Padrões de consumo de álcool segundo Jellinek

Os padrões de consumo de álcool de Jellinek nos ajudam a entender que nem todas as pessoas que bebem são alcoólatras, e nem todas aquelas que chamamos de alcoólatras estão doentes.
Padrões de consumo de álcool segundo Jellinek

Última atualização: 05 Abril, 2021

Elvin Morton Jellinek foi um fisiologista e especialista em bioestatística norte-americano considerado o pai dos estudos científicos sobre o alcoolismo. Suas pesquisas contribuíram para um melhor entendimento dessa doença e para o consequente estabelecimento de padrões de consumo de álcool.

Jellinek nasceu em Nova York em 1890. Entre 1908 e 1910, ele estudou bioestatística e fisiologia na Universidade de Berlim. Por dois anos, estudou filosofia, antropologia, filologia e teologia na Universidade Joseph Fourier em Grenoble. Além disso, também estudou linguística, história cultural e várias línguas. Na verdade, Jellinek falava nove línguas.

Na década de 1930, o fisiologista trabalhou em um hospital de Massachusetts onde o Conselho de Pesquisa de Problemas de Álcool o encarregou de conduzir uma pesquisa sobre alcoolismo. A partir dessa pesquisa, lançou seu primeiro livro, publicado em 1942, O Vício em Álcool e o Alcoolismo Crônico.

Em 1941 ele foi trabalhar na Universidade de Yale e foi editor-chefe da revista “Quarterly Journal of Studies on Alcohol”. Mais tarde, ele foi contratado pela OMS como consultor de alcoolismo em 1952, em Genebra. Durante esse período, fez contribuições importantes sobre o alcoolismo para os Comitês de Especialistas em Saúde Mental.

No final dos anos 1950, ele se aposentou da OMS e voltou para os Estados Unidos. Lá, trabalhou nas Universidades de Toronto, Alberta e Stanford. Em 1952, Jellinek afirmou que o alcoolismo era uma doença que progredia em fases e que estas podiam ser identificadas com alguma facilidade.

Homem alcoólatra

Seu livro mais famoso é A Doença Alcoólica (1960). Nele, ele descreve vários tipos de alcoólatras com base em diferentes tipos de padrões de consumo de álcool. Entretanto, Jellinek não tentava incluir o maior número de pessoas dentro da doença alcoólica, muito pelo contrário; afirmava que aqueles que podem ser agrupados em sua classificação são alcoólatras, mas nem todos são alcoólatras doentes.

Para considerar um alcoólatra doente, é necessário que ele apresente incapacidade de se abster ou perda de controle, e essas circunstâncias não existem em todos os tipos.

Padrões de consumo de álcool de Jellinek

Jellinek afirmou que o alcoolismo se desenvolve em 4 fases distintas (pré-alcoólica, prodrômica sintomática, crucial ou crítica e crônica), cada uma com uma série de sintomas característicos.

Alcoolismo alfa

São indivíduos que sofrem de doenças físicas ou psicológicas; portanto, seu alcoolismo é uma consequência disso. Eles são bebedores sintomáticos que consomem para atenuar os efeitos de uma doença mental ou médica. Seriam principalmente pessoas com epilepsia, esquizofrenia, paranoia ou muito inseguras de si mesmas, entre outras.

Dessa forma, esses tipos de indivíduos têm uma dependência psicológica contínua para neutralizar a dor corporal ou emocional. Por outro lado, tendem a ser indisciplinados na ingestão de álcool (não seguem regras sociais quanto ao tempo, ocasião, local, quantidade e efeito da bebida).

Não apresentam descontrole ou incapacidade de se abster, tampouco apresentam sinais de processo progressivo ou distúrbios decorrentes da supressão do álcool. No entanto, eles podem evoluir para o tipo gama.

O alcoolismo alfa também é conhecido como consumo de evasão.

Alcoolismo beta

Pessoas com alcoolismo beta não apresentam uma verdadeira dependência física ou psicológica; portanto, interromper o consumo da bebida não causa uma síndrome de abstinência. No entanto, é verdade que apresentam repercussões orgânicas do hábito (alcoolização) e complicações como polineuropatias, gastrite ou cirrose hepática.

Este tipo de alcoolismo pode derivar em gama ou delta e provoca uma deterioração geral da saúde e redução da expectativa de vida.

Alcoolismo épsilon

É o alcoolismo periódico ou dipsomania. São pessoas que suportam longos períodos de abstinência até que, inesperadamente, se entregam ao consumo compulsivo e intensivo (consumo excessivo de álcool).

O alcoolismo épsilon está associado a estados de crepúsculo, comportamentos semiautomáticos e amnésia subsequente, além da distimia epiléptica ou ciclotímica.

Alcoolismo gama

Este padrão de consumo de álcool tem as seguintes características:

  • Tolerância progressiva do tecido;
  • Adaptação do metabolismo celular;
  • Dependência física registrada na forma de sinais de retraimento ou descontrole.

O fato definidor é o impulso para a embriaguez. Na verdade, há um problema de controle quando você começa a beber, uma vez que os episódios geralmente não terminam até o início de problemas de saúde ou financeiros que o impeçam de continuar bebendo.

No alcoolismo gama, existem períodos de intoxicação diária durante meses ou semanas entre os quais há abstinência ou consumo moderado. É comum em países com alto consumo de bebidas destiladas, como Estados Unidos e Grã-Bretanha; portanto, também é chamado de alcoolismo anglo-saxão.

