento. Também afirmam que a dor é inevitável, enquanto o sofrimento é opcional. O primeiro tem a ver com a compreensão do medo; o segundo, com a forma assumi-lo.

O medo do sofrimento surge da nossa rejeição das sensações desagradáveis ​​que se originam nas perdas, nos conflitos, na falta de coincidência dos nossos desejos com a realidade. Por outro lado, não é obrigatório sofrer por tudo isso. O sofrimento é apenas uma das respostas que temos ao nosso alcance.

Assumimos de maneira preconceituosa que a dor nos prejudicará, mas esse não é necessariamente o caso. Para lidar com o medo, você também precisa saber como lidar com a dor. Ele perde muita força quando o aceitamos e o deixamos ser, e ainda mais quando procuramos e encontramos o aprendizado que nos traz.

Escultura de mulher chorando

Para lidar com o medo, atenção ao presente

De um modo ou de outro, o medo se articula com o passado ou com o futuro. Com o passado, quando permanecemos presos a experiências que nos causaram medo e deixaram uma marca profunda que continuamos a evitar. Existe o medo de que a mesma coisa nos aconteça novamente.

Algo semelhante acontece com o futuro. Às vezes nos assusta porque imaginamos ou supomos que trará consigo dificuldades ou situações dolorosas. Nos sentimos pequenos diante do amanhã e isso nos assusta.

Assim, o budismo insiste que uma das formas de lidar com o medo é nos localizar no presente, no aqui e agora. O mindfulness impede que nossa mente seja preenchida com aquelas fantasias que só conseguem alimentar os medos desnecessariamente em cada momento.

O apego é fonte de medo

A paz mental e espiritual está no polo oposto do apego. Para os ocidentais, é muito difícil entender isso, já que toda a nossa lógica gira em torno de ter. Isso se refere não apenas aos bens materiais, mas também a bens afetivos ou espirituais. Nós até falamos sobre “ter” amor, ou “ter” paz, etc.

O budismo é uma filosofia que pretende deixar de ter, isto é, se desapegar. Compreender que nada nos pertence, nem mesmo a nossa própria vida. Tudo o que entra em nossa vida e, de fato, tudo o que somos, é apenas uma realidade transitória.

Quando isso não é compreendido, surge o apego e, com isso, o medo da perda. É um dos medos mais fortes porque se torna um círculo vicioso. Quanto mais apego, mais medo; e quanto mais medo, mais apego. Deixar fluir e aceitar que tudo é transitório nos torna menos temerosos.

Budismo para lidar com o medo

Fugir nunca é uma opção para lidar com o medo

Para o budismo, cada um de nós é seu próprio professor e a razão para os nossos erros é aprender. Quando as coisas não são assumidas dessa maneira, o espírito começa a se encher de medos e ansiedades. É como se houvesse uma dívida pendente que nos pressiona.

Quando se deixa passar um erro e não se aprende com ele, a situação que deu origem a esse erro tende a se repetir. É então que se experimenta um tipo de descontrole sobre sua própria vida. Isso, evidentemente, faz com que aflorem os medos e o sentimento de fraqueza dentro de nós.

Todos esses princípios budistas para lidar com o medo são exercícios complexos. É preciso praticá-los pacientemente e continuamente. Em grande medida, colidem com muitos padrões ocidentais e é por isso que não são fáceis de assimilar. No entanto, se estamos em uma condição de medo frequente, pode ser bom analisá-los com cuidado.

  • Uhlig, H. (2005). Buda y Jesús: los vencedores del miedo. Ellago.