O que significa ser você mesmo?

Ser você mesmo não é impor seu jeito de ser aos outros. É, sobretudo, trabalhar na sua melhor versão, aquela que lhe permite sentir-se livre, realizado e feliz.
O que significa ser você mesmo?

Última atualização: 30 maio, 2022

“Ser você mesmo”. Eles insistem nesta mensagem constantemente, quase desde que viemos ao mundo. Nossos pais, professores, nossos melhores amigos e até o mundo do marketing e da publicidade nos falam isso. Aliás, até usamos camisetas com essa frase. No entanto, o que realmente significa ser nós mesmos?

A verdade é que nos tornamos aquele tipo de pessoa que não tem problema na hora de se definir nas redes sociais. No entanto, recorremos a definições genéricas e vazias para expressar quem deveríamos ser, mas raramente descrevemos quem realmente somos. E não o fazemos porque nem sempre sabemos como. Também porque vivemos -na maioria dos casos- dominados por condicionamentos externos.

Queremos nos encaixar. Aspiramos a fazer parte do ambiente que nos rodeia. Precisamos ser amados e aceitos, e essa necessidade tira nossa autenticidade e até mesmo nosso bem-estar psicológico. Assim, em uma sociedade quase sempre acostumada a apontar quem pensa, sente e age de forma única e diferente, é muito difícil ousarmos ser nós mesmos em toda a nossa essência.

“Torne-se o que você é.”

-Píndaro-

Menino de costas com um cobertor pensando em como ser você mesmo
Ser autêntico é uma viagem que dura a vida inteira e na qual devemos investir esforços todos os dias.

Ser você mesmo significa…

Em boa parte dos filmes, séries e livros voltados para crianças e jovens, eles são instados a descobrir sua autenticidade. São heróis e heroínas que quebram os moldes, personagens luminosos que, por suas características únicas, sempre saem vitoriosos. No entanto, quando o menino ou a menina olha para o mundo, eles descobrem que foram enganados. A realidade é muito diferente.

Prevalece o reino da selfie e dos filtros, recursos que, desde muito cedo, os acostumam a mostrar um falso eu. Os adolescentes aprendem que para  se integrar devem imitar os outros. Assim o “seja você mesmo” se torna um mandato vazio que fica bem como uma frase no Instagram, mas é melhor não colocá-la em prática. E é aqui que surgem os problemas.

Quando  a pessoa se dissolve em convenções externas sem se conectar com sua essência, sofre. Os jovens sentem-se cada vez mais pressionados, sobrecarregados, ansiosos e vazios. Eles criam personagens e narrativas aos quais se encaixam à força. Mais tarde, a vida fica tão apertada que surgem ansiedade, transtornos alimentares, automutilação…

Revelar nosso verdadeiro eu é um verdadeiro desafio neste mundo onde importa mais o digital, a felicidade online e a beleza e atratividade incomparáveis através de filtros. É necessário fazer uma mudança, iniciar uma revolução para começar a ser você mesmo. Vamos ver como.

Em um mundo dominado pelo digital, as pessoas se acostumaram a construir falsos eu que só causam infelicidade.

Ser você mesmo significa explorar quem você é e se aceitar

Ser você mesmo implica voltar o olhar para dentro. Estamos tão acostumados a olhar, admirar e até imitar os outros que muitos se tornaram autômatos sociais. Talvez seja hora de nos tornarmos um pouco míopes para descansar os olhos no que está próximo de nós: nós mesmos.

Vamos descobrir o que nos define, que situações, experiências e sensações nos fazem sentir bem. Vamos fazer ouvidos moucos ao que se espera de nós e ouvir nossa voz interior. Talvez ela tenha muitas coisas para nos dizer. Acolhamos cada uma de nossas nuances e singularidades, pois na essência está a verdade, nosso ser autêntico.

