Pessoas leais: o valor de ser fiel aos seus princípios

agosto 9, 2019
A lealdade não pode ser imposta. A lealdade é um ato de liberdade no qual cada um escolhe a quem quer oferecer seu comprometimento, seu respeito e sua afinidade. No fim das contas, ninguém pode demonstrar respeito pelos demais se não respeitar a si mesmo.

As pessoas leais são, acima de tudo, personalidades honestas. Elas se guiam por um código que está sempre em sintonia com seus valores, mas também com o comprometimento respeitoso com o outro. Nas suas relações, não cabem traições, mentiras ou atitudes interesseiras.

Estamos, sem dúvida, diante de um conceito tão interessante quanto profundo que vai muito além da confiança.

Como a lealdade surgiu?

Se nos perguntarmos qual pode ser a origem da lealdade, a antropologia tem algo interessante a nos dizer. Esta dimensão, no passado, atuou como um mecanismo de sobrevivência.

No cenário tão diversificado e cheio de perigos dos nossos ancestrais, receber a ajuda e o apoio dos membros do grupo era fundamental para sobreviver.

Atualmente, o panorama não é mais o mesmo. No entanto, de alguma forma, continuamos precisando desta proximidade e desta segurança de pessoas significativas para nos sentirmos bem.

Precisamos oferecer ao outro um sentimento de atenção, respeito e comprometimento contínuos, em relações nas quais sabemos que não seremos traídos. Nas quais não há interesses ocultos ou segundas intenções.

Há quem diga que hoje em dia a lealdade é quase um ideal, ou uma característica em risco de extinção. Muito além do que podemos pensar, esta dimensão continua estando presente no coração de muitas pessoas.

Por isso, devemos saber exatamente o que é ser leal, porque em muitas ocasiões, é possível cair em dinâmicas nas quais este princípio acaba sendo deturpado. Vejamos mais detalhes a seguir.

“Irei segui-lo até o último suspiro, com a verdade e a lealdade”.
– William Shakespeare –

A importância de respeitar a si mesmo

Quais são as características das pessoas leais?

Sêneca dizia que a lealdade parte da confiança, mas como já falamos antes, este conceito tem suas raízes em algo mais profundo e complexo ao mesmo tempo. Para começar, as pessoas leais são, acima de tudo, respeitosas com seus próprios princípios. 

É deles que parte o verdadeiro núcleo do comportamento leal: agir sempre com base em valores, sendo fiéis ao que consideram correto.

A lealdade, o compromisso de fazer a coisa certa

Lealdade provém do termo ‘legal’. Há, portanto, um componente de retidão e compromisso por fazer a coisa certa em cada circunstância. O que isso significa, traduzido no âmbito das relações?

Implica, por exemplo, que mesmo se terminarmos uma relação afetiva ou de amizade com alguém, o respeito sempre vai continuar existindo. Não iremos revelar intimidades, não faremos críticas e nem teremos comportamentos que possam machucar os outros de alguma forma.

Muito além da confiança, está a lealdade. Mesmo quando a primeira se perde e não há mais vínculo algum com este alguém, sobrevive o sentido profundo do respeito, uma virtude, sem dúvida, nobre e desejável.

As pessoas não podem ser leais à força; elas se regem por seus próprios princípios

Devemos admitir: se há algo que é exigido de nós em muitos cenários, é a lealdade.

Ela é solicitada no ambiente profissional, no qual devemos ser fiéis a uma política de empresa, aos diretores, às normas. Nossa família também a pede, exigindo, com frequência, que sigamos com os mesmos valores, mantenhamos os costumes e a obediência a certos rituais…

  • Este é, sem dúvida, o lado mais obscuro da lealdade, no qual a pessoa tenta impôr à força determinados compromissos, criando comportamentos alienados e prejudicando a autoestima. Devemos ter em mente que as pessoas leais não agem por imposição. Elas não são leais ao parceiro, à família e aos amigos porque os outros impõem isso.
  • Elas agem em liberdade sendo consequentes com suas próprias normas internas. Há uma sintonia entre o que sentem e o que fazem.
  • Não há submissão nem alienação. A verdadeira lealdade é um exercício de coragem moral no qual o indivíduo escolher ser consequente com seus próprios princípios a todo momento.
  • Isso significa, por exemplo, que não irão praticar a lealdade com todo mundo, não se determinadas pessoas exigirem comportamentos que vão contra as suas crenças.
Amigos se divertindo

A pessoa leal é sincera, não condescendente, e nos ajuda a crescer

As pessoas leais não são aquelas que fazem uso exclusivo da condescendência. Não são as que dizem ‘sim’ a tudo, as que nunca colocam objeções, as que nos apoiam em tudo que fizermos, em cada decisão e comportamento, por mais questionável que seja.

A lealdade também é sinceridade, e fazer uso de um comprometimento ativo com o nosso bem-estar.

Isso significa que, se em algum momento for necessário que alguém nos impeça de fazer algo, nos alerte a respeito de um problema ou nos ajude a abrir os olhos diante de uma realidade que não vemos, a pessoa leal vai fazer isso.

Afinal, ela é regida por valores firmes, não pelo servilismo ou pela passividade. Assim, quem deseja o melhor para nós nunca hesitará em ser o apoio capaz de dizer as verdades que machucam, capaz de nos mostrar nossos erros, mas também as nossas oportunidades de crescimento.

Para concluir, como podemos ver, o conceito de lealdade tem as suas nuances. Ninguém pode impôr a quem ou a quê devemos ser leais.

Este conceito não é externo; ele tem uma origem interna e está em harmonia com um código de valores baseado no respeito e na integridade que cada um vai construindo ao longo da sua vida.

Assim, as pessoas leais não ficam apenas nas palavras, porque a lealdade é exercitada e aplicada diariamente em qualquer circunstância e situação. Pensemos nisso.

  • Van Vugt, M., y Hart, CM (2004). La identidad social como pegamento social: los orígenes de la lealtad grupal. Revista de personalidad y psicología social , 86 (4), 585–598. https://doi.org/10.1037/0022-3514.86.4.585