Ludwig Binswanger, pioneiro da psicologia existencial

novembro 1, 2019
Ludwig Binswanger foi o primeiro psiquiatra existencialista. Graças a ele, os especialistas começaram a dar uma atenção maior à realidade pessoal e ao contexto em torno do paciente.

Ludwig Binswanger foi um psiquiatra e escritor suíço considerado um pioneiro no campo da psicologia existencial.

Foi ele que introduziu o termo Daseinsanalyse no campo da psicanálise. Com essa ideia, ele nos fez ver que o ser humano está aberto a qualquer experiência.

A psique do paciente, portanto, não é uma entidade isolada e reduzida aos seus próprios processos. Além disso, o contexto em que está envolvido e como ele o interpreta também define o seu comportamento.

Poucas figuras da escola psicanalítica eram tão próximas quanto Biswanger e Sigmund Freud. Embora mantivessem grandes diferenças teóricas, sempre se admiraram.

Eles mantiveram uma farta correspondência e o próprio Freud lhe ofereceu refúgio durante a Segunda Guerra Mundial. Juntos, cada um em sua própria perspectiva, enriqueceram os fundamentos dessa escola terapêutica.

Ludwig Binswanger foi o primeiro psiquiatra existencialista. As suas raízes são nutridas por obras de autores como Edmund Husserl e Martin Heidegger. Isso permitiu que ele abordasse a realidade do paciente de outra maneira.

De um lado estava aquela visão reduzida, onde apenas os aspectos patológicos da pessoa eram considerados. Pela primeira vez, foi abordada a realidade em torno do ser humano, bem como as suas circunstâncias e contexto.

Em 1956 recebeu a medalha Kraepelin, a maior distinção no campo da psiquiatria. Ele também sempre teve a admiração da sociedade cultural da época.

Artistas, músicos, poetas, escritores e filósofos como Ortega e Gasset, Martin Buber e o próprio Heidegger mantiveram amizades com essa figura-chave da história da psicologia.

“Já passou o tempo em que as doenças do espírito podiam ser consideradas doenças do cérebro”.
– L. Binswanger –

Ludwig Binswanger: uma figura com voz própria dentro da psicanálise

Ludwig Binswanger

Ludwig Binswanger nasceu em Kreuzlingen, Suíça, em 1881. Não podemos ignorar a relevância desta cidade europeia como uma chave para o berço da psicanálise. No início do século XX e na própria Universidade de Zurique, podíamos ver juntos figuras emblemáticas como Carl Jung e Eugen Bleuler.

Ambos foram colegas de estudo do próprio Binswanger, embora como ele mesmo diria algum tempo depois, quem marcou a sua vida profissional foi, sem dúvida, Sigmund Freud.

A sua amizade durou por toda a vida e foi decisiva, especialmente quando Binswanger foi diagnosticado com um tumor maligno em 1912. Ele lhe deu apoio e determinação.

Tendo superado essa doença, não demorou muito para fazer parte do chamado «Grupo Freud», um núcleo teórico que o próprio Carl Jung liderou na Suíça.

Deve-se notar que, embora ele tivesse uma amizade e admiração fiéis por Sigmund Freud, Ludwig Binswanger tinha algumas ideias próprias sobre como a psiquiatria clínica deveria ser.

A sua perspectiva particular estava distante da psicanálise mais clássica.

Ludwig Binswanger: um pioneiro da psicologia existencial

Ludwig Binswanger foi o diretor médico do sanatório Bellevue em Kreuzlingen, sua cidade natal, de 1911 a 1956. Esta clínica de renome internacional foi fundada pelo seu avô e também serviu de cenário para inovar em novas bases terapêuticas.

No entanto, se ele é conhecido por algo, é por ser o primeiro médico que combinou psicoterapia com filosofia existencial e fenomenológica.

Em 1942 ele escreveu um livro intitulado Formas Básicas e a Realização do “Ser-no-mundo” Humano. Neste trabalho, introduziu o termo Daseinsanalyse citado no início, onde usava a análise existencial como uma ciência empírica.

