Quais são as características dos pais emocionalmente indisponíveis?

Mães e pais emocionalmente indisponíveis deixam feridas na mente de seus filhos. Essa falta de nutrientes baseados no carinho, na atenção e na empatia gera na criança um sentimento de solidão e baixa autoestima que poderá acompanhá-la até a idade adulta.
Quais são as características dos pais emocionalmente indisponíveis?

Última atualização: 07 Julho, 2021

Mães e pais emocionalmente indisponíveis marcam o desenvolvimento infantil. A negligência afetiva não é fácil para a mente de uma criança processar; afinal, ela não entende por que os seus pais não atendem às suas necessidades. Tanto é verdade que a experiência de solidão e desamparo costuma se somar ao sentimento de culpa.

Por mais surpreendente que possa parecer, há muitos adultos que procuram o consultório de um psicólogo demonstrando desconforto sem saber identificar a sua origem. Eles falam sobre a sua sensação de vazio, sua incapacidade de construir relacionamentos estáveis ​​e felizes. Também comentam sobre como é difícil para eles controlar as suas emoções, raiva, frustração e seu mau humor…

Quando nos aprofundamos um pouco mais em suas realidades pessoais, vemos que na maioria desses pacientes não há traumas evidentes. Nem é qualquer distúrbio ou condição psicológica que possamos diagnosticar. Então, o que acontece? O que existe em muitos casos é um vazio emocional, a marca de um abandono emocional causado por pais que não atenderam (ou não souberam atender) essas necessidades de seus filhos na infância.

Frequentemente, no campo da psicologia, esquecemos essa dimensão muito importante. De certa forma, nos concentramos mais em eventos mais difíceis, como o abuso físico ou emocional. No entanto, algo tão básico como os pais não serem emocionalmente acessíveis cria feridas profundas.

Se uma criança sofre de falta de apego emocional na infância, isso afetará de muitas maneiras os relacionamentos que ela terá na adolescência e na idade adulta.

Menino com pais emocionalmente indisponíveis

Pais emocionalmente indisponíveis: a indiferença na criação

Há pais presentes, mas que estão ausentes. Existem mães frias. Existem famílias negligentes em questões emocionais, na capacidade de construir uma relação de apego segura e saudável com seus filhos. Todas essas dinâmicas definem pequenos universos capazes de marcar o destino de uma pessoa.

Além disso, Alice Miller, uma renomada psicanalista especialista em abuso infantil, nos deixou palavras para reflexão. Não temos nem ideia de como seria o nosso mundo se todas as crianças tivessem a sorte de crescer em um ambiente familiar baseado no afeto, na apreciação absoluta, onde a humilhação não existisse e todas as necessidades fossem atendidas.

Isso criaria um mundo muito melhor e mais respeitoso? Possivelmente. O que está claro é que nem todo mundo sai ileso da negligência dos pais. Às vezes, nem é necessário que haja maus-tratos físicos para que o sofrimento seja carregado para dentro da mesma forma que uma cicatriz na pele. Fatores como o abandono, uma criação autoritária ou a figura de pais emocionalmente indisponíveis deixam consequências óbvias no desenvolvimento psicológico da criança.

Mas, como são realmente esses pais emocionalmente indisponíveis? Essas seriam as características básicas que os definiriam.

Instabilidade emocional

Um traço comum nesse tipo de pais é a instabilidade emocional. Em muitos casos, mais do que frieza ou rejeição, o que a criança enfrenta é a incerteza. Às vezes, esses pais e mães são afetuosos e cordiais, mas depois de um tempo, o seu humor muda e eles podem mostrar rejeição e inacessibilidade.

Algo assim causa na criança um alto grau de sofrimento e ansiedade.

Baixa tolerância ao estresse

Este perfil de maternidade ou paternidade caracterizado pela inacessibilidade emocional é definido pela baixa tolerância ao estresse. Algo assim implica que qualquer tarefa com os filhos os esgota. Investir tempo, esforço e atenção na criação de seus filhos é um esforço que eles nem sempre conseguem realizar. Eles não têm paciência, não enxergam necessidades e tendem a buscar estratégias para que os seus filhos os incomodem o mínimo possível.

Limites deficientes

Os pais emocionalmente indisponíveis costumam agir mais como conhecidos ou amigos dos filhos do que como pais. Eles dão forma a uma educação leve onde normalmente não há limites claros, onde nunca são aquele suporte firme, aquela figura de referência capaz de orientar, de estabelecer regras para que a criança saiba o que esperar em todos os momentos, sabendo o que se espera dela.

Menino agarrado à mãe

Personalidade narcisista

Egoísmo constante, não enxergando mais necessidades do que as próprias, superficialidade, falsidade, fazendo promessas que não cumprem, elogiando e projetando instantaneamente a própria frustração ou apatia nos filhos… Todos esses comportamentos definem, sem dúvida, uma personalidade narcisista que causa sérios estragos no desenvolvimento psicológico das crianças.

O impacto da criação emocionalmente negligente

As consequências de uma criação com pais emocionalmente indisponíveis costumam ser diversas dentro de um mesmo espaço de trauma. Assim, é comum haver alguma dificuldade na construção de relacionamentos afetivos felizes, a autoestima fica muito prejudicada e os problemas de identidade, de gerenciamento emocional e uma clara falta de propósito são evidentes.

O mais impressionante é que muitos desses adultos perdem a confiança no ser humano. Falta-lhes a esperança, o otimismo e a segurança para se relacionar, para se sentirem dignos e capazes de construir uma vida feliz.

Agora, é claro que nem todas as pessoas vivem essa realidade da mesma forma. Existem pessoas que têm uma abordagem mais resiliente e são capazes de enfrentar a sua vida para reconstruí-la. Seja como for, há uma ideia que devemos considerar: o que vivemos na infância não deve determinar a qualidade do nosso presente. Podemos e devemos nos reconstruir.

Mulher andando por floresta

Validar-nos como pessoas, atender às nossas necessidades, colocar novos projetos no horizonte e esclarecer os nossos propósitos de vida pode nos ajudar nestes casos. De qualquer forma, sempre existe a possibilidade de solicitar ajuda profissional para superar essas duras realidades com melhores recursos, com melhores abordagens. É uma jornada complexa, mas às vezes também é necessária para alcançarmos destinos novos e brilhantes.

Pode interessar a você...
O ABC dos traumas psíquicos
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
O ABC dos traumas psíquicos

Os traumas psíquicos são um desses temas sobre os quais todo mundo fala, mas que poucos compreendem com profundidade. Saiba mais!



  • Krause, E. D., Mendelson, T., & Lynch, T. R. (2003). Childhood emotional invalidation and adult psychological distress: The mediating role of emotional inhibition. Child Abuse and Neglect27(2), 199–213. https://doi.org/10.1016/S0145-2134(02)00536-7
  • Frodl, T., Reinhold, E., Koutsouleris, N., Reiser, M., & Meisenzahl, E. M. (2010). Interaction of childhood stress with hippocampus and prefrontal cortex volume reduction in major depression. Journal of Psychiatric Research44(13), 799–807. https://doi.org/10.1016/j.jpsychires.2010.01.006