Merlí: uma série diferente

junho 18, 2019
Cada vez temos mais opções ao escolher uma série. Se você está procurando uma série inovadora, politicamente incorreta e única, vai adorar 'Merlí'. Quem diria que uma série de televisão pudesse falar de filosofia nos tempos atuais de imediatismo e pouca reflexão.

Nunca tivemos tantas séries de televisão à nossa disposição, e hoje queremos falar especificamente sobre Merlí, uma série espanhola presente no catálogo do Netflix.

Na verdade, falar sobre séries “de televisão” está começando a se tornar uma expressão imprecisa. As novas plataformas de visualização de séries, filmes, reality shows e documentários multiplicaram nossas opções em relação à grade de televisão e suas dinâmicas.

Dentro de toda a vasta gama de opções, há uma série que tem conseguido ensinar, motivar, divertir, entreter e emocionar, especialmente emocionar. Falamos sobre Merlí, com um protagonista que se dedica a ensinar a matéria de filosofia em uma escola.

Merlí: uma série diferente

Trazendo filosofia para as pessoas

Para todos aqueles alheios a essa disciplina, a filosofia pode ter uma imagem um tanto cinzenta, áspera demais ou teórica demais. O grande mérito de Merlí é que a filosofia é percebida, aplicada, sentida, e não apenas lida ou teorizada.

Esta disciplina, para muitos a mãe de todas as disciplinas atuais do conhecimento, é sobre a vida, e uma série de questões que giram em torno dela. Portanto, que melhor maneira de mostrar a filosofia do que através da própria vida, neste caso, a vida de seu protagonista, que dá nome à própria série.

Como se isso não bastasse, cada capítulo de cada uma das três temporadas se baseia na doutrina de um determinado filósofo. De fato, cada capítulo mostra as principais ideias ou teorias de um filósofo, sem que isso altere o enredo da série.

Assim, Merlí nos mostra uma maneira de entender filosofia que é muito mais dinâmica e prática do que estamos acostumados.

Como a própria vida

Merlí é uma série com toques tragicômicos. O personagem principal, Merlí, interpretado por Francesc Orella, é um professor de filosofia um tanto decadente, com atitudes imaturas, sensível, às vezes mostrando uma masculinidade mal construída… Mas acima de tudo, autêntico, astuto e provocador.

No entanto, o que acontece na série também tem a ver com seus outros protagonistas, os alunos. Pouco a pouco, vamos conhecendo as luzes e sombras da vida de muitos dos alunos de sua turma.

De fato, Merlí é um professor diferente porque sua vida pessoal se mistura à vida de cada aluno. É um dos inúmeros exemplos de sua incorreção política, do questionamento dos limites e do sistema em geral. As relações entre o professor e os alunos vão muito além das quatro paredes da sala de aula.

A série diverte, sacode, entristece, frustra…  É poderosamente realista, distanciando-se de dinâmicas previsíveis ou de personagens muito superficiais.

Cena da série 'Merlí'

O personagem de Merlí

As séries que têm um protagonista principal têm a dificuldade de que ele deve ser muito bem construído. A construção do personagem de Merlí foi praticamente perfeita. Eles conseguiram criar um “herói” com traços diametralmente opostos ao arquétipo do herói clássico.

Nós o vemos corajoso, ousado, mas, ao mesmo tempo, covarde e imaturo. Emocionalmente caótico, mas com um fundo nobre. Sem sinais de hipocrisia moral (talvez uma de suas marcas), Merlí consegue nos seduzir, embora seja muito difícil concordar com ele em tudo.

A vida e a morte, doenças, relações eróticas, drogas, amizade… são apenas algumas das questões que essa série única toca. Mas Merlí é alguém que passa por essas questões sem demonstrar solenidade ou drama excessivo.

Ele aceita todas essas questões como parte da vida, que podem nos tocar de perto ou não tanto, e que temos que administrar como podemos.

A conexão com cada aluno é tão especial porque o protagonista tem um componente adolescente muito identificável, que o faz se conectar com os alunos e seduz o resto das pessoas. Não tanto em sua linguagem ou em seus interesses pessoais, mas em sua atitude, às vezes hedonista e às vezes irresponsável.

Em suma, esta é uma série que não deixa ninguém indiferente, e que conseguiu trazer à tona algo muito necessário nos tempos em que vivemos: a crítica, a reflexão, o pensamento, a aceitação, o conhecimento… a filosofia.