O espaço individual no casal, como negociá-lo?

Você está sobrecarregado por passar muito tempo com seu parceiro? Você precisa de espaço pessoal, mas não sabe como contar a eles? Cultivar a autonomia é benéfico tanto para o relacionamento quanto para ambos os membros dele. Aqui explico porque é importante.
O espaço individual no casal, como negociá-lo?

Última atualização: 04 agosto, 2022

Quer compartilhar o tempo todo. Aguarde ansiosamente por uma reunião. Sentir que não pode haver um reforçador tão poderoso quanto a presença do outro ou que o outro é a única pessoa que pode nos fazer sentir tão bem. Olhe em seus olhos e deseje que o tempo parasse. Essas sensações têm prazo de validade e é bom que assim seja: imagine viver a vida inteira com essa porcentagem de atividade mental associada ao outro.

Passada a fase da paixão, é natural que alguns dos anteriores permaneçam, mas não com a mesma intensidade. Passar um tempo sozinho ou sem a presença do parceiro é tão importante quanto compartilhar momentos de qualidade com ele.

Nosso, seu e meu

É verdade que é bom compartilhar alguns interesses com nosso parceiro. Na verdade, ter gostos em comum é provavelmente um ingrediente fundamental na hora de estabelecer um vínculo amoroso, pois o que poderia ser mais bonito do que compartilhar um hobby com a pessoa que amamos?

Vocês dois gostam de ioga? Vocês dois gostam de jogar videogame? Você e seu parceiro são amantes da música clássica? Se sim, seja bem-vindo, mas tenha em mente que nem tudo precisa ser compartilhado.

Não é necessário -nem saudável- compartilhar todas as atividades que fazem ao longo do dia. Vocês são indivíduos e certamente tanto você quanto seu parceiro têm certos interesses que o outro não tem.

Talvez você goste de futebol e seu parceiro não. Isso não significa que você tem que desistir da atividade! Continue fazendo isso, para que você possa falar sobre experiências que você viveu separadamente. Um casal saudável precisa de três espaços claramente definidos para trabalhar harmoniosamente: o criado em conjunto, o deles e o seu.

“Mas, além disso, não importa quantas coisas tenham em comum, cada membro do casal é uma pessoa diferente e tem sua própria história, seu próprio caráter, suas nuances de interesses, valores, aspirações e, logicamente, uma família de origem. com seu funcionamento e realidade particulares. Em suma: dada a variedade entre as pessoas, é impossível encontrar coincidência em tudo, e provavelmente também não seria desejável”.

-Jorge Barraca Mairal-

casal fazendo ioga
Compartilhar atividades e hobbies com seu parceiro é benéfico, mas também é necessário um espaço individual para cada membro do casal.

O espaço individual é necessário a nível pessoal e para ligar

Embora seu parceiro possa influenciá-lo, seu bem-estar emocional é sua responsabilidade; uma responsabilidade que você não está assumindo de forma inteligente se o que você faz é gerar uma única dependência.

Dedicar tempo e energia a atividades ou espaços em que nosso parceiro não está presente favorece o desenvolvimento de uma autoestima saudável, que por sua vez nos ajuda a nos relacionar positivamente tanto com as pessoas ao nosso redor quanto com nós mesmos.

Nesse ponto, o equilíbrio é a chave: compartilhar com os outros não deve significar descuidar de si mesmo, nem priorizar deve enfraquecer nossos vínculos. Muito pelo contrário, manter um bom equilíbrio na hora de distribuir a área dos espaços faz com que você se sinta melhor em ambos.

Por sua vez, que a pessoa que nos acompanha seja feliz sem a nossa presença nos faz sentir felizes e livres, pois seu bem-estar não se baseia em nossa existência, mas vai além. Nesse caso, acompanha-se e é acompanhado por escolha e não por necessidade.

Tempo limitado, tempo de qualidade

Qualquer coisa ilimitada perde valor. Por assim dizer, o infinito é mais do mesmo. Não há novidade ou emoção. Há um fenômeno chamado adaptação hedônica que é relevante: o termo se refere ao fato de que os seres humanos se adaptam facilmente tanto ao positivo quanto ao negativo. Isso explica como nossa satisfação desaparece rapidamente depois de atingir um objetivo.

Imagine que por um ano você só pudesse comer seu prato favorito. Sim, a massa parece deliciosa para você, mas certamente depois de alguns dias você deixaria de sentir esse prazer quando a experimentasse pela primeira vez.

O acesso ilimitado às coisas faz com que elas se desvalorizem rapidamente. O mesmo acontece com o timeshare em casal, se for irrestrito perde valor. Por isso, não é de estranhar que casais que compartilham quase o dia inteiro acabam muitas vezes sobrecarregados, pois o excesso de proximidade sufoca a relação.

Mulher entediada com um amigo
Compartilhar o dia inteiro com seu parceiro continuamente sem ter um tempo individual pode ter efeitos negativos no relacionamento.

É possível ter espaço pessoal na mesma casa?

Claro que sim! Embora seja verdade que garantir o próprio espaço de convivência com o casal possa ser mais complexo do que se cada um tivesse o seu lugar, não é impossível. Além do fato de cada um poder ter suas próprias atividades fora de casa, é possível ter lugares físicos onde possam ter momentos de solidão sem serem invadidos.

Com certeza você já ouviu falar da nova tendência: dormir em camas separadas. É um costume cada vez mais forte no mundo dos relacionamentos, porque a experiência nos diz que beneficia o bem-estar integral de cada membro, gerando uma convivência mais harmoniosa e aumentando o desejo sexual.

Em suma, tanto a comunicação quanto a confiança, assim como o respeito à privacidade do outro e da própria, representam pilares fundamentais para que um vínculo amoroso seja bem-sucedido e saudável.

Quando temos maior cumplicidade com uma amizade do que com o casal



  • Aguilar, C. E. V., & Paladinez, J. L. J. (2020). Desgaste emocional en la convivencia afectiva de pareja. ACADEMO Revista de Investigación en Ciencias Sociales y Humanidades7(1), 58-66.
  • Barraca Marial, J. (2016). “Terapia integral de pareja. Una intervención para superar las diferencias irreconciliables”. Editorial Síntesis, S.A.; Edición 1ª ed.