Por que é tão difícil parar de procrastinar?

29 Outubro, 2020
Por trás da procrastinação, nem sempre estão a preguiça e a falta de responsabilidade. Na verdade, aqueles dias em que você não consegue deixar de adiar suas obrigações envolvem uma série de dimensões psicológicas muito específicas.

“Eu deveria começar a trabalhar. Amanhã tenho que entregar aquele relatório e ainda nem liguei o computador”. “Tenho dois dias para resolver um problema que estou arrastando há semanas, mas ainda não consigo começar.” Por que você não consegue parar de procrastinar? Você está destinado a ser preguiçoso? Por que a sua mente não consegue se concentrar nas prioridades reais?

É muito comum dizer a nós mesmos que estamos sendo irresponsáveis ​​e preguiçosos quando estamos em um ciclo de procrastinação e constante sentimento de culpa. No entanto, fazer isso só piora as coisas. Inclusive, poucas coisas intensificam tanto o ato de procrastinar quanto um diálogo interno negativo e desqualificador.

Afinal, as pessoas que são realmente preguiçosas, ociosas e despreocupadas não se importam em ser assim. Elas só se preocupam em arranjar desculpas para justificar o fato de não fazerem o que devem. Em contraste, quando você procrastina, acaba se sentindo mal.

Portanto, é fundamental entender o que está por trás desse comportamento para não deixar que ele condicione a sua vida.

Mulher exausta por causa do trabalho

Por que você não consegue parar de procrastinar?

Tendemos a associar a procrastinação aos jovens estudantes. No entanto, pessoas de qualquer idade podem procrastinar. Sentimos isso, por exemplo, quando temos que reformar a cozinha ou a garagem. Também quando se trata de trabalho, como preencher documentos ou concluir projetos detalhados. Embora saibamos que é algo que temos de fazer, parece que não conseguimos começar a trabalhar.

Então, quando você sente que não consegue parar de procrastinar, o que você experimenta é uma estagnação e falta de progresso, e essa sensação o deixa ansioso. Quando você passa por isso, acontecem duas coisas.

  • A primeira é que a procrastinação tem consequências. Você pode perder um emprego, ser reprovado em uma prova ou perder uma oportunidade.
  • A segunda é que você pode começar a pensar mal de si mesmo. Você se sente ineficiente e, o que é pior, você tem a sensação de que é algo que não pode controlar. Não importa se você decidir começar a trabalhar, no final, sempre acontecerá algo para desviá-lo da tarefa.

A que se deve esse tipo de comportamento?

Não é um problema de gerenciamento de tempo: são as suas emoções

Quando você se pergunta “Por que não consigo parar de procrastinar?”, é comum pensar que o problema é a má gestão do tempo. Por isso, muitas pessoas compram livros que podem ensiná-las a administrar melhor o tempo. No entanto, na maioria dos casos, a procrastinação permanece a mesma.

Dizer a uma pessoa que está procrastinando há meses para ser mais organizada é como dizer a uma pessoa deprimida para se animar. Não faz sentido porque, na realidade, o problema básico está nas emoções da pessoa: sua ansiedade, suas preocupações, seus medos, sua necessidade de fazer as coisas bem, seu medo de errar…

As emoções que se combinam, incomodam e aumentam o desconforto das pessoas acostumadas a procrastinar são muito complexas e exaustivas. O pior de tudo é que essas situações se arrastam por meses e, nesses casos, a pessoa pode estar passando por uma depressão ou um transtorno de ansiedade não diagnosticado.

Por que não consigo parar de procrastinar? O medo por trás da procrastinação

Pode parecer contraditório, mas existe medo por trás da pergunta “Por que não consigo parar de procrastinar?”. Mas medo de quê?

Um estudo realizado na Universidade de Leuphana, na Alemanha, demonstrou que a procrastinação é basicamente uma resposta disfuncional a estados afetivos indesejados. Quer dizer, provavelmente há muitas coisas que você precisa fazer que o deixam com medo e inquieto. Por não saber como lidar com esses estados emocionais, você decide evitá-los. É aí que a procrastinação entra em ação.

Em geral, o que está por trás da procrastinação é o medo:

  • Medo de falhar e de não atender às expectativas das outras pessoas ou às suas próprias.
  • Angústia de enfrentar certas situações que o deixam exposto e sobre as quais você não tem controle.
  • Muitas vezes, também é uma aversão a ter que fazer algo que você simplesmente não quer fazer ou não gosta.
Homem estudando

Se você tem um objetivo, concentre-se nas suas emoções antes do objetivo em si

Pense nestes cenários. Definir uma meta para si mesmo, ter que realizar uma tarefa ou entregar algo em um prazo específico. Quando se trata de eventos como esses, as pessoas geralmente cometem um pequeno erro. Elas se concentram no prazo final e então planejam. Isso não é exatamente ruim. No entanto, o planejamento deve ser secundário, o foco principal devem ser as emoções.

Se uma tarefa o deixa ansioso, você não segue em frente. É necessário trabalhar primeiro o seu estado emocional e depois pensar no seu objetivo. Se você não estiver animado, não terá força e motivação para investir tempo nisso. Você deve administrar esses sentimentos, reestruturar seus pensamentos, reduzir seus medos e conseguir se manter em um estado de espírito relaxado e focado para ser produtivo.

Além disso, os doutores Sirois e Pychyl (2013), da Universidade de Leeds, no Reino Unido, nos convidam a ter em conta o seguinte: antes de nos dedicarmos a um objetivo de longo prazo, temos que nos propor com urgência um objetivo de curto prazo: cuidar do nosso estado de espírito.

Em suma, se você estiver se sentindo mentalmente bem, poderá fazer tudo que quiser. A gestão emocional sempre será a melhor estratégia de bem-estar. Tenha isso em mente o tempo todo!

  • Eckert, M., Ebert, D. D., Lehr, D., Sieland, B., & Berking, M. (2016). Overcome procrastination: Enhancing emotion regulation skills reduce procrastination. Learning and Individual Differences52, 10–18. https://doi.org/10.1016/j.lindif.2016.10.001
  • Sirois, F. and Pychyl, T. (2013) Procrastination and the Priority of Short-Term Mood Regulation: Consequences for Future Self. Social and Personality Psychology Compass, 72). 115 – 127. ISSN 1751-9004 https://doi.org/10.1111/spc3.12011