O princípio de correspondência de ‘O Caibalion’

· agosto 31, 2018

“O que está em cima é como o que está embaixo, e o que está embaixo é como o que está em cima”, diz o princípio de correspondência de O Caibalion. Esse princípio é, provavelmente, o mais popular dos sete princípios herméticos de O Caibalion. Falamos de um documento publicado no ano de 1908 que afirma ser a essência dos ensinamentos de Hermes Trimegisto, segundo a lenda, guia de Abraão. Aparentemente, tais ensinamentos datam do Antigo Egito.

Cada capítulo de O Caibalion é dedicado a um dos seus sete princípio ou axiomas que são considerados leis universais. Essa escola de pensamento remonta a milhares de anos atrás. No entanto, os princípios que descreve podem ser muito bem aplicados a um cenário moderno. Só é preciso ler com uma mente aberta, com a disposição necessária para compreender a essência central dos axiomas.

O princípio de correspondência é o segundo dos sete princípios herméticos de O Caibalion. Esse princípio expressa a ideia de que sempre existe uma correspondência entre as leis dos fenômenos dos vários “planos” do ser e da vida.

O princípio de correspondência de ‘O Caibalion’ afirma que sempre existe uma correspondência entre os planos do ser e da vida.

O princípio de correspondência

Com essa máxima, fica estabelecido que existe uma harmonia entre o plano físico, o plano mental e o plano espiritual. Basicamente, essa máxima significa que tudo, todos os planos de existência, estão conectados e em correspondência. O macrocosmo está no microcosmo e vice-versa: os sistemas solares, as sociedades e a vida na Terra refletem a mesma coisa.

Pessoas se olhando

O que o princípio de correspondência de O Caibalion significa em um ambiente cotidiano é que o que fizermos no nível micro, faremos no nível macro. Inclusive os menores hábitos influenciam o grande esquema do nosso comportamento. Ao fazer qualquer coisa, também faremos tudo. Se você se descuida de uma área em sua vida, o mais provável é que o resto também acabe sofrendo com esse descuido. Falamos de um efeito borboleta em nível vital.

Seu mundo exterior é um reflexo do seu mundo interior

Podemos levar ainda mais longe o princípio de correspondência de O Caibalion. Seguindo a ideia exposta anteriormente, podemos afirmar que o mundo exterior tende a refletir o nosso mundo interior.

Assim, os pensamentos e as imagens que temos em nossa consciência começam a se manifestar, em muitos casos de maneira inconsciente, em nossas circunstâncias externas. A mente aceita tudo do jeito que é, tem dificuldade para distinguir entre a ilusão, a fé e a substância real. Magnetiza a interpretação com o fato e começa a recriar exatamente aquilo no qual mais nos focamos.

O mundo exterior reflete seu panorama interno. Considera tudo o que está passando e é bom para você. Considera a beleza que você enxerga ao seu redor. Considera a alegria, o amor, a luz e a vida ao seu redor. Tudo isso seria um reflexo do que existe dentro de você. A mesma coisa acontece com o que considera ruim. Por isso, a menos que você aprenda a enfrentar suas próprias sombras, você continuará enxergando-as nos outros, porque o mundo exterior é somente um reflexo do mundo que está dentro de você.

“O lugar da alma é onde o mundo interno e o mundo externo se encontram”.
-Joseph Campbell-

Homem observando céu estrelado

O mundo interior é a causa, o mundo exterior é o efeito. Para mudar o efeito, é preciso mudar a causa. Se há desordem e destruição no seu mundo exterior, isso significa que há desordem e destruição no seu mundo interior. Se há pouco amor no seu mundo exterior, é provável que também não haja muito amor no seu mundo interior.

A forma de controlar seu mundo interior não é tentar controlar o mundo exterior. Isso não funciona. A forma de obter resultados duradouros para controlar o mundo exterior é começar a controlar o mundo interior. Pense que seu mundo interior é o lugar onde você tem um poder quase absoluto.

Esse processo nos permite parar de buscar fora de nós razões únicas para explicar o que acontece conosco e, em seu lugar, procurar as respostas. Nem sempre é fácil aceitar e agir em relação aos nossos problemas, para curar assim as partes feridas em nosso interior.