O seu objetivo era, sem dúvida, o mais inovador no campo psicanalítico, baseado nas seguintes premissas:

  • Aplicar uma abordagem antropológica para a compreensão do comportamento do paciente.
  • Ele usou a teoria do mundo da vida de Husserl para entender as experiências subjetivas dos pacientes.
  • A doença mental não é, portanto, uma entidade isolada. Além disso, nem sempre corresponde a um processo individual e reduzido da psique do paciente. Também deve se levar em conta os vínculos estruturais que a pessoa estabelece com o seu mundo.
  • Para entender as patologias, é preciso compreender muitos outros aspectos. Entre eles está a maneira como o indivíduo experimenta a sua realidade, como ele a sente física e emocionalmente. É importante, por sua vez, entender como são as suas relações sociais.
Psicologia existencial

Contribuições teóricas de Ludwig Binswanger para a psicologia existencial

Ludwig Binswanger foi pioneiro na criação da escola de psicologia existencial. Graças a ele, entendemos as complexidades da existência humana e a relevância que isso pode ter para a área clínica.

Ele escreveu quase cem artigos, livros, relatórios e críticas metodológicas da psicanálise, como ‘Die drei Grundelemente des wissenschaftlichen Denkens bei Freud’ (Os três elementos fundamentais das ideias científicas de Freud; 1921).

Submeteu a psicanálise a uma renovação. Ele descartou a metodologia usada até aquele momento para introduzir os fundamentos da fenomenologia de Edmund Husserl e a hermenêutica de Wilhelm Dilthey.

Nessa nova perspectiva, Binswanger nos ensinou que a pessoa é livre para construir o tipo de existência que deseja.

Existem aqueles que desejam dedicar a sua vida à arte, outros aos negócios, alguns podem se dedicar a ajudar os outros… A existência transcende o ser e cada um pode percorrer o caminho existencial de sua escolha.

Ele definiu que existem três tipos muito específicos de existência:

  • O Umwelt: o mundo ao redor, isto é, o relacionamento que todos os seres vivos têm com o meio ambiente.
  • O Mitwelt: o ser vivo com o mundo. Nesse caso, Binswanger estava se referindo às relações que estabelecemos entre nós, entre as pessoas.
  • O Eigenwelt: o próprio mundo, referindo-se à experiência subjetiva e pessoal de cada indivíduo.

O amor pode nos mudar

Outro conceito muito interessante de Ludwig Binswanger era ‘O ser além do mundo’. Com essa ideia, o psiquiatra suíço nos ensinou que está ao nosso alcance mudar as circunstâncias que nos causam desconforto e infelicidade. Podemos fazer tudo isso porque temos livre arbítrio.

  • Além disso, uma de nossas características, de acordo com a abordagem existencial de Binswanger, é ser capaz de transcender, de seguir em frente à medida que avançamos para novas transformações. Essas mudanças só podem ocorrer através da motivação, e uma fonte motivadora é, sem dúvida, o amor.
  • Portanto, essa dimensão, a do afeto sincero que os outros nos dão e que também podemos nos dar, nos leva a novas e melhores realidades. Pode transformar os nossos próprios relacionamentos e até o próprio mundo.
Mãos envolvendo coração

A orientação do pensamento iniciado por Binswanger, o chamado Daseinanalyse (ou análise existencial), espalhou-se por toda a Europa e Estados Unidos em pouco tempo. Hoje, tanto a sua figura quanto o seu legado continuam sendo uma das tendências mais interessantes da psicologia contemporânea.

Ludwig Binswanger morreu em 1966 em sua cidade natal, Kreuzlingen. Ele tinha 75 anos.

  • Hoffman, Klaus (2002) Historical essays on Ludwig Binswanger and psychoanalysis. Zeitschrift zur Geschichte der Psychoanalys
  • Straus, E (1966) To the memory of Ludwig Binswanger. Der Nervenarzt