A percepção da infidelidade varia entre homens e mulheres?

Os homens e as mulheres percebem a infidelidade da mesma forma?

Abril 3, 2018 em Emoções 126 Compartilhados
A percepção da infidelidade varia entre homens e mulheres?

A infidelidade é um dos maiores obstáculos que um relacionamento pode atravessar. De fato, na maioria dos casos, é a causa do rompimento do mesmo. Dentro desses casos, em vários, o problema surge das diferenças individuais que podem existir na definição e percepção da infidelidade. Muitas vezes parece que homens e mulheres não a entendem da mesma maneira.

Na verdade não é tão fácil, em alguns casos, determinar se uma infidelidade ocorreu ou não. Se considerarmos o consenso mais forte, achamos que a maioria das pessoas concorda que a infidelidade ocorre ao manter relações sexuais com alguém fora do casal.

No entanto, que mal há em enviar mensagens de texto para alguém e manter isso em segredo? Que mal há em obter fotos sugestivas através de redes sociais ou outros meios de comunicação digital? Manter a amizade com uma antiga parceira pode ser considerado infidelidade?

Casal enfrentando dificuldades

Estas são questões importantes que merecem um diálogo e um acordo de consenso em que os limites sejam claros. Isso é especialmente importante se levarmos em consideração um estudo que encontrou dados que apoiam a hipótese de que os homens e as mulheres geralmente têm ideias muito distintas sobre o que realmente significa ser infiel. Não esclarecer isso e não chegar a um acordo pode levar a sérios problemas no relacionamento.

A percepção da infidelidade difere entre homens e mulheres

A pesquisa publicada na revista científica Sexual & Relationship Therapy identificou as diferenças mais importantes entre homens e mulheres na percepção da infidelidade. Os autores investigaram se a infidelidade percebida pode ser prevista a partir do sexo, da religião, do medo da intimidade e da sensibilidade à rejeição. O estudo afirma que “Saber o que o seu parceiro acredita que é infidelidade pode salvar um relacionamento se ambos compartilham a perspectiva do outro, o que faz com que o tema das diferentes percepções sobre esse conceito seja digno de investigação“.

Para determinar como o sexo, entre outros fatores, influencia a percepção da infidelidade, os pesquisadores pediram para 354 estudantes universitários completarem um questionário sobre o assunto. Os participantes classificaram diferentes atos de 1 (definitivamente não infidelidade) a 4 (definitivamente infidelidade), incluindo atos sexuais, como beijos ou relações sexuais; ações emocionais, como se apaixonar, mas não agir de acordo; e fantasias, como ir a um clube de strip-tease ou assistir pornografia.

No questionário também apareciam perguntas destinadas a determinar outros aspectos que poderiam ter uma relação significativa com a percepção de infidelidade, como seu medo da rejeição e a ansiedade. Com respeito ao medo da intimidade e à sensibilidade à rejeição, não houve diferença entre os sexos. No entanto, as mulheres consideraram com maior frequência que a “comunhão” significava uma infidelidade, entendendo por comunhão a troca de pensamentos e sentimentos íntimos, especialmente a nível mental ou espiritual.

As mulheres do estudo foram mais propensas a considerar os atos baseados no sexo e nas emoções como infidelidades. Neste ponto, para a maioria dos homens, apenas os atos, como a relação sexual, são qualificados como infidelidade. No entanto, para as mulheres a troca de pensamentos e sentimentos íntimos, especialmente quando a troca é feita a nível mental ou espiritual, também pode ser considerada como infidelidade. Claro, haveria exceções em ambos os sexos.

Casal durante discussão

As mulheres, mais sensíveis à infidelidade emocional

A sugestão de que as mulheres incluem uma maior variedade de atos, comportamentais ou mentais, que considerariam como uma infidelidade é apoiada por pesquisas anteriores. “Esse padrão de descobertas sugere que as mulheres são mais sensíveis do que os homens a possíveis violações relacionadas à infidelidade dentro dos limites de um relacionamento romântico“, escrevem os autores. “Aqueles que estão mais acima na escala de comunhão são mais sensíveis, possivelmente como uma maneira de proteger suas relações com um ente querido“.

O estudo poderia ajudar os terapeutas de casais a educar seus clientes/pacientes. Assim, independentemente do que tenham feito um com o outro, ou possam fazer, se os casais decidem seguir em frente, eles devem chegar a um acordo em que certos limites fiquem claros. Por outro lado, o que acontece é que algumas das pessoas que cometem uma infidelidade, aos olhos de seu parceiro e dependendo do critério, não a cometeram. Apontar e trabalhar este ponto pode ser fundamental para alcançar uma reconciliação e o acordo que já indicamos anteriormente.

Por outro lado, se alguém não sabe/não intui que a outra pessoa pode considerar algo do que ele faz como infidelidade, por que não faria ou não continuaria fazendo? “Um resultado ideal da intervenção terapêutica seria uma maior compreensão e comunicação entre os parceiros, o compromisso do relacionamento e a satisfação do relacionamento“, concluiu o estudo.

De qualquer forma, longe de ser uma questão puramente abstrata, as diferenças individuais dos “critérios de infidelidade” podem marcar o curso de um relacionamento, gerando ressentimentos e equívocos. De forma que, embora não seja um assunto confortável, é uma das conversas que todo casal deveria manter no início de seu relacionamento pelo bem-estar e progresso do mesmo.

Recomendados para você