Ser você mesmo significa correr riscos

Quando finalmente ousamos ser nós mesmos, deixamos de lado os medos, assim como a vergonha e a insegurança. Dói mais uma vida inteira silenciando quem somos, do que revelar em determinado momento o que sentimos e precisamos. Para isso, é preciso coragem e grandes doses de amor próprio, mas o esforço valerá a pena. A felicidade valerá a pena.

A pesquisa de Guler Boyraz e colegas da Louisiana Tech University destaca um ponto interessante. As pessoas que são sempre mais autênticas apresentam níveis mais baixos de estresse e maior bem-estar psicológico. Portanto, se queremos ter uma vida mais plena, ousemos ser nós mesmos em todos os momentos e situações.

A autenticidade requer a desativação de narrativas internas negativas

Somos todos o produto de nossa educação, nossas experiências e a cultura que nos cerca. Isso significa que integramos padrões de pensamento e percepções claramente contraproducentes. Um exemplo disso são todas as narrativas relacionadas à aparência física com as quais somos educados ( gordo demais , magro, baixo demais, alto demais…) nem pense em estudar aquilo).

Vamos detectar essas percepções negativas em nosso diálogo interno e transformá-las. Vamos substituí-las por pontos fortes, vamos entrar em contato com nossas potencialidades, virtudes, sonhos e necessidades e focar nossa atenção nessas áreas mais positivas.

Para ser você mesmo, você deve aceitar seus pontos fortes e fracos. Você é seus pontos fortes e também suas vulnerabilidades.

Ser você mesmo significa trabalhar sempre na sua melhor versão

Nossa identidade e nosso eu interior são uma dimensão poliédrica. Eles são compostos de muitos caras: algumas são mais brilhantes e outros são um pouco mais acinzentados. Não somos perfeitos e essa imperfeição também integra e define quem somos. No entanto, ser você mesmo significa trabalhar todos os dias em nossa melhor versão, sempre dando o melhor de nós mesmos.

Isso também implica nunca impor quem somos, o que queremos e o que gostamos aos outros. O respeito é fundamental. Autenticidade é celebrar que cada um de nós tem sua visão de mundo e que todos podemos viver juntos.

Se nos esforçarmos para sermos melhores a cada dia, para nos cuidarmos, nos valorizarmos e valorizarmos os que nos cercam, essa convivência será mais gratificante.

“As pessoas costumam dizer que ainda não se encontraram. Mas o “eu” não é algo que se encontra, mas algo que se cria.

-Thomas Szasz-

Praticar a vulnerabilidade também é celebrar quem você é

Há outro elemento decisivo que devemos praticar muito mais. Para ser eu mesmo, devo também mostrar minhas vulnerabilidades. Isso é uma coisa complicada, é verdade. Existem áreas de nós mesmos que não gostamos ou temos medo de revelar aos outros. Não o fazemos porque temos medo de receber críticas ou, pior ainda, de não sermos compreendidos.

No entanto, para celebrar quem somos em plena autenticidade, é bom confessar. Revele medos, feridas de ontem, sonhos frustrados e até doenças crônicas. Se todos fizéssemos isso, talvez descobriríamos como somos incrivelmente parecidos; muitas máscaras, filtros e falsidades cairiam para nos abraçar de forma mais autêntica, simples e significativa.

Vale a a pena tentar. Ser você mesmo é uma tarefa difícil em um mundo um tanto frívolo, porém, todo esforço valerá a pena certamente.

Pode interessar a você...
Em qualquer momento e circunstância, que não te falte amor próprio
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Em qualquer momento e circunstância, que não te falte amor próprio

Onde quer que você vá e independentemente das circunstâncias em que estiver, que não te falte amor próprio em nenhum momento.



  • Boyraz, G., Waits. J.B. and Felix, V.A. (2014). Authenticity, life satisfaction and distress: A longitudinal analysis. Journal of Counseling Psychology, 61, 498–505.
  • Kifer, Y., Heller, D., Perunovic, W.Q.E. and Galinsky, A.D. (2013). The good life of the powerful: The experience of power and authenticity enhances subjective well-being. Psychological Science: Research, Theory, and Application in Psychology and Related Sciences, 24, 280–8