Não sou fria, só tenho medo de que me machuquem

Não sou fria, só tenho medo de que me machuquem

maio 29, 2016 em Emoções 1468 Compartilhados
Mulher com medo de se machucar

Vivemos em uma sociedade onde parece que sentir é mal visto. Crianças aprendem que chorar é ruim, porque é coisa de meninas e demonstra fragilidade. Jovens preferem relacionamentos de uma noite para não se machucarem. Adultos têm relacionamentos de casal com pessoas que não amam. Idosos vivem na solidão porque são vistos como um estorvo. É hora de superar o medo de sentir. Onde está a nossa humanidade?

É difícil ver duas pessoas se dando um abraço na rua sem que sejam um casal, dizer “gosto de você” sem que soe esquisito, chorar sem sentir culpa ou vergonha. Parece que vivemos na cultura do “não sentir”, porque se sentimos ou falamos dos nossos sentimentos, seremos considerados pessoas frágeis. Assim, em vez de receber um abraço com empatia e carinho, recebemos injúrias.

O medo de que nos machuquem

Imagine que você vai caminhando por um bosque e já escureceu. De repente você vê uma sombra e algo que se move, o seu cérebro coloca o seu corpo em alerta antes de identificar se trata-se de um animal ou se é simplesmente o vento. Esta forma de reagir se deve ao nosso instinto de sobrevivência. No cérebro existe uma pequena estrutura denominada amígdala, que processa as experiências de medo.

menina-pensando-com-medo-de-se-machucar

A amígdala é um botão de emergência que se ativa quando há um perigo à espreita. O doutor de Psicobiologia da UAM, Luis Carretié, sustenta que o sistema é capaz de ativar a resposta mesmo antes de sermos conscientes do perigo.

Duas pesquisas publicadas em 2010 na revista Nature, realizadas pela equipe do neurobiólogo David J. Anderson, do Instituto Tecnológico da California (CalTech), e do professor Andreas Lüthi, do Friedrich Miescher Institute (FMI), decifraram o funcionamento do que chamam de “o círculo do medo”.

Os estudos comprovaram a existência de dois tipos de células na amígdala que se alternam para abrir e fechar as “portas” do medo. Mas Carretié sustenta que as pesquisas realizadas precisam ser consideradas com cautela, porque os humanos são influenciados por outros fatores com relação ao medo. Por exemplo, o córtex pré-frontal também tem um papel importante, já que é quem coloca a situação em contexto e faz com que a resposta não seja tão automática, e sim mais elaborada.

Se uma pessoa nos fere, seja um amor, um chefe ou um familiar, inclusive com palavras que ferem, a resposta da amígdala seria responder ativamente, mas o córtex pré-frontal coloca tudo em contexto e faz que tenhamos alguns momentos de reflexão, se possível, antes de agir. Por outro lado, é preciso considerar que o medo está muito condicionado pelas próprias experiências e pode chegar a bloquear os sentimentos.

Como superar o medo da ferida

Algumas vezes, ou muitas, você foi ferido, mas isso não significa que vá se repetir sempre, nem que tenhamos que mudar o nosso jeito de agir. Frente a esta situação, consideremos algumas ideias como uma forma de refletir e retirar a couraça que cobre os nossos sentimentos.

Reconhecer o que nos dá medo

O primeiro passo e talvez o mais complicado para superar um medo é reconhecê-lo. O que aconteceu no passado que nos provoca medo? Do que temos medo e por quê? Uma reflexão profunda sobre isso nos ajudará a entender o que está acontecendo e a ter uma visão realista do problema.

mulher-com-medo-de-se-machucar

Conhecer os nossos sentimentos

Sentimos muitas coisas e às vezes guardamos esses sentimentos no mais profundo de nós mesmos por vergonha ou medo, sem perceber que ao colocar essa couraça estamos nos prejudicando. Talvez precisemos da ajuda de outras pessoas para falar disso ou de um especialista, mas o importante é aprender a se conhecer e a viver o que sentimos.

Expressar-se através da arte

A dança, a pintura, a escrita e todas as manifestações artísticas podem nos ajudar a nos expressar e a colocar para fora o que sentimos, com valentia e sem medo. O importante é procurar alguma atividade da qual gostamos e que estimule a nossa expressão e o nosso sentir.

Recomendados para você