Pessoas com autoestima alta: 7 características psicológicas

Pessoas com autoestima alta são autoconfiantes, mais felizes e mais bem-sucedidas. Você quer descobrir o que as caracteriza? Nós vamos te contar.
Pessoas com autoestima alta: 7 características psicológicas

Última atualização: 06 Setembro, 2021

A autoestima alta de algumas pessoas é, talvez, o pilar mais importante da sua arquitetura psicológica. Desde a infância até a velhice, perceber-nos e avaliar-nos de forma positiva nos ajuda a gerar e a aproveitar oportunidades.

Reconhecer nossa capacidade de fazer contribuições valiosas, de influenciar positivamente o ambiente ou de cuidar dos nossos interesses nos torna mais atentos ao que está acontecendo em nosso ecossistema. Assim, estando mais próximos da realidade, também podemos aproveitá-la melhor. Mas o que caracteriza as pessoas com autoestima alta?

Poderíamos definir a autoestima como a avaliação emocional que fazemos de nós mesmos. Isso surge de uma autoavaliação e inclui o que a pessoa pensa e sente sobre si mesma e como ela se comporta em relação a isso. Portanto, está associado ao fato de o indivíduo se sentir digno e merecedor de amor e respeito.

Características psicológicas das pessoas com autoestima alta

Estabelecem relações de apego seguro

A autoestima está intimamente relacionada ao estilo de apego, que começa a se delinear na infância, a partir da relação que o bebê estabelece com seus cuidadores principais. Se atenderem às suas necessidades de maneira adequada e consistente, oferecendo amor e respeito, a criança crescerá sentindo-se valiosa e digna de afeto. Nos primeiros anos de vida ela aprende a confiar em si mesma e nos outros, aprendendo a administrar relações de interdependência.

O estilo de apego seguro aprendido na infância é transferido para outras amizades e outros relacionamentos, de forma que essas pessoas sejam capazes de sentir proximidade emocional sem cair na dependência. Assim, elas desfrutam de laços saudáveis e duradouros.

Mãe segurando o filho nos braços

Desfrutam de um maior bem-estar subjetivo

O bem-estar subjetivo é definido por sentimentos de felicidade, prazer e satisfação com a vida e a ausência de estados emocionais desagradáveis.

Este bem-estar, que todos queremos alcançar, é mais acessível às pessoas com autoestima elevada. Por sermos as pessoas mais importantes das nossas vidas, manter um bom relacionamento com nós mesmos garante um maior grau de tranquilidade e alegria.

Quem tem boa autoestima sente-se mais satisfeito com quem é e, por isso, passa a valorizar mais plenamente suas conquistas, qualidades e oportunidades. Isso se traduz em uma maior presença de emoções positivas.

Desfrutam de melhores relações sociais

Para nos relacionarmos adequadamente com os outros, precisamos ter confiança em nós mesmos. É essa segurança que nos permite ser autênticos, mostrar-nos genuinamente sem medo da rejeição e sem a necessidade de colocar uma máscara para fingir.

Assim, as pessoas com autoestima alta não precisam se esconder ou se defender, não costumam sentir ansiedade ao interagir socialmente e conseguem se relacionar a partir de posições equilibradas e satisfatórias. O amor e o respeito que sentem por si mesmos é transmitido aos outros, e é também o que esperam receber em troca. Portanto, é improvável que eles se envolvam ou permaneçam em vínculos tóxicos e prejudiciais.

São mais otimistas e resilientes

A pessoa que se considera valiosa, digna e merecedora vê seu futuro mais aberto e brilhante. A autoconfiança permite que você espere bons resultados, pois sabe que tem as capacidades para alcançar o que se propôs a fazer. Além disso, é mais provável que você se concentre no que funciona em sua vida e em como melhorar o que não funciona, em vez de ficar preso à condição de vítima e à autopiedade.

Quando as adversidades aparecem, as pessoas com autoestima elevada têm mais condições de passar por elas, aprender com elas, se recuperar e sair mais fortalecidas. Por serem dispostas a cuidar de si mesmas com amor, conseguem realizar os processos com mais rapidez e menos sofrimento.

São assertivas

A assertividade implica ser capaz de se relacionar com os outros a partir de uma posição equilibrada, na qual não procuramos nos impor nem nos permitimos ser subjugados. Para isso, é fundamental ter uma boa autoestima.

Quem a possui consegue expressar os seus desejos, emoções, opiniões e necessidades com firmeza, mas com respeito. Eles sabem estabelecer limites e não recorrem à submissão ou agressividade para manter os vínculos.

Aprendem com seus erros e são capazes de enfrentar desafios

Tendemos a pensar que pessoas despóticas e egocêntricas que nunca admitem seus erros têm alta autoestima, mas isso não é verdade. Quem se aprecia e se valoriza genuinamente o faz com suas luzes e sombras, não precisa parecer perfeito e é capaz de aceitar suas faltas e enfrentar as críticas.

Como eles entendem que o erro faz parte do caminho, não têm medo dele; pelo contrário, eles aprendem com seus tropeços e se levantam com força renovada. O seu bom autoconceito lhes permite enfrentar desafios, sabendo que conseguirão atingir o seu objetivo e que, caso isso não aconteça, terão aprendido lições valiosas.

São autônomos, responsáveis e descontraídos

Por fim, podemos inferir o nível de autoestima de uma pessoa observando como ela cuida da própria vida. Geralmente esses indivíduos são autônomos, determinados e independentes; eles se defendem e assumem a responsabilidade por sua situação e suas ações.

Na falta de autoestima, a pessoa se percebe como fraca e incapaz e, portanto, tende a buscar nos outros a aprovação ou o apoio que não obtém de dentro.

Mulher trabalhando com proatividade

Todos nós podemos ser pessoas com autoestima alta

Como você pode ver, ter uma boa autoestima tem inúmeras vantagens a nível pessoal e social. Por isso, esta é uma dimensão que tantas vezes trabalhamos direta ou indiretamente nas consultas psicológicas.

Porém, nem todos nós tivemos as condições certas para formar uma imagem positiva de nós mesmos. Infelizmente, há muitas pessoas que não tiveram um professor, uma ajuda para identificar tudo de bom que há nelas. Além disso, não são poucos os que têm pessoas ao seu redor que se esforçam para fazê-los ver o oposto.

Se for este o seu caso, saiba que você pode trabalhar a sua autoestima. Para isso, será necessário que você analise o conceito que tem de si mesmo, como ele se formou e do que você precisa para mudá-lo. Existem várias diretrizes e ferramentas que podem ajudá-lo a melhorar a sua autoestima; no entanto, ter ajuda profissional é a melhor maneira de atingir seu objetivo. Portanto, se você sentir que precisa, não hesite em iniciar este trabalho pessoal.

Pode interessar a você...
Insegurança e baixa autoestima: vivendo na corda bamba
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
Insegurança e baixa autoestima: vivendo na corda bamba

Você sabe o que há por trás da insegurança e da baixa autoestima? Neste artigo, vamos explicar os aspectos envolvidos nesta questão. Confira!



  • Castanyer, O. (2010). La asertividad: expresión de una sana autoestima. Desclée de Brouwer.
  • Bylsma, W. H., Cozzarelli, C., & Sumer, N. (1997). Relation between adult attachment styles and global self-esteem. Basic and applied social psychology19(1), 1-16.
  • Leiva, L., Pineda, M., & Encina, Y. (2013). Autoestima y apoyo social como predictores de la resiliencia en un grupo de adolescentes en vulnerabilidad social. Revista de Psicología22(2), ág-111.