Mar e saúde: uma fonte inesgotável de bem-estar

· julho 24, 2018

Mar e saúde estão muito relacionados. Tanto é assim que o nosso cérebro reage de uma maneira mais positiva a este cenário: se sente mais relaxado, sua percepção melhora, emerge a criatividade e alcança maior clareza mental. Na verdade, poucos ambientes são tão reconfortantes quanto sentir a areia morna sob nossos pés, o som das ondas e o frescor daquela brisa salgada.

Marinheiros, surfistas e biólogos sempre repetem a mesma coisa: o mar tem um feitiço. O oceano atrai, cativa e tem um atrativo misterioso para os seres humanos desde o começo dos tempos. Essa extensão insondável de água azul nos gera as mais variadas sensações. Às vezes, basta estar um momento na praia para recarregar as energias e perceber como isso melhora nosso humor.

“O oceano é mais antigo que as montanhas, e é carregado com as memórias e sonhos do tempo”.
-HP Lovecraft-

Basta recordar também a conhecida prática dos médicos vitorianos com seus pacientes. Todas as pessoas que sofriam de melancolia, tuberculose ou de um simples mal de amor eram prescritas o mesmo: ar do mar. Assim, as praias foram durante muito tempo o recurso terapêutico ideal tanto para a elite abastada quanto para as pessoas mais pobres.

O método funcionava assim que era realizado. Ele melhorava o humor, porque mar e saúde possuem um vínculo especial que a ciência não para de comprovar.

Paisagem bonita com mar

Mar e saúde: o efeito terapêutico dos ambientes aquáticos

Em 2011, um interessante estudo foi conduzido pela Universidade da Suécia. Ele demonstrou algo que certamente todos nós intuímos: os ambientes aquáticos geram bem-estar e têm um impacto positivo em nossa saúde. Desta forma, tanto o mar quanto os rios e lagos geram mudanças em nossa mente, no cérebro e no corpo.

Tamanho é o fascínio em relação a esses cenários azulados que há muitos autores determinados a desvendar esse enigma. Um deles foi o conhecido biólogo marinho Sir Alister Hardy. Segundo esse cientista, conhecido por participar de uma das primeiras expedições à Antártida, em 1925, nosso corpo está “programado” para reagir aos ambientes benéficos.

Quando nossa espécie deixou a savana, chegou às costas e descobriu o oceano, algo mudou em nós. De repente, tivemos acesso a novos alimentos, especialmente aqueles ricos em ácidos graxos ômega 3, essenciais para o desenvolvimento e a saúde do cérebro. Além disso, o efeito terapêutico do mar, com seus poderosos estímulos, pôde criar um vínculo precoce e muito poderoso. Tanto é assim que não faltam estudos sobre o assunto.

Um deles é o da Dra. Jenny Roe, da Universidade Heriot-Watt, em Edimburgo. De acordo com este trabalho, ao estar em contato com o mar, uma série de respostas fisiológicas são produzidas. Liberamos endorfinas, o nível de cortisol é reduzido, geramos ondas alfa em nosso cérebro

O contato dos primeiros hominídeos com o mar pôde nos deixar uma marca que ainda persiste. Seus benefícios e seu bem-estar são inegáveis hoje.

O poder curativo do oceano

Mar e saúde estão relacionados. O oceano gera o que muitos cientistas chamam de “bem-estar azul”, que é resumido em:

A mente azul

  • Nossos cérebros reagem de maneira muito positiva à visão da água. Contemplá-la, cheirá-la e senti-la oferece ao cérebro um estado de relaxamento absoluto. Esse estado ideal de calma favorece a liberação de neurotransmissores como a dopamina e a serotonina, que aumentam nossa sensação de felicidade.
  • Além disso, o mar impulsiona nossa criatividade. Ele reduz as preocupações e melhora processos cognitivos básicos, como a memória, a atenção…

Ideal para as vias respiratórias

Essa brisa salgada é uma regalia de bem-estar para as nossas vias aéreas. Ela as desobstrui, limpa os pulmões, facilita a respiração e, além disso, nos beneficiamos de seu efeito antibiótico. O mar é ideal para as pessoas com asma, com alergias…

Mulher entrando no mar

Conexão e alimentação

Tanto o som do mar quanto a visão desses cenários dominados pelo movimento, pela luz e pela presença da imensidão favorecem o aparecimento de ondas alfa em nosso cérebro. Entramos em um estado de calma e a conexão interna melhora. Além disso, de acordo com um trabalho publicado no Journal of Complementary Medicine, é o próprio ar do oceano que contribui para esse estado de relaxamento e conexão pessoal.

O ar do mar está carregado de íons negativos. Essas partículas negativas, como esta pesquisa revela, são geradas sobretudo em ambientes naturais com correntes de água: o mar, os rios, as cachoeiras, etc. Seu efeito favorece a produção de serotonina. Entramos, por assim dizer, em um estado de equilíbrio interno que, por sua vez, nos enche de energia, de criatividade, de motivação, de ânimo para se conectar, para socializar…

Também não podemos esquecer algo essencial. Mar e a saúde têm um vínculo direto porque nesses cenários temos a possibilidade de absorver vitamina D. Como sabemos, esse componente é essencial para um grande número de processos vitais.

No entanto, por mais curioso que pareça, grande parte da população sofre de um déficit desse elemento. Portanto, não duvidemos. Se tivermos a possibilidade, prestemos atenção aos nossos instintos, à voz primitiva que sabe e entende que o mar é um bom lugar para passar o dia. Vale a pena, vale a saúde.