O que são os neuromitos?

fevereiro 6, 2020
Você acredita que não usamos todo o nosso cérebro? Pensa que as pessoas canhotas são mais criativas? Essas ideias se tornaram populares sem ser verdadeiras. Neste artigo, vamos esclarecer alguns neuromitos.

Com a proliferação das neurociências, o interesse por elas também cresceu exponencialmente. Isso fez com que muitos conhecimentos e resultados de pesquisas fossem descontextualizados ou mal interpretados, dando origem ao que chamamos de neuromitos.

Esses mitos sobre o conhecimento neurocientífico ganharam profundidade no campo educacional. Isso levou pais, professores e os próprios alunos a terem certas crenças sobre o cérebro e o aprendizado que não são totalmente verdadeiras.

Esses vieses de informação também resultaram em métodos educacionais e outras práticas não baseadas em evidências. Além disso, levam a julgamentos e percepções errôneas que condicionam o modo como os educadores (pais ou professores) focam o aprendizado.

Estudos sobre o cérebro humano

Desmistificando os principais neuromitos

Todos os neuromitos são baseados em um conhecimento científico real. No entanto, as informações foram deturpadas ou a atenção foi dada a apenas um aspecto muito específico. A seguir, vamos esclarecer os três neuromitos mais difundidos.

1. Usamos apenas 10% do nosso cérebro

Este poderia ser considerado o neuromito mais difundido de todo o conhecimento popular, estando na boca de educadores, publicitários, psicólogos, etc. Este mito sugere que usamos apenas 10% do cérebro e que esse percentual pode ser aumentado por meio de técnicas de treinamento ou aprendizado, uma vez que os outros 90% estão livres e sem uso.

O que realmente é verdade neste neuromito é que sabemos que o cérebro é um órgão muito poderoso e que, devido à sua funcionalidade, não pode ser 100% usado.

Isso não significa que nossas capacidades não possam melhorar, mas que esses aprimoramentos são feitos fortalecendo as conexões, criando novas redes ou melhorando a saúde do cérebro. Não é uma questão de “espaço”.

Se o cérebro fosse ativado em sua totalidade, isso implicaria um enorme desgaste de energia, além de produzir todos os tipos de comportamentos de uma só vez. O cérebro funciona ativando diferentes áreas que se conectam entre si para iniciar um processo cognitivo ou um comportamento.

Da mesma forma, quando dormimos, observamos que todo o cérebro mostra um pequeno nível de atividade. Assim, usamos 100% do cérebro, mas apenas as regiões necessárias são ativadas ao mesmo tempo.

2. A aprendizagem é eficaz se cada um seguir seu próprio estilo de aprendizado

Outra crença generalizada no campo educacional é de que os alunos aprendem melhor quando as informações são fornecidas de acordo com o seu estilo de aprendizagem.

Existem três supostos estilos principais: auditivo, cinestésico e visual. Dessa forma, seria necessário ensinar cada aluno com um método diferente. Inclusive, algumas escolas chegaram a identificar cada criança com a inicial do seu estilo.

No entanto, essa crença não apenas não se baseia em qualquer evidência científica, mas também não foi provado que a aprendizagem é melhor quando fornecida por um desses canais. Também foi observado que faltam muitos dados em pesquisas a esse respeito.

Cada cérebro é o resultado de um conjunto de experiências e biologia únicas. Assim, é inevitável que cada pessoa prefira ou ache mais fácil aprender de uma certa maneira. Agora, será que isso é melhor?

O que se sabe com certeza é que, quando o cérebro recebe vários estímulos que não são integrados sensorialmente, ocorre uma confusão e são necessários mais recursos para integrar as informações. Por outro lado, quando a informação é rica e cobre vários canais sensoriais, a memória e o aprendizado são mais fortes.

3. Os hemisférios são independentes e determinam a personalidade

Esse mito muito espalhado propõe que cada hemisfério cerebral é responsável por certos processos e que ambos funcionam de forma independente. Além disso, está relacionado ao fato de um deles ser dominante, o que determinará as características e até a personalidade das pessoas.

De acordo com essa ideia, o hemisfério direito é o do pensamento mais global, artístico, sensorial e despreocupado. Por outro lado, o hemisfério esquerdo seria o cérebro analítico, responsável, preciso, estruturado e lógico.

Atualmente, a ciência pode afirmar que isso não é verdade. Ambos os hemisférios recebem informações de todos os tipos e as processam da mesma forma. Todas as informações são trabalhadas de maneira interconectada, a menos que haja um distúrbio orgânico.

Além disso, embora ser destro ou canhoto implique o domínio de um hemisfério, isso não tem nada a ver com o tipo de processamento ou com a personalidade da pessoa. De qualquer forma, as aptidões e habilidades de cada um são determinadas principalmente pela experiência e outros fatores hereditários.

Neuromitos sobre os hemisférios cerebrais

Existem muitos outros neuromitos

Existem mais neuromitos, como aquele que afirma que você só pode aprender muitas habilidades até os 3 anos de idade, ou que a inteligência é herdada e não pode ser alterada, que o açúcar piora a atenção… Em suma, é muito importante levar em conta as crenças errôneas que determinam aspectos tão importantes quanto a educação.

Existem estudos que observaram que 95% dos professores acreditam em neuromitos, e isso determinará o que eles esperam dos alunos e como trabalharão com eles (efeito pigmaleão). Assim, é necessário fornecer um conhecimento científico adequado e que os resultados sejam divulgados corretamente.

  • Ansari, D., y Coch, D. (2006). Bridges over troubled waters: Education and cognitive neuroscience. Trends in Cognitive Sciences, 10, 146-151.
  • Coch, D., y Ansari, D. (2009). Thinking about mechanisms is crucial to connecting neuroscience and education. Cortex, 45, 546-547.