Não se julgue pelo seu passado, você não mora mais lá

Quantas vezes você se arrependeu das suas ações e decisões anteriores? Descubra como esse arrependimento pode afetar a sua vida no presente.
Não se julgue pelo seu passado, você não mora mais lá

Última atualização: 27 Outubro, 2021

Quantas vezes por dia você se lembra do passado? Quanto tempo você gasta analisando o que fez, o que deixou de fazer ou o que poderia ter feito melhor? E, acima de tudo, quanta crítica destrutiva há nesses pensamentos sobre um tempo que não existe mais? Não se julgue pelo seu passado, você não mora mais lá.

A maioria de nós tem o hábito de relembrar experiências, ações e decisões passadas com frequência. Porém, infelizmente, não o fazemos por amor, mas a partir de uma perspectiva, muitas vezes, implacável. Examinamos nosso passado com uma lupa, destacando cada falha e aplicando uma exigência de perfeição tão cruel quanto irreal.

Por que temos tão pouca autocompaixão? A realidade é que não temos consciência dos danos que causamos a nós mesmos. Achamos que, ao analisar criticamente nosso passado, estamos aprendendo algo com ele. Acreditamos que, ao nos arrependermos ou nos culparmos constantemente pelo que aconteceu, estamos pagando uma dívida. No entanto, o maior aprendizado vem quando paramos de julgar nosso ‘eu’ do passado e nos reconciliamos com ele.

Não se julgue pelo seu passado

Mulher triste na cama

Não se culpe

A culpa é a ferramenta mais poderosa do nosso ego para nos manter ancorados ao passado. Sentimo-nos culpados por termos magoado alguém, por termos nos deixado ser magoados, por não termos tomado decisões melhores. Nós nos reprovamos continuamente por não termos feito melhor.

No entanto, antes de mergulhar na culpa, lembre-se sempre de que você fez o melhor que pôde. Você não poderia ter agido de forma diferente com o nível de consciência que tinha na época. O que você fez era a única coisa que poderia fazer com o que sabia naquele momento, com o que você era e as circunstâncias em que estava.

Agora, com a perspectiva dos anos e a experiência acumulada, é fácil encontrar alternativas. Mas a clareza sempre vem depois das aulas, não antes.

Se agora você consegue ver o passado de outro ângulo, é precisamente graças aos seus erros anteriores. Comemore a sua consciência, mas não caia na armadilha de se culpar: hoje você sabe o que não sabia. Você fez o que podia.

Não se arrependa

O arrependimento também é uma emoção que escraviza. É altamente recomendável lamentar ter feito mal a alguém, ou mesmo a nós mesmos, desde que isso seja acompanhado por uma ação consequente. Ou seja, peça perdão, conserte o dano e extraia um aprendizado.

Qual é a utilidade de negar constantemente o que aconteceu? Por que investir energia em ficar frustrado e desejar que aquilo nunca tivesse acontecido? Voltar atrás não é mais possível. Lembre-se de que, na realidade, todas essas experiências lhe deram lições que fizeram de você quem você é. É a sua história, com os erros, fracassos e tropeços que o trouxeram até aqui. Seja grato pelo que você aprendeu e siga em frente.

Não se condene

Por fim, lembre-se de que você tem a oportunidade de se reinventar todos os dias e de que o seu passado não define quem você é hoje. Se você cometeu um erro, isso não o torna um fracasso ou uma pessoa má.

Você tentou e falhou? Isso não significa que você falhará novamente. Se no passado você era egoísta ou incapaz de estabelecer limites, isso não significa que essa seja a sua natureza. Pare de se definir e se condenar por quem você era. Não se julgue por um passado em que você não vive mais.

Mulher olhando para o reflexo no espelho

Não se julgue, reconcilie-se consigo mesmo

Em última análise, é hora de aprender a olhar com compaixão para a pessoa que éramos. Certamente você se machucou e se permitiu ser machucado. Provavelmente, se você pudesse voltar com o conhecimento que possui agora, mudaria muito do que fez. No entanto, perdoe-se, compreenda-se e olhe com amor para a sua versão anterior.

Lembre-se, acima de tudo, de que as experiências são lições. Integrar a nossa história e tudo o que nela aconteceu é fundamental para nos sentirmos à vontade para criar um novo caminho. A culpa, o arrependimento e a autocrítica constante nos amarram a esses momentos dolorosos, nos condenam a viver permanentemente em um tempo que já passou.

Reconcilie-se consigo mesmo e permita-se seguir em frente. Agora, você está pronto para trabalhar para ser uma pessoa diferente. Você não vive mais no seu passado: integre-o, aprenda com ele e continue.

Pode interessar a você...
Não posso mudar o passado, mas viver no presente está em minhas mãos
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Não posso mudar o passado, mas viver no presente está em minhas mãos

Viver no presente nos aproxima do caminho da felicidade. O passado e o futuro são ilusões que nos impedem de caminhar. Aproveite o hoje!



  • De Rosa, L., Dalla Valle, A., Rutsztein, G., & Keegan, E. (2012). Perfeccionismo y autocrítica: consideraciones clínicas. Revista Argentina de Clínica Psicológica21(3), 209-215.
  • Maynar, M. A., & Germer, C. K. (2016). Autocompasión en Psicoterapia y el Programa Mindful Self Compassion:¿ Hacia las Terapias de Cuarta Generación?. Revista de Psicoterapia27(103), 169-185.