Qual é a origem da infelicidade?

18 Julho, 2020
Você já se perguntou qual é a origem da infelicidade? Por que não somos tão felizes quanto desejamos?

Você já se perguntou qual é a origem da infelicidade? De onde ela vem? Ao longo do tempo, foram escritos inúmeros livros sobre o que é a felicidade e se é possível ou não alcançá-la. Isso nos dá uma ideia da importância que damos a ela.

No entanto, até o momento, não se chegou a nenhum consenso. Além disso, também não sabemos o que fazer para conservá-la. Será que é possível? O que parece inegável é a percepção quase constante de que algo nos falta ou do quanto estamos preocupados com uma infinidade de problemas. A questão é que o mal-estar ocupa um espaço muito grande em nossas vidas diárias.

Remendando a infelicidade

Existem muitas teorias que giram em torno do sofrimento. São descritas técnicas para superar medos, para viver no presente, para ignorar nossos pensamentos, etc. No entanto, em muitos casos, uma pergunta importante permanece sem resposta: por que nossa natureza humana tende a fazer exatamente o contrário? Qual é a origem da infelicidade?

Nós, seres humanos, nos contentamos em consertar a infelicidade, mas não nos aprofundamos no funcionamento das nossas emoções, pensamentos e comportamentos. Nós não mergulhamos na raiz do problema.

Mulher chateada

Antes de mais nada, devemos aceitar uma coisa: a natureza não se importa se estamos felizes. Ela não se importa se estamos plenamente conscientes o tempo todo, não se importa se inventamos medos nem se nos apegamos aos nossos desejos.

Portanto, a natureza não se importa com a nossa felicidade, e sim com a nossa sobrevivência. E isso, às vezes, é uma contradição. Esses dois objetivos às vezes colidem estrondosamente. Somos como uma criança com um martelo na mão. Em vez de construir, essa criança se dedica a martelar tudo ao seu redor, inclusive a si mesma. Ela não sabe como a ferramenta funciona nem para que serve.

A origem da infelicidade

Segundo os pesquisadores, a origem da infelicidade reside em quatro causas básicas. Quais são essas quatro causas básicas? Vamos ver mais detalhes a seguir. Nós nascemos com tendências ancestrais úteis, e vamos desenvolvendo essas tendências (estruturas mentais, sistemas emocionais e comportamentos) à medida que crescemos. Elas foram desenvolvidas tanto para a sobrevivência quanto para simplificar, organizar e dar coerência ao mundo exterior.

Essas tendências criam raízes em todos nós, ainda mais quando as observamos ou sofremos durante nossas experiências de vida. Na maioria das vezes, elas são inconscientes e automáticas. Se não fizermos bom uso delas, elas podem nos fazer interpretar o mundo de forma a nos afastar da realidade ou nos deixando à deriva em um mar emocional.

Em segundo lugar, essas tendências inatas não funcionam mais no mundo atual em que vivemos. Elas serviram antes, em um tempo completamente diferente do atual. No entanto, continuamos a pensar e sentir da mesma maneira que os indivíduos daquelas épocas. Isso nos leva a confundir nossas verdadeiras necessidades.

Em terceiro lugar, ao longo da evolução, as inovações não começam do zero. Elas se sobrepõem aos recursos já existentes. Portanto, nosso cérebro comporta desde o cérebro mais primitivo até o mais recente. Todos são úteis, mas podem lutar para assumir o comando e levar a pessoa a ficar confusa em suas contradições.

Por fim, a falta de autoconhecimento e as dificuldades que temos para superar essa falta nos desconectam do que está acontecendo dentro de nós. Somos empurrados por marés que nos atingem em todos os lugares e não sabemos como assumir o comando.

Sentimentos: felicidade e infelicidade

Nossas tendências inatas inúteis

Segundo Eduard Punset, os padrões de conduta que eram excelentes há milhares de anos deixaram de ser úteis e, no entanto, continuam em vigor. No âmbito físico, existem muitos exemplos disso: o dente do siso, a necessidade de criar um estoque de gordura em nosso corpo…

Continuamos prestando atenção, como há milhares de anos, ao que nos falta, aos erros que cometemos, aos preconceitos com aqueles que são diferentes de nós, mesmo sabendo que não são perigosos. Também continuamos desejando o que o outro tem, mesmo que isso não nos ajude a sobreviver. Temos as mesmas tendências que nossos ancestrais tinham, mas nossas sociedades mudaram.

99% dos nossos genes são semelhantes aos dos nossos antepassados. No entanto, a evolução do nosso DNA e sua manifestação é, infelizmente, mais lenta que nossos avanços técnicos, sociais, culturais, econômicos ou científicos.

Como vemos, a origem da infelicidade parece estar em nossas tendências ancestrais inúteis. Antes elas tinham um objetivo claro, mas no momento evolutivo atual, deixaram de ser válidas, levando a desequilíbrios significativos.