Os homens e a emocionalidade

É hora de quebrar mais um estereótipo de gênero: os homens podem ser tão emotivos quanto as mulheres. O problema está na sociedade, que os penaliza mais por expressarem sentimentos e mostrarem sua vulnerabilidade.

Última atualização: 09 julho, 2022

Sensível, empático, vulnerável e até sentimental. De fato, os homens são tão emocionais quanto as mulheres; no entanto, por muito tempo assumiu-se que esse território era exclusivo do feminino. As emoções e sua expressividade eram, até recentemente, um símbolo inequívoco de fraqueza e até de “histeria”.

Os estereótipos de gênero sempre foram motivadores tradicionais de discriminação, abrindo caminho para certas ideias que mais tarde podem ser difíceis de refutar. Assumimos há séculos que masculinidade é sinônimo de força, contenção, resolução e coragem. O feminino, por outro lado, tem sido associado a essa fragilidade derivada de uma emotividade superficial. Algo que invalida e revela instabilidade.

Felizmente, a ciência está do nosso lado e nos fornece evidências de quão desatualizadas e errôneas são essas abordagens. Um estudo publicado na revista Nature nos fornece dados tão interessantes quanto reveladores sobre o assunto.

Homens podem até sofrer muito mais que mulheres em rupturas afetivas

imagem simbolizando que os homens são tão emocionais quanto as mulheres
Devemos normalizar que os homens possam expressar suas emoções abertamente sem serem apontados como fracos por isso.

Além dos hormônios: os homens são tão emocionais quanto as mulheres

Essa ideia foi abordada em um estudo realizado na Universidade de Michigan e na Universidade de Purdue, nos Estados Unidos. O que os pesquisadores fizeram foi rastrear e analisar as emoções de 142 homens e 142 mulheres ao longo de 75 dias. Eles receberam questionários on-line para monitorar, em particular, como se sentiam ao longo de cada dia.

Esse acompanhamento diário em que cada um registrava seu estado de espírito facilitou a obtenção de dados sobre a estabilidade e flutuações emocionais de ambos os sexos. Os resultados que obtiveram foram muito reveladores.

O que acontece com os hormônios e as emoções femininas?

Este é o primeiro fator de interesse. Para a investigação, selecionaram um grupo de mulheres e as dividiram de acordo com o uso ou não de anticoncepcional oral. O que eles conseguiram perceber é que os hormônios ovarianos não influenciam significativamente na amplitude das oscilações que podem ocorrer no humor.

O período associado à síndrome pré-menstrual ou à menstruação não levou sistematicamente a um aumento da variabilidade emocional. Em média, há uma emocionalidade que está sob controle. Este fato é mais importante do que parece à primeira vista. Um exemplo: ao longo do século XX, as mulheres foram excluídas de muitos processos de pesquisa por esse motivo, o que na realidade, à luz deste estudo, não seria correto.

A exclusão foi baseada na ideia de que as flutuações nos hormônios tornavam as mulheres imprevisíveis. Os modelos experimentais masculinos foram preferidos por serem considerados mais seguros e biologicamente confiáveis. Agora isso pode mudar.

A ciência não encontrou uma base biológica para estereótipos emocionais

Os homens são tão emocionais quanto as mulheres (às vezes até mais)

Até o momento, nenhuma base biológica foi encontrada para apoiar o mito de que o gênero feminino é mais sensível e emocional do que o masculino. De acordo com o estudo publicado na revista Nature e liderado pela Dra. Adriene Beltz, os homens são tão emocionais quanto as mulheres. Não há, portanto, diferenças significativas.

Além disso, pesquisas como a realizada na Universidade de Lancaster nos mostram algo interessante. Em média, os homens lidam muito pior com os rompimentos afetivos, e até expressam maiores sentimentos de angústia e tristeza. Essa emotividade mais profunda muitas vezes se traduz em um pior manejo desses estados e um maior risco de sofrer de ansiedade, depressão, etc.

Em geral, os homens foram educados na necessidade de reprimir seus sentimentos, e isso faz com que tenham piores recursos para regular as emoções negativas.

Sociedades patriarcais e repressão emocional nos homens

Meninos não choram. Esta mensagem é um eco mental para muitos homens. Especialmente, para as gerações anteriores aos millennials. As lágrimas e a emoção pertencem ao sexo frágil, ou seja, às mulheres, aquelas que têm permissão para expressar o que sentem, não sem qualificá-las às vezes “histéricas”.

De fato, os preconceitos associados ao gênero, tão enraizados na sociedade patriarcal, tradicionalmente vetaram o gênero masculino de várias maneiras. Uma delas, a mais clássica, está na impossibilidade de expressar o que sentem. Atos como chorar, ser vulnerável, mostrar paixão ou sensibilidade, são exercícios que requerem contenção adequada e necessária.

Esta socialização que visa reprimir as emoções, traduz-se, em muitos casos, numa alfabetização nula nesta matéria. É óbvio que eles experimentam tristeza, felicidade, angústia, esperança e alegria da mesma forma que as mulheres. Mas eles são obrigados a ser medidos, a esconder o que dói, a conter o que sentem. Deixar dentro o que deve ser expressado.

imagem simbolizando que os homens são tão emocionais quanto as mulheres
Nossas emoções, tanto masculinas quanto femininas, flutuam diariamente. Essa é uma parte importante do ser humano.

Vamos normalizar a expressão de emoções além do gênero

Nem a estabilidade emocional é uma característica dos homens, nem as flutuações do gênero feminino. Somos todos seres emocionais com seus altos e baixos ocasionais. Cada um de nós é uma pessoa que processa a realidade por meio do filtro emocional e reage aos estímulos por meio desse canal.

Nenhum gênero é mais emocional do que o outro. O problema está na repressão, na educação disfuncional e nos próprios estereótipos de gênero que continuam nos moldando por completo. É hora de desmantelar muitas dessas ideias ultrapassadas para adquirir uma melhor competência neste assunto. Porque quem é hábil na arte das emoções é hábil na viagem da vida.

Pode interessar a você...
7 grandes benefícios de chorar
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
7 grandes benefícios de chorar

Diversos estudos destacam os inúmeros benefícios de chorar para o bem-estar físico e emocional das pessoas. Saiba mais neste artigo!