Mar adentro

Este filme baseado em fatos reais te faz refletir sobre a vida, a morte e o amor.
Mar adentro

Última atualização: 10 abril, 2022

Em Mar adentro vemos a história de Ramón Sampedro, que está acamado há quase trinta anos. Ele depende de sua família para tudo desde que um acidente o deixou paraplégico. Desde então, ciente de que sua condição nunca vai melhorar, ele luta para poder morrer com dignidade.

Além de sua família, Ramón conta com a ajuda de Julia, uma advogada que apóia sua causa, e por outro lado, Rosa, uma vizinha que tenta convencê-lo de que morrer não é uma alternativa, que a vida ainda pode guardar muitas surpresas agradáveis para ele. Assim, a determinação de Ramón em atingir seu objetivo testará a força e o afeto daqueles que o cercam.

E na leveza do fundo
onde os sonhos se realizam
duas vontades se unem 
para realizar um desejo.”

Texto do roteiro do filme.

Neste drama de Alejandro Amenábar e soberbamente interpretado por Javier Bardém, ele nos conta a verdadeira história de Ramón Sampedro. Este marinheiro e escritor, que sofria de tetraplegia desde os 25 anos, que reivindicou o seu direito de morrer, pois as condições em que se encontrava não lhe permitiam levar uma vida plena e digna. Graças à sua luta e ao impacto que teve na mídia, Ramón foi pioneiro na abertura do debate sobre a eutanásia na Espanha.

A morte

A morte é o eixo central deste filme, assim como um fator elementar da vida. É o fim dela, onde a existência termina. Não há vida sem morte e vice-versa. Então… Por que é tão difícil para nós pensar nela? E, sobretudo, por que temos tanto medo de enfrentá-la?

Desde que nós, humanos, nascemos, não fazemos nada além de aprender e conhecer. Não concebemos que nossa mente pare de funcionar, de deixar de sentir completamente. Não podemos imaginar uma desconexão total. Por isso, diante da própria morte, ou do desejo de antecipá-la, geralmente são geradas duas perspectivas, representadas em Mar Adentro por Rosa e Julia.

A vida

Rosa tenta convencer Ramón a descartar a opção da eutanásia. Segundo ela, a vida ainda pode lhe trazer muita gratidão, que ainda vale a pena.

Essa visão positivista de Rosa é baseada na resiliência, otimismo e humor. Assim, muitas pessoas não entendem que morrer pode ser desejado ou permitido, pois consideram que devemos nos adaptar aos problemas e enfrentá-los. Apesar do negativo, devemos manter a esperança e uma visão positiva do futuro, desdramatizando a situação e, além disso, viver plenamente.

Eutanásia

Pelo contrário, Julia, que é advogada e também sofre de uma doença neurodegenerativa, apoia sua luta e tenta, sem sucesso, ser autorizada a realizar a eutanásia. Assim, Mar adentro oferece esse debate ao espectador.

A eutanásia (morte digna, por tradução literal do grego antigo) é a intervenção voluntária que é realizada para acelerar a morte de um paciente terminal com o objetivo de poupar sofrimento e dor. Atualmente, a eutanásia ou suicídio assistido não é permitida na maioria dos países. No momento, apenas na Holanda, Bélgica, Suíça, Luxemburgo, Colômbia, Canadá e alguns estados dos Estados Unidos e Austrália. Além disso, recentemente, a Espanha iniciou os procedimentos para implementar a lei que a descriminaliza.

Aqueles que defendem esta prática consideram que a pessoa tem a capacidade de decidir se quer continuar com a sua própria vida. Quem solicita esta intervenção são pessoas conscientes, em sã consciência, mas que não suportam mais viver em condições dolorosas ou com incapacidade de autonomia. Portanto, o direito de viver e morrer com dignidade é protegido.

No debate sobre a eutanásia, muitas vezes são levantados princípios morais sobre se proteger a vida de uma pessoa não pesa mais. Mas, geralmente, esses argumentos são levantados de um ponto de vista privilegiado, de quem tem uma vida saudável e com qualidade de vida. É possível ter a mesma opinião sabendo que você será incapacitado durante sua vida?

O amor

Mar adentro é definitivamente uma história de amor. Amor à vida, de poder vivê-la plena e livremente, amor aos outros. Assim, curiosamente, é Rosa quem, como um ato de amor, ajuda Ramón a atingir seu objetivo, repensando todos os seus princípios e forma de ver o mundo.

Portanto, a melhor maneira de se preparar para o fim da vida, se é que realmente nos preparamos, é aceitar a morte como um episódio natural da vida. Não devemos esquecer que a morte é uma parte intrínseca e inseparável de nossa vida, e que as situações podem determinar os pensamentos que temos em relação a ela.

Todos lidam com esta situação da melhor forma possível. É plausível que diante dela sintamos incerteza e medo, portanto, se conseguirmos ser honestos conosco mesmos e adotar a morte como parte de nossa essência, todos os nossos medos desaparecerão.

Pode interessar a você...
Do que as pessoas se arrependem quando estão próximas da morte?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Do que as pessoas se arrependem quando estão próximas da morte?

Do que as pessoas se arrependem quando estão próximas da morte? Uma enfermeira lista os arrependimentos mais comuns dos seus pacientes.