Autoconhecimento: um caminho difícil repleto de satisfação

· maio 3, 2019
Chegar ao autoconhecimento é um desafio difícil. No entanto, a satisfação obtida ao conseguir justifica a dureza do caminho. Aprenda conosco a conhecer a si mesmo.

No pronau do templo de Apolo em Delfos, lia-se a inscrição Gnothi Senitor, que significa literalmente “conhece-te a ti mesmo”. Uma profunda mensagem sobre o autoconhecimento que sobreviveu ao longo do tempo e que podemos encontrar em um grande número de obras de autores gregos, embora seja verdade que sua maior difusão cabe a Platão, que a incluiu em seus diálogos.

O autoconhecimento é a base e a porta que nos leva ao caminho da autorrealização. É um processo reflexivo através do qual conhecemos a nós mesmos ao longo do tempo e que nos permite ser conscientes do nosso leque inerente de defeitos, virtudes, e todas as qualidades presentes em cada um desses extremos.

 “Quando alguém começa a pensar diferente e a ter novos pensamentos, o que está fazendo é começar a se conhecer mais”.
-Estanislao Bachrach-

Para que serve conhecer a si mesmo?

Conhecer a si mesmo é o ponto de partida para tomar decisões direcionadas a melhorar nosso bem-estar e nos superar dia após dia. Porque quem se conhece sabe o que lhe faz feliz, quais são suas necessidades e até onde pode chegar. Tudo isso influencia a autoestima e a capacidade de autocontrole.

O autoconhecimento também influencia o conhecimento dos próprios direitos, deveres e responsabilidades. De alguma forma, proporciona uma visão mais ampla e sincera de si mesmo, o que implica a oportunidade de fortalecer o amor-próprio, se este estiver enfraquecido.

No entanto, um dos aspectos mais importantes é que conhecer a si mesmo envolve uma menor impulsividade e uma maior consciência dos sentimentos, pensamentos e ações. De alguma forma, influencia pois nos leva à consideração das consequências de nossos atos, assim como de tudo aquilo que vivenciamos.

Conhecer a si mesmo é uma poderosa estratégia pessoal de adaptação ao meio psicossocial e de aceitação de si mesmo; sem dúvida, uma das habilidades mais produtivas para qualquer ser humano.

Conhecer a si mesmo

Como se chega ao autoconhecimento?

As pessoas, em geral, tendem a pensar que conhecem bem a si mesmas, que realmente sabem como são, mas a verdade é que não é sempre assim.

Conseguir conhecer a si mesmo não é uma tarefa simples e pode levar anos ou, inclusive, pode ser que nunca cheguemos a nos conhecer completamente. De fato, as experiências nos mudam. Não somos os mesmos agora se comparados àquelas pessoas de alguns anos atrás, assim como não seremos os mesmos no futuro.

Todos nós estamos em constante mudança e, durante nossa vida, passamos por todo tipo de transformações em relação à nossa forma de pensar, agir e entender a própria existência.

Assim, o primeiro requisito para nos conhecermos é sermos sinceros conosco. Para isso, temos que nos libertar das armadilhas do autoengano e dos mecanismos que utilizamos para nos proteger de vez em quando. Trata-se de desenvolver uma profunda capacidade analítica e tentar questionar nossa essência, o que vai muito além do que acreditamos ser.

Fases do processo de autoconhecimento

  • Autopercepção: significa a observação passiva, embora realista e íntima, de nosso ser.
  • Auto-observação: trata-se de analisar nossas ações e nossos comportamentos com o objetivo de entender o porquê de nossas condutas.
  • Memória autobiográfica: trata-se de revisar o conjunto de lembranças e experiências vividas ao longo da nossa vida. Dessa forma, será mais fácil lembrar o que aconteceu em nosso passado, em momentos e lugares específicos.
  • Autoestima: essa fase coincide com a análise do amor-próprio, com a forma como nos valorizamos e como desprezamos. De alguma forma, conhecer a si mesmo nos proporciona um mapa sobre quanto gostamos de nós mesmos, o que pode indicar se é necessário ter mais amor por nós mesmos.
  • Autoconceito: é o conjunto de características que formam a imagem de si mesmo, que foi gerada através de juízos de valor.
  • Autoaceitação: após as fases anteriores, nas quais ocorre a reflexão sobre a própria existência e os próprios sentimentos, chega o momento de se aceitar, de se olhar no espelho e se reconhecer assim como se é. Somente dessa forma terá fim o ciclo de amadurecimento e autoconhecimento.

 “Sua tarefa é descobrir seu mundo e, depois, se entregar a ele com todo o seu coração”.
-Buda-

Mulher se olhando no espelho

Por outro lado, perguntar-se sobre questões importantes e de grande significação pode nos ajudar a percorrer o caminho do autoconhecimento. Por exemplo, “quem sou eu?” ou “quais são minhas metas e meus objetivos?”. São questões importantes que nos dão informações sobre nós mesmos.

Praticar o mindfulness também é uma boa ferramenta, já que através desse exercício podemos alcançar estados de calma e serenidade nos quais podemos nos aprofundar em nós mesmos.

Como vemos, conhecer a si mesmo não é fácil. Questionar a nós mesmos em nossas profundezas e aceitar tudo o que somos demanda tempo, esforço e, sobretudo, sinceridade. Aspectos que nem todas as pessoas estão dispostas a assumir, mas, se o fizerem, empreenderão uma das viagens mais fascinantes.