O exercício físico ajuda a gerar novos neurônios, de acordo com um estudo

Temos cada vez mais evidências de que o exercício físico é um dos eixos da boa saúde física, mental e cognitiva. Um estudo recente fornece dados interessantes sobre o efeito que tem na geração de novos neurônios.
O exercício físico ajuda a gerar novos neurônios, de acordo com um estudo

Última atualização: 26 março, 2022

Ninguém duvida dos benefícios do exercício físico. Não só promove a boa saúde, mas também tem uma influência muito positiva no humor. Agora, a ciência descobriu que também ajuda a gerar novos neurônios.

Desde 1964, com base na pesquisa da famosa bióloga Marian Diamond , sabemos que o cérebro tem plasticidade e é adaptável. Isso derrubou a velha crença de que era impossível gerar novos neurônios. Além disso, agora também sabemos que o exercício físico é um dos promotores/motivadores/estimuladores da neurogênese.

É possível gerar novos neurônios por meio de nutrição adequada, diversidade na atividade cognitiva, exposição à novidade e um ambiente social estimulante. Além disso, o estudo realizado por Diamond, da Universidade de Berkeley, e outros mais atuais, encontraram uma importante relação entre neurogênese e exercício físico.

O cérebro em movimento aprende mais rápido.”

-Isabel Maria Martin-

Gerar novos neurônios

neurônios no cérebro
O exercício aeróbico favorece a produção de neurônios.

Um cérebro normal tem 100 bilhões de neurônios, a maioria dos quais se forma antes do nascimento. Além disso, durante os primeiros anos da infância, continuamos a produzi-los a uma taxa considerável. Transcendendo a primeira infância, essa produção desacelera. No entanto, o processo essencial é mantido ao longo da vida.

Recentemente, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Harvard, liderada por Rudolph Tanzi, publicou um artigo afirmando que o hipocampo produz entre 700 e 1.500 novos neurônios por dia. Este é um número muito baixo de células, mas faz uma contribuição valiosa para manter muitas conexões cerebrais ativas.

A pesquisa não só buscou estabelecer dados como esse, mas também quis investigar os mecanismos capazes de estimular o hipocampo, para que fosse possível aumentar a produção de novos neurônios. Desta forma, eles encontraram dados muito interessantes.

Exercício físico e a geração de novos neurônios

Mariane Diamond já havia explorado a relação entre o exercício físico e a geração de novos neurônios. Ratos foram usados como sujeitos experimentais. Com eles fez dois grupos: alguns foram mantidos em uma pequena gaiola, isolados e privados de atividade. Outros tinham uma gaiola maior, tinham diferentes possibilidades de brincadeiras e recebiam uma alimentação variada.

Após 80 dias, seus cérebros foram analisados e verificou-se que o córtex cerebral dos ratos que possuíam um “ambiente enriquecido” havia sido modificado. O córtex era maior, eles tinham mais vasos sanguíneos na área e o nível de uma proteína conhecida como BDNF havia aumentado. Este último é expresso no córtex e no hipocampo e está associado aos processos de aprendizagem e memória.

No experimento do Dr. Tanzi, também foi avaliado o efeito do exercício físico nas alterações cerebrais e na geração de novos neurônios. O resultado foi avassalador. Especificamente, realizar exercícios aeróbicos por oito semanas contínuas parece dobrar a produção de neurônios em condições sedentárias. Além de aumentar o BDNF, também aumenta a produção da enzima Gpld1, que está envolvida na neurogênese.

Implicações transcendentais

mulher fazendo natação
A natação é um dos esportes mais completos com inúmeros benefícios psicológicos, e inclusive ajuda a reduzir o estresse.

Experimentos associados à ligação entre o exercício físico e a produção de novos neurônios até agora só foram realizados em animais. No entanto, há fortes evidências de que isso também se aplica aos seres humanos. O que ainda não sabemos é que tipo de exercício aeróbico é mais eficaz ou qual o período ideal.

Nesse sentido, a natação poderia ser o exercício físico mais completo. Da mesma forma, há indicações de que é apropriado praticar exercícios por um período entre 120 e 150 minutos por semana. No entanto, os dados disponíveis não são suficientemente fortes para confirmar esta hipótese.

O que fica claro é que o exercício físico ajuda a gerar novos neurônios, melhora os processos atencionais, aumenta a flexibilidade cognitiva e promove o aprendizado e a memória. É possível que em pouco tempo isso tenha uma aplicação específica no tratamento de doenças como o Alzheimer.

Por enquanto, vale a pena tomar nota de todas essas descobertas. Adotar o hábito de se exercitar regularmente é uma daquelas decisões cheias de consequências positivas. Então por que não tentar?

Pode interessar a você...
Esportes coletivos e desenvolvimento pessoal: como se relacionam?
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Esportes coletivos e desenvolvimento pessoal: como se relacionam?

Os esportes coletivos podem incentivar nosso desenvolvimento pessoal e nos ensinar a trabalhar melhor em equipe. Saiba mais neste artigo.



  • Siteneski, A., Sánchez García, J. A., & Olescowicz, G. (2020). Neurogénesis Y Ejercicios Físicos: Una Actualización. Revista Ecuatoriana de Neurología, 29(1), 125-136.