Meu parceiro não "me ajuda" em casa: ambos colaboramos

Meu parceiro não "me ajuda" em casa: ambos colaboramos

Última atualização: 06 abril, 2022

“Meu parceiro me ajuda nas tarefas domésticas”. Todos nós continuamos ouvindo, para nosso desespero, essa frase, essa expressão enferrujada onde está implícita uma categorização de gênero que precisa ser reformulada. Em uma casa ninguém deve ajudar ninguém, porque o que existe é uma responsabilidade comum, o trabalho em equipe.

Em nossa sociedade, apesar do progresso, da mudança de mentalidade e de cada pequena conquista em termos de igualdade de gênero , as raízes do modelo patriarcal continuam sendo percebidas. É aquela sombra escondida ainda em muitas mentes ou na inércia de uma linguagem, onde ainda está presente a ideia de que o homem fornece recursos, e a mulher, administra um lar e filhos.

“Homens e mulheres devem se sentir livres para serem fortes. É hora de vermos os gêneros como um todo, não como um conjunto de polares opostos. Devemos parar de desafiar uns aos outros”

-Discurso de Emma Watson na ONU-

Hoje, pensar que a responsabilidade dos afazeres domésticos e da criação dos filhos é responsabilidade exclusiva das mulheres, é algo do passado, vestígio de um passado que já não é – ou pelo menos não deveria existir -. No entanto, não é necessário defender a todo custo uma distribuição equitativa de 50/50.

Devemos ter em mente que cada casal é diferente, cada casa tem sua própria dinâmica e são seus próprios membros que estabelecem a distribuição e responsabilidades com base na disponibilidade. Fatores como o trabalho, sem dúvida, determinam esses acordos, que devem ser administrados de forma equânime, colaborativa e respeitosa.

Sugerimos que reflita sobre isso conosco.

cozinha

Os tempos mudaram (um pouco, pelo menos)

Os tempos mudaram, agora somos outros, novos, mais corajosos e com muitos mais desafios do que os nossos avôs e avós. Pelo menos é assim que queremos acreditar e é por isso que lutamos. No entanto, existem grandes pontes suspensas para atravessar. Questões como a diferença salarial ou a igualdade de oportunidades são fatores que ainda carregam o estigma de gênero. Lutas complexas que as mulheres continuam enfrentando.

No entanto, quando se trata da responsabilidade da casa, do trabalho doméstico e dos cuidados com os filhos, o progresso em termos de igualdade é significativo. É claro que cada pessoa terá a sua experiência pessoal, e que em cada país, cada cidade e em cada casa existem realidades particulares que condicionam a nossa visão sobre o assunto.

De fato, a agência Reuters publicou um estudo interessante há alguns anos que dizia: para as mulheres, ter um parceiro significa que as elas trabalham 7 horas a mais por semana. Com essa frase, registrou-se que a desigualdade nas tarefas domésticas ainda é evidente. No entanto, está longe dos dados obtidos a partir de 1976, onde a diferença era de 26 horas semanais.

parceiro

Enquanto algumas décadas atrás as mulheres assumiam plenamente seu papel de donas de casa, hoje sua figura cruzou a linha da esfera privada para aquelas esferas públicas antes habitadas exclusivamente por homens. No entanto, compartilhar os mesmos espaços nem sempre implica igualdade de oportunidades ou igualdade de direitos.

  • Às vezes, muitas mulheres assumem a responsabilidade por ambas as esferas. Ao seu trabalho profissional soma-se toda a responsabilidade de um lar e da educação dos filhos.
  • Embora seja verdade que em termos de tarefas domésticas o papel dos homens em muitos casos seja pleno e igualitário, o mesmo não acontece quando se trata de cuidar de pessoas dependentes. Hoje, cuidar de idosos ou crianças com deficiência recai quase exclusivamente sobre as mulheres.

Trabalho doméstico e acordos diários

As tarefas domésticas não são herança de ninguém, na verdade são totalmente intercambiáveis. Nem passar roupa é trabalho da mãe nem consertar a pia é trabalho do pai. A manutenção de uma casa, seja na parte econômica ou na parte doméstica de cuidado e manutenção, é assunto para quem mora sob aquele teto, independentemente do sexo.

O curioso de tudo isso é que neste momento ainda estamos ouvindo a popular frase “meu marido me ajuda em casa” ou “eu ajudo minha namorada a lavar a louça”. Talvez, como dizemos, seja simples inércia e esse esquema patriarcal inflexível integrado em nossas mentes onde toda tarefa tem um gênero em rosa e azul não exista realmente.

Meu parceiro não "me ajuda" em casa

Os acordos diários e o reparto equilibrado é o que traz harmonia àquela rotina doméstica onde é tão fácil cair na reprovação. Como “é que você não faz nada” ou “é que quando eu chego estou cansado”. Os acordos não devem ser alcançados por simples equidade ou papel de gênero, mas por lógica e bom senso.

Se meu parceiro trabalha o dia todo e eu estou desempregado ou optei livremente por ficar em casa para criar meus filhos, não posso exigir que ele ou ela cozinhe meu jantar e lave as roupas. Da mesma forma, cuidar de uma criança não é apenas uma tarefa de uma pessoa. A mãe não deve ser obrigada a ser uma “supermãe”. Um filho é responsabilidade de quem escolheu tê-lo e, mais ainda, devemos servir de modelo, mostrando-lhe, por exemplo, que a cozinha não é feudo de ninguém.

Assim, arrumar a cama, cuidar do nosso cachorro e cuidar de uma casa, não é ajudar a mamãe ou o papai, é responsabilidade de todos.

Algumas ideias

Cada casa é diferente. Um casal sem bebês terá menos tarefas domésticas do que um com bebês. Um casal que não trabalha terá mais tempo do que outro que o faça. Assim, em cada casa a distribuição do tempo deve ser aplicada de acordo com o que for conveniente para ambos.

Em primeiro lugar,  seria bom fazer uma lista das coisas que gostamos de fazer e outra das que não gostamos. Se um dos dois gosta de cozinhar e o outro prefere limpar, não há mais discussão. Muitos casais dividem as tarefas domésticas de acordo com seus gostos, “eu faço isso e você faz aquilo” e ambos ficam muito felizes. O ruim é quando um dos dois (ou ambos) não gostam de fazer nada ou não querem fazer nada. Nesse caso será necessário encontrar a energia e organizar uma agenda semanal de tarefas em que as tarefas sejam trocadas.

Nenhuma das tarefas domésticas corresponde por natureza a nenhum dos dois sexos,  nesse sentido, a discussão está encerrada. Não devemos esquecer que às vezes um dos dois trabalha e o outro fica em casa. Nesse caso, a distribuição não precisa ser equitativa. Se o que trabalha estiver fora por 8 horas, o outro terá mais tempo para fazer mais algumas coisas.

O importante na distribuição de tarefas, por um lado, é saber que ambos os sexos são perfeitamente capazes de realizar qualquer tarefa. E, por outro, que seja feito com bom senso, dependendo do tempo e disponibilidade de cada um.

Pode interessar a você...
Transtorno desafiador opositivo: sintomas, causas e tratamentos
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Transtorno desafiador opositivo: sintomas, causas e tratamentos

O transtorno desafiador opositivo (TDO) é caracterizado por um padrão recorrente de comportamentos não cooperativos, desafiadores, negativos e host...