Palácio da memória: uma maravilhosa técnica mnemônica

Palácio da memória: uma maravilhosa técnica mnemônica

Março 13, 2018 em Psicologia 71 Compartilhados
Palácio da memória: uma maravilhosa técnica mnemônica

O método loci ou o palácio da memória é uma técnica mnemônica muito antiga e ideal para treinar nossa mente na arte da boa memória. Baseia-se em fazer com que nosso cérebro relacione dados com locais específicos, com caminhos físicos ou ambientes específicos onde vamos colocando esses inputs que mais tarde evocaremos mais facilmente.

À primeira vista, esta estratégia pode parecer elementar para nós. No entanto, às vezes as coisas mais simples são as mais eficazes, e às vezes elas se revertem positivamente em nossa plasticidade cerebral. Dizemos isso porque recentemente conhecemos um fato interessante. O Centro Médico da Universidade de Radboud, na Holanda, realizou um estudo onde demonstrou, por meio de testes eletromagnéticos, que a estratégia mnemônica baseada no método loci funciona.

O método loci consiste em imaginar um itinerário formado por diversos objetos, cenários e locais conhecidos onde se situam conceitos e dados que mais tarde podemos recuperar em nossa memória.
Compartilhar

Um desses exemplos estudados foi o de Boris Nikolai Konrad. Este jovem neurocientista possui o recorde da memória mundial na evocação de dados, e por toda a sua vida fez uso do chamado “palácio da memória”. Ele atualmente trabalha no Max Planck Institute for Psychiatry em Munique, e muitas vezes dá palestras para demonstrar como nossos cérebros podem mudar quando começamos a treinar estratégias mentais e de memória, como a oferecida pelo método loci.

É fácil, é eficaz e, o mais importante, nos permite ser mais ágeis quando se trata de lembrar certos dados. Além disso, nos permite ter um cérebro mais resistente.

Cérebro humano

O ‘Palácio da Memória’ e nossa memória espacial

Como observamos no início, o método loci tem suas origens na antiguidade. O desenvolvimento desta estratégia é atribuído ao poeta lírico Simônides de Ceos, que, quase sem perceber, utilizou uma estratégia mnemônica que mais tarde seria coletada por livros como La Rhetorica ad Herrenium e De Oratore de Cícero.

A história diz que Simônides de Ceos foi convidado a fazer um recital poético na Tessália. Em um ponto, e no meio do evento, ele foi chamado por um servo para receber uma mensagem privada. O poeta saiu para ler a nota quando, de repente, ouviu um ruído violento. O palácio onde ele estava acabava de cair.

Foram muitas vítimas e o estrago foi imenso. A violência dos traumas impediu de reconhecer cada pessoa, mas Simônides de Ceos se aproximou dos médicos para pedir-lhes que ainda não levantassem os corpos. O bom poeta poderia identificá-los um a um, lembrando-se de onde eles estavam localizados enquanto ele estava na sala fazendo seu recital. Mais tarde, essa estratégia eficaz recebeu o nome ideal: o método loci (loci, em latim, é o plural de ‘lugar’).

A arte de localizar memórias em espaços específicos

Muitos de nós praticamos essa técnica há muitos anos sem saber o grande potencial que existe nela. Quando fazemos a lista de compras, por exemplo, uma maneira de lembrar tudo o que precisamos é fazer um passeio mental pelo supermercado de forma mental, de corredor em corredor, de prateleira em prateleira.

Da mesma forma, todos os alunos, em um determinado momento de uma prova, podem se lembrar de um fato específico quando evocam o lugar em particular onde estavam estudando aquela parte do assunto. Tudo isso nos encoraja a descobrir os recursos úteis para aproveitar ao máximo a nossa memória, onde conectar uma informação com outra sempre será mais útil do que conseguir integrar uma informação específica de forma mecânica, asséptica e à força.

Lembre-se de que somos seres emocionais e nosso cérebro usa associações para criar memórias significativas. De fato, a memória espacial é um grande ativador do hipocampo, essa fascinante estrutura relacionada à geração e recuperação da memória e que, por sua vez, está ligada ao nosso universo emocional.

Portanto, não hesitemos em criar nosso próprio palácio mental, onde podemos colocar dados, datas e notas mentais aqui e ali, e em cada canto curioso, para posteriormente recuperar cada objeto com maior agilidade.

Palácio da memória

Como devo aplicar o método ‘Palácio da Memória’ no meu dia a dia?

Os grandes personagens do mundo da literatura e especialmente da esfera investigativa ou criminal quase sempre usam o método loci. Eles não o chamam com seu nome original, eles simplesmente se limitam a realizar esta estratégia mnemônica de uma maneira implacável e altamente efetiva. Nós o vemos, por exemplo, em Sherlock Holmes, e nós também o vimos na saga de Hannibal Lecter de Thomas Harris.

Podemos, com a humildade de nossas responsabilidades e vida diária, aplicar o método loci? A resposta é, obviamente, “sim”, e estas seriam as etapas para vincular nossa memória espacial com a memória de trabalho e a memória de longo prazo.

Passos do método ‘Palácio da Memória’

  • Escolha seu palácio mental. Deve ser um cenário familiar: sua casa, a casa do seu amigo, uma biblioteca que você conhece, uma rua em sua cidade, um parque …
  • Crie um itinerário, uma rota. Por exemplo: saio do meu quarto, ando pelo corredor, vejo a janela, atravesso o banheiro, chego à sala de estar, vejo o sofá, a mesa, as prateleiras … Visualize em sua mente cada pequeno detalhe.
  • Agora, a cada um desses pequenos detalhes, vincule um dado, uma informação. Não importa que seja absurdo, porque, de fato, as relações díspares são lembradas muito melhor. Por exemplo, se você está estudando uma oposição e você precisa se lembrar de algum código legislativo, você pode relacionar as leis com determinados objetos.
  • Depois de ter vinculado dados com objetos, detalhes ou cômodos, volte para fazer um passeio nesse cenário. Além disso, reveja várias vezes, até que tudo seja familiar, conhecido, e cada informação esteja no seu lugar certo.

Perfil feminino no espaço

Como vemos, o método de loci não exige mais esforço do que a visualização, a vontade, a imaginação e a capacidade de estabelecer associações. Neste exercício aparentemente simples, nosso cérebro estará realizando um infinito número de maravilhosos processos neurais com os quais podemos desenvolver a nossa memória, podemos criar pontes, rodovias e estradas onde a informação flui rapidamente, onde ela é ágil e eficiente.

Vá em frente e implemente esta estratégia.

Recomendados para você