O que é a neurodermatite?

A neurodermatite é uma doença de pele que causa sensação de coceira em diferentes regiões do corpo. Que outros sintomas ela apresenta, por que surge e como é tratada?
O que é a neurodermatite?

Última atualização: 20 Agosto, 2021

A neurodermatite é uma doença crônica da pele comum que envolve uma sensação de coceira em diferentes regiões do corpo. Não é uma ameaça à vida, mas pode levar a complicações. Pode causar uma carga psicossocial significativa, além de distúrbios do sono e disfunções sexuais.

De acordo com um estudo de Jin-Gang et al. (2013), pacientes com neurodermatite tendem a ter habilidades sociais ou recursos interpessoais pobres e falta de flexibilidade.

Além disso, sua qualidade de vida geral também pode ser pior. O que mais sabemos sobre a neurodermatite? Quais são seus sintomas, causas e tratamentos?

O que é a neurodermatite?

A neurodermatite, também chamada de líquen simples crônico, é uma doença de pele que começa com uma coceira. Quando alguém tem dermatite, tende a se coçar com frequência porque a pele coça, embora isso só aumente a coceira.

O ciclo de coceira faz com que a pele afetada fique mais espessa e ainda mais áspera. Na dermatite, manchas também podem aparecer na pele. Essas manchas geralmente surgem nas coxas, tornozelos, pulsos, antebraços e pescoço.

Mulher com muita coceira

Interferência na vida diária

Esta doença não é potencialmente fatal ou contagiosa, mas a coceira sentida pela pessoa que a sofre pode ser tão intensa ou recorrente que realmente interfere em sua vida diária. Assim, altera o sono e a qualidade de vida em geral.

Também afeta a sexualidade. De acordo com um estudo de Mercan et al. (2008), citado em Jin-Gang et al. (2013), em pacientes com neurodermatite há uma maior incidência de problemas sexuais, sendo mais elevada do que em pessoas com psoríase (outra doença de pele).

Sintomas da neurodermatite

Os sinais e sintomas mais comuns de neurodermatite são os seguintes:

  • Um ou mais pontos de coceira na pele.
  • Textura coriácea ou escamosa nas áreas afetadas.
  • Uma ou mais manchas ásperas e salientes, geralmente de cor mais escura que o resto da pele (vermelha, por exemplo).

Por outro lado, é uma doença que pode comprometer outras regiões próximas às áreas onde o paciente coça: isso inclui antebraços, punhos, cabeça, pescoço, tornozelos e até ânus, vulva ou escroto.

A coceira pode ser de vários tipos: contínua ou descontínua. Também pode ser mais ou menos intensa dependendo da pessoa e da hora do dia. Há até pessoas que se coçam enquanto dormem.

Além disso, a neurodermatite também pode afetar a parte emocional. De acordo com um estudo de Bhatia et al. (1996), pacientes com neurodermatite pontuam mais alto nas escalas usadas para avaliar a depressão.

Causas da neurodermatite

O que causa a neurodermatite? Não se sabe ao certo. Sabe-se que os recorrentes atritos e arranhões que caracterizam a doença podem começar com algo que simplesmente irrita a pele, como a picada de um inseto ou o uso de roupas justas.

Quando você coça ou esfrega essa área, a coceira aumenta de intensidade; assim, quanto mais a pessoa coça, mais sente coceira.

Doenças de pele

A neurodermatite tem sido associada a outras doenças de pele, como pele seca ou psoríase.

Outros fatores relacionados

A ansiedade e o estresse também são fatores que podem desencadear a coceira característica desse transtorno.

A neurodermatite pode ser tratada?

É difícil quebrar o ciclo da coceira típico desta doença e, portanto, a neurodermatite é, em muitos casos, uma doença crônica. No entanto, ela pode ser tratada.

De que depende o sucesso do tratamento? Da resistência do paciente à necessidade de arranhar ou esfregar as áreas afetadas e da eficácia dos medicamentos utilizados.

Nesse sentido, existem certos medicamentos, com ou sem prescrição, que ajudam a aliviar a coceira. Por outro lado, também será importante identificar e eliminar os fatores que mantêm e agravam o problema.

Mulher coçando o pescoço

Tratamento para a neurodermatite

Objetivos diferentes são perseguidos por meio do tratamento da neurodermatite. Entre eles: controlar a coceira, prevenir o ato de coçar e, principalmente, abordar as causas que originam a doença. Algumas estratégias são:

  • Cremes anti-coceira medicamentosos.
  • Medicamentos para aliviar a coceira: os anti-histamínicos podem reduzir essa sensação, principalmente à noite.
  • Corticosteróides injetáveis.
  • Medicamentos ansiolíticos para tratar a ansiedade.
  • Adesivos de medicação (por exemplo, adesivos tópicos de lidocaína ou capsaicina).

Por outro lado, a fototerapia também é utilizada; às vezes, expor a pele afetada a certos tipos de luz pode funcionar bem. Finalmente, a nível psicológico, trabalha-se para que a pessoa reduza as suas fontes de estresse e ansiedade. O controle emocional e os comportamentos que geram ou evitam a coceira e o coçar subsequente também são trabalhados.

A neurodermatite é uma doença cutânea persistente que pode causar complicações: feridas, infecção bacteriana ou até marcas de cicatrizes.

Além disso, a coceira que uma pessoa com neurodermatite sente pode interferir na qualidade do seu sono, na sua vida sexual e, em geral, na sua qualidade de vida. Por este motivo, é importante consultar um médico se notar algum dos seus sintomas.

Pode interessar a você...
6 conselhos para tratar a dermatite atópica
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
6 conselhos para tratar a dermatite atópica

Hoje queremos falar sobre o que podemos fazer para tratar a dermatite atópica, uma doença que surge na pele e que afeta cerca de 10% da população.



  • Carrascosa, J.M. (2004). Phototherapy and photochemotherapy. Actas Dermo-Sifiliográficas, 95(5): 259-284. https://doi.org/10.1016/S0001-7310(04)76817-9
  • Jin-Gang An, Yan-Ting Liu, Sheng-Xiang Xiao, Jun-Min Wang, Song-Mei Geng, Ying-Ying Dong Int. (2013). Quality Of Life of Patients with Neurodermatitis. J Med Sci. 2013; 10(5): 593–598. doi: 10.7150/ijms.5624
  • Mercan S, Altunay IK, Demir B, Akpinar A, Kayaoglu S. Sexual dysfunctions in patients with neurodermatitis and psoriasis. J Sex Marital Ther. 2008;34(2):160–8.
  • Niemeier, V. et al. (1997). Skin disease and sexuality. An empirical study of sex behavior or patients with psoriasis vulgaris and neurodermatitis in comparison with skin-healthy probands. DOI: 10.1007/s001050050635