Alcoolismo delta

Neste tipo de alcoolismo existe tolerância, dependência física e síndrome de abstinência. É caracterizado por um alto volume de consumo diário de álcool, mas sem intoxicação e sem a compulsão de exceder a quantidade.

A capacidade de controlar a quantidade de bebida consumida geralmente não é alterada. Apresenta as características do gama mais a incapacidade de se abster.

Esse alcoolismo difere do gama porque a pessoa não consegue ficar sem beber e sem apresentar sintomas de abstinência.

Os padrões de consumo de álcool gama e delta são os únicos considerados doenças, que apresentam dependência fisiológica, tolerância e abstinência.

Homem bebendo em bar

Padrões de consumo de álcool de Alonso Fernández

O professor Alonso Fernández fez uma classificação na qual encontramos uma correspondência com os padrões de consumo de álcool de Jellinek.

Primeira etapa

  • Bebedor excessivo regular: ingere muitas vezes ao dia quantidades de álcool que são perigosas para a saúde, mas nunca ou quase nunca se embriaga. Não há impulso para a embriaguez nem falta de controle sobre o consumo. É o tipo de bebedor que mais frequentemente desenvolve dependência biológica. Corresponde aos tipos beta (embora não experimente dependência) e delta da classificação de Jellinek.
  • Bebedor psiquicamente doente: são pessoas com doenças mentais que se entregam à bebida para modificar as experiências e tensões emocionais que sua doença produz. Corresponde aos tipos alfa e épsilon (de forma periódica) de Jellinek.
  • Consumidor de álcool: indivíduos com uma inclinação irresistível para o álcool. Apresentam uma entrega de intervalos irregulares de tempo à bebida e até atingir a intoxicação completa. Início precoce (adolescência, até infância) com intervalos cada vez mais curtos. Coincide com o alcoolismo gama da classificação Jellinek.

Segunda etapa

Trata-se de um bebedor alcoólatra crônico com consequências orgânicas decorrentes do consumo da substância. Neste estágio, qualquer um dos três acima pode convergir aqui.

Seria semelhante ao tipo beta de Jellinek para as complicações físicas.

Tratamento do alcoolismo

Existem diferentes tipos de tratamento para o alcoolismo, pois eles envolvem intervenções em vários níveis. Assim, a intervenção terapêutica visa tanto a dependência quanto a abstinência do álcool, combinando a psicoterapia, tanto individual quanto em grupo, com a intervenção psicofarmacológica (dissulfiram ou naltrexona, entre outras).

Os programas de terapia diferenciam-se por serem multidisciplinares e o tratamento é realizado a longo prazo para atingir uma abstinência satisfatória. Tanto quanto possível, eles não se concentrarão apenas na pessoa que tem problemas com o álcool, mas também em sua família e em seu(sua) parceiro(a).

A partir do modelo cognitivo-comportamental, assume-se que o álcool é um potente reforçador, que, por sua vez, depende do contexto histórico e da disponibilidade atual da substância. Porém, essa perspectiva não busca necessariamente a abstinência total por toda a vida, dependendo da situação.

O tratamento psicológico se concentra na mudança de comportamentos diretamente relacionados ao consumo de álcool. Desta forma, a responsabilidade é atribuída ao indivíduo pelo seu problema. Além disso, você é instruído quanto a habilidades sociais e prevenção de recaídas e enfrentamento.

  • Na primeira fase, o objetivo é que a pessoa aprenda a lidar com as situações que podem desencadear a vontade de beber, por meio de treinamento em habilidades sociais e preparação para mudanças.
  • Mais tarde, o trabalho é feito para prevenir a recaída. Nesta fase, é feita uma distinção entre o conceito de queda (beber uma vez) e recaída (restaurar o hábito de beber). Desta forma, evita-se o efeito de violação da abstinência.

Como podemos perceber, o tratamento busca diminuir o interesse da pessoa pelo álcool, ao mesmo tempo em que aumenta sua preferência por outras atividades e melhora o gerenciamento em situações complicadas ou com certas dificuldades.

Esse tipo de terapia prevê uma continuidade dimensional entre o uso e o abuso de substâncias. Por essa razão, em alguns indivíduos, pode ser apropriado defender uma estratégia de consumo controlado em vez da abstinência completa.

Os tratamentos não são realizados em regime hospitalar, mas sim no ambiente da pessoa. No entanto, quando ela decidir parar de beber e estiver consumindo grandes quantidades, ela sofrerá de síndrome de abstinência. Por esse motivo, pode ser necessário realizar inicialmente uma desintoxicação hospitalar ou ambulatorial, geralmente com tranquilizantes.

Um aspecto importante é o apoio do(a) companheiro(a) ou da família em caso de desintoxicação ambulatorial, tanto pelos sintomas físicos quanto pela vontade absurda e extremamente intensa de voltar a beber.

Pode interessar a você...
Tratamentos psicológicos indicados para o alcoolismo
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Tratamentos psicológicos indicados para o alcoolismo

O objetivo final dos tratamentos psicológicos indicados para o alcoolismo é diminuir a preferência da pessoa pelo álcool e melhorar a sua qualidade...



  • Alvira- Martin F. Pautas de consumo de bebidas alcohólicas entre los jóvenes Españoles. Ministerio de Sanidad y Consumo. Madrid; 1982. 220 p.
  • Londoño C. Construcción de un modelo cognitivosocial integrado para la prevención del abuso en el consumo de alcohol en universitarios bogotanos. Tesis [Grado]. Programa de Maestría en Psicología de la Universidad Nacional de Colombia; 2004. 254 p.
  • Reinaldo AMS, Pillon SC. Alcohol effects on family relations: a case study. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2008;16(esp):529-34.