Qual é o neurotransmissor da paz?

08 Outubro, 2020
Para sentir aquela paz tão desejada, não é necessário olhar sempre para fora. O nosso corpo e seus neurotransmissores podem nos ajudar a alcançá-la.

Quando pensamos em paz, nos imaginamos tranquilos, relaxados, em um ambiente de generosidade e amizade. Muitos podem pensar nesse cenário como uma utopia que só pode ser vivida mais tarde – sempre no futuro – ou de vez em quando. No entanto, isso não significa que seja impossível alcançá-la. Hoje, falaremos sobre o neurotransmissor da paz.

Vamos levar em conta uma questão importante: na vida real, os níveis de cortisol são elevados devido à quantidade de estresse que todos nós – em maior ou menor grau – temos que enfrentar todos os dias. As glândulas suprarrenais trabalham na tentativa de nos adaptarmos ao caos implicado pelos múltiplos estímulos aos quais o ambiente nos submete.

Em meio a todo esse trabalho, se há uma substância que o corpo secreta para administrar o estresse e promover a tranquilidade, é a serotonina.

A serotonina é um neurotransmissor produzido no sistema nervoso central e também em certas células específicas do trato gastrointestinal. Este neurotransmissor possui várias funções, a maioria das quais estão relacionadas com o bem-estar e a tranquilidade, o que o levou a ganhar o título de “hormônio da paz”.

Qual é o neurotransmissor da paz?

O Prêmio Nobel da Paz vai para a serotonina

No sistema nervoso central, a serotonina desempenha um papel importante na inibição da raiva e na supressão da agressividade. Portanto, pode-se dizer que essa substância é aquela que coloca um pano frio no calor causado pela raiva.

Seu aumento nos circuitos nervosos produz uma sensação de bem-estar, relaxamento, maior autoestima, concentração e motivação, o que é muito agradável e pode nos fazer pensar que alcançamos a paz.

No cérebro, a serotonina regula a ansiedade, o que melhora o humor e nos deixa mais felizes, fazendo-nos enxergar o que acontece na vida com lentes positivas.

Entre as principais funções da serotonina estão regular o apetite através da saciedade, equilibrar o desejo sexual, controlar a temperatura corporal, a atividade motora e as funções perceptivas e cognitivas.

Ela também intervém em outros neurotransmissores conhecidos, como a dopamina e a noradrenalina, que estão relacionados à angústia, ansiedade, medo, agressividade, além de problemas alimentares e vícios.

Atua nas evacuações, pois se encontra em grandes quantidades no estômago e nos intestinos, portanto, auxilia na decomposição dos alimentos. Também regula as náuseas, pois quando a serotonina aumenta, ajuda a eliminar substâncias tóxicas do intestino (na diarreia, por exemplo) e estimula a região do cérebro que controla o enjoo.

Além disso, a serotonina causa vasoconstrição, facilitando assim a coagulação do sangue, pois as plaquetas liberam serotonina para ajudar a curar feridas.

À noite, quando seus níveis diminuem naturalmente, o cortisol (que nos mantém atentos), faz um feedback negativo com a serotonina (que se eleva), o que abre a porta para a entrada da melatonina – o hormônio que induz o sono. Ele é fabricado no cérebro pela glândula pineal, a grande reguladora do ritmo circadiano (sono-vigília).

Ao amanhecer, a glândula adrenal começa a liberar nosso combustível – o cortisol – para nos acordar e nos deixar prontos para enfrentar o dia, diminuindo a melatonina e aumentando a serotonina, que não está sendo mais convertida em melatonina.

O relógio serotonérgico interno é responsável por coordenar todas essas funções biológicas do ciclo do sono: regular a temperatura corporal, a pulsação do cortisol, a produção de melatonina, entre outras. A coordenação correta nos permite dormir profundamente e descansar em preparação para o dia seguinte.

Quando a serotonina diminui… a paz vai embora?

Os homens produzem até 50% mais serotonina do que as mulheresPortanto, elas são mais sensíveis às mudanças nos níveis de serotonina. O estrogênio e a progesterona estão associados à serotonina. Mulheres cujos ovários produzem mais estrogênio e progesterona são mais resistentes ao estresse porque têm maiores quantidades de serotonina.

No entanto, aquelas que têm menos estrogênio e progesterona têm menos serotonina e, no início da menstruação, tornam-se hostis, irritáveis, deprimidas, e podem ter crises de choro e raiva.

Estresse, níveis de açúcar no sangue e alterações hormonais, principalmente nos níveis de estrogênio, são algumas das causas pelas quais a serotonina é alterada. O seu déficit também está relacionado a estados de humor, por exemplo: agressividade, mau humor matinal, ansiedade, depressão, e até enxaqueca, porque quando os níveis de serotonina caem, os vasos sanguíneos se dilatam.

A baixa serotonina é claramente observada em condições depressivas (mal-estar e pensamentos negativos, por exemplo) e na fibromialgia, cujo baixo nível de serotonina causa, em parte, as dores típicas dessa condição e distúrbios do sono.

Isso também pode ser observado em casos de pessoas com dificuldades de aprendizado, memória e concentração, além de alterações no desejo sexual. Além disso, pode afetar o ritmo da alimentação: por exemplo, pode dar vontade de ingerir doces ou de comer o tempo todo.

Pensamentos negativos (“eu deveria ter feito”, que sempre marcam o que está faltando e nos levam a pensar no que os outros pensam a nosso respeito, etc.), além de serem absolutamente autodepreciativos e destrutivos, são uma evidência da deficiência de serotonina, o que pode gerar realidades catastróficas.

Quando a serotonina diminui... a paz vai embora?

E a primavera está chegando… junto com o neurotransmissor da paz!

Quando a primavera e o verão chegam, a serotonina é condicionada à luz que recebe do organismo. Isso leva a um aumento progressivo do bem-estar e da felicidade, com uma maior estimulação sexual, produto das concentrações desse neurotransmissor no cérebro.

É também chamado de “hormônio do prazer”, pois em uma relação sexual, para que ocorra a ejaculação ou o orgasmo, o hipotálamo, o grande comandante do cérebro, que manda na hipófise e conduz o sistema endócrino, libera a ocitocina (o hormônio do amor) através da hipófise, e após a ejaculação, aumenta significativamente a quantidade de serotonina no cérebro, causando um estado de prazer e tranquilidade.

A serotonina pode ser estimulada por meio do consumo de vários alimentosO triptofano é um precursor da serotonina; é um aminoácido essencial que, por não ser produzido pelo organismo, deve ser obtido através da dieta (leite e derivados, ovos, frango ou peru, soja, leguminosas, banana, abacaxi, tomate, massas, cereais, arroz, queijo, chocolate amargo, carnes magras).

Praticar esportes regularmente produz não apenas endorfinas, mas também serotonina. Além dos benefícios para o sistema cardiorrespiratório e musculoesquelético, técnicas de relaxamento como ioga, meditação, vida ao ar livre, caminhada, dança e diversão promovem o seu aumento. Da mesma forma, evitar a rotina, criar coisas novas e se dedicar a novas atividades também estimula essa substância.

Resumindo, felicidade, bem-estar e paz estão relacionados a este neurotransmissor; portanto, façamos atividades que nos encham de serotonina. Vamos ser serotoninérgicos!