O movimento "Antitrabalho", uma tendência que ganha força

Nos Estados Unidos, e em outros países, há muitas pessoas que deixaram seus empregos porque consideram que ele empobrece suas vidas, mesmo que enriqueça seus bolsos. O movimento se chama "Antitrabalho".
O movimento "Antitrabalho",  uma tendência que ganha força

Última atualização: 01 junho, 2022

A crise que eclodiu em 2020 continua a ter consequências de vários tipos. Uma das mais marcantes é o surgimento de uma tendência que é genericamente conhecida como “antitrabalho”. Como o nome indica, são pessoas que estão analisando o sistema trabalhista desde uma perspectiva mais crítica.

Da noite para o dia, muitos trabalhadores foram forçados a trabalhar à distância. Isso, longe de ser uma simples mudança de formas, acabou se tornando o encontro com uma nova perspectiva de vida. Mães e pais tiveram a oportunidade de compartilhar mais tempo com seus filhos e parceiros. Outros descobriram novas maneiras de gerenciar seu tempo.

Assim, muitos começaram a pensar que talvez dedicar tanto tempo ao trabalho não seja a melhor forma de aproveitar a vida. Tudo acabou convergindo na corrente “antitrabalho”, um grupo importante de pessoas que pretende embaralhar as cartas novamente e colocar os compromissos de trabalho em um lugar mais secundário.

Quando entramos em contato com eventos que ameaçam a vida, tendemos a refletir sobre a morte e considerar se estamos felizes com nossas vidas ou se gostaríamos de fazer mudanças nelas.”

-Anthony Klotz-

O movimento “antitrabalho”

Mulher pensando em adultos que nunca tiveram um parceiro
Os antitrabalho são contra trabalhar com condições limitantes.

Os “antitrabalho” não são um grupo político e, na verdade, nem sequer são um grupo como tal. Ao contrário, é um grupo espontâneo que encontrou um ponto em comum: a rejeição aos compromissos que um trabalho típico implica e das hierarquias trabalhistas.

Embora os “antitrabalho” não tenham feito uma declaração de princípios como tal, com base em suas declarações e ações, pode-se dizer que seus princípios são os seguintes:

  • Não fazer mais do que o necessário. Eles não concordam com a ideia de que você deve sempre dar mais de si mesmo, mesmo que isso signifique estender sua jornada de trabalho ou sacrificar um valioso tempo de vida.
  • Não aceitam as jornadas de trabalho de oito horas. Eles se opõem a que uma pessoa tenha que cumprir um cronograma rigoroso e permanecer em seu trabalho, mesmo que tenha terminado suas tarefas diárias.
  • Trabalhar é importante. Os “antitrabalho” não são contra o trabalho, mas contra fazê-lo em condições limitantes e exclusivamente para favorecer grupos poderosos.
  • Equilíbrio. Eles acham que deve haver um equilíbrio entre o tempo para o trabalho e o tempo para a vida pessoal. Os trabalhos extenuantes não são um caminho para o sucesso, mas contribuem para o empobrecimento da existência.

A grande demissão

Homem coletando suas coisas do escritório
No último ano, muitas pessoas deixaram seus empregos porque não o consideram digno.

Os “antitrabalho” já passaram das palavras aos atos. Muitos deles estão por trás do fenômeno conhecido como “a grande demissão” nos Estados Unidos e em outros países. Em suma, a crise levou muitos deles a tomar a decisão de deixar seus empregos.

Existe até uma pesquisa realizada pela FlexJobs em setembro de 2021. Os resultados indicam que apenas 2% queriam voltar ao trabalho normal, após a crise de 2020. 58% consideraram a possibilidade de deixar o emprego em curto prazo. 65% queriam continuar trabalhando remotamente, daqui para frente.

Os “antitrabalho” realizaram ações como o boicote à famosa Black Friday: eles sabem que trabalho excessivo e consumo excessivo andam de mãos dadas. Eles também enviaram centenas de currículos falsos à Kellogg’s para impedir que a empresa substituísse um grupo de trabalhadores em greve.

Um mundo em mudança

Após o ano de 2020, dificilmente o mundo voltará a ser o mesmo. A crise produziu mudanças nos hábitos da maioria, mas também na nossa forma de ver o mundo. Os “antitrabalho” são uma expressão desta nova realidade que aos poucos vai tomando forma e que coloca em dúvida o sistema vigente.

A crise levou a demissões em massa nos Estados Unidos e em outros países, nas mãos dos “antitrabalho”. Pessoas que questionam o modo de vida baseado numa dedicação obsessiva às atividades laborais, apostando num protagonismo maior para as outras dimensões da existência.

Estamos falando de um movimento que teve um impacto significativo na atividade econômica. Parte dos problemas atuais são efeito da recusa de muitos trabalhadores em “continuar da mesma forma”. É muito provável que isso, que nasceu como uma simples tendência, influencie a evolução do mercado de trabalho.

Pode interessar a você...
Você se sente entediado e cansado no trabalho? Você pode estar sofrendo de Síndrome de Burnout
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Você se sente entediado e cansado no trabalho? Você pode estar sofrendo de Síndrome de Burnout

A síndrome de Burnout é uma das principais consequências do excesso de trabalho ou de suas más condições. Descubra mais sobre o assunto.



  • Tcherneva, P. R. (2020). En favor del trabajo garantizado. Lola books.