Por que as pessoas mudam de atitude?

A atitude é a forma de agir que nos leva a assumir uma postura perante o mundo e os outros. Algumas atitudes perduram ao longo do tempo, enquanto outras se transformam completamente. Por que isso acontece? Por que mudamos de atitude? Continue lendo e descubra!
Por que as pessoas mudam de atitude?

Última atualização: 19 abril, 2022

A atitude que assumimos diante de diferentes situações reflete quem somos, o que pensamos e o que sentimos. Todos já ouvimos sobre essa palavra em algum momento, e até mesmo podem ter nos pedido para mudá-la: “mude essa atitude que você tem”, “você deveria melhorar a sua atitude”. Às vezes, esse pedido realmente se torna realidade e as pessoas mudam. Mas por quê?

Nunca aconteceu com você que alguém próximo mudasse drasticamente de atitude e você não soubesse o porquê? Você se surpreende ao ver o quanto a pessoa mudou. Você percebe como, há um tempo atrás, ela se importava com você, mas, agora, parece que você nem existe para essa pessoa. Por que isso acontece? Por que as pessoas mudam de atitude? Neste artigo, vamos analisar o assunto.

O que é a atitude?

homem pensando
É possível mudar de atitude diante de uma crise existencial.

A atitude é a forma que temos de agir e de nos portar perante o mundo, e de emitir, como consequência, uma avaliação favorável ou desfavorável dele. Ou seja, falando de forma mais técnica, podemos dizer que a atitude é a maneira como organizamos as nossas crenças e cognições sobre algo. Essas cognições, por sua vez, contam com uma carga emocional que nos predispõe a agir a favor ou contra o objeto de nossa atitude.

As atitudes são basicamente o produto da interação de três fatores: cognitivos, emocionais e comportamentais. Porém, isso não significa que eles precisem estar em sintonia para consolidar uma atitude. Por exemplo, podemos estar envolvidos em uma situação em que as nossas crenças são favoráveis a um objeto, enquanto os nossos sentimentos são desfavoráveis. Quando esses elementos apresentam uma inconsistência entre si, dizemos que a atitude é ambivalente.

Fica claro para nós, então, que a atitude é a predisposição cognitiva, emocional e comportamental favorável (positiva) ou contrária (negativa) que temos em relação a um objeto, situação, pessoa, ideia, etc. É uma tendência, uma forma de responder, uma disposição particular de avaliar o que nos acontece e o que nos é apresentado. Mas por que as atitudes são tão importantes? Que funções elas têm em nossas vidas?

As atitudes nos permitem organizar e estruturar a informação em termos positivos e negativos. Elas nos ajudam a mostrar aos outros quais são os nossos valores e princípios, bem como a reafirmar o que somos ou o que queremos ser. Além disso, também nos ajudam a manter a nossa autoestima e autoconceito, de tal forma que nos sentimos satisfeitos e em harmonia com nós mesmos.

6 razões pelas quais as pessoas mudam de atitude

Uma pessoa muda de atitude por vários motivos. Entre eles, podemos destacar os seguintes:

1. Aparências

As pessoas podem mostrar atitudes que não sentem como se fossem realmente suas a fim de conseguir algo. Então, depois de alcançar o que queriam, param de fingir e mostram a sua verdadeira atitude. Assim, essas pessoas ajustam as suas atitudes e comportamentos de acordo com o que desejam obter. Quando mudam ou retornam ao seu jeito autêntico de ser, as outras pessoas percebem nelas uma mudança repentina que as deixa desnorteadas.

Em geral, uma mudança radical e autêntica de atitude não se faz de uma hora para a outra – como essas pessoas conseguem fazer – a menos que o indivíduo esteja diante de uma situação extrema que reestruture o seu modo de ser e estar no mundo. No entanto, em condições normais, a mudança de crenças, modos de sentir e padrões de comportamento não é algo que ocorre rapidamente. É necessário tempo para isso.

2. Mudança de percepção

É possível que uma pessoa não tenha mudado de atitude, mas nós tenhamos mudado a nossa maneira de vê-la. Na verdade, os seres humanos são especialistas em formar ideias sobre as pessoas que muitas vezes não refletem o que elas realmente são. Assim, filtramos as informações de acordo com o que acreditamos e esperamos, a fim de confirmar o que já sabemos.

Imagine, por exemplo, que você brigou com um amigo. Uma discussão insignificante. No entanto, apesar de não ter sido nada grave, você fica com a sensação de que foi realmente sério e que, como consequência, o seu amigo não será mais o mesmo com você.

Uma vez que essa crença se consolida, você começa a filtrar o comportamento do seu amigo em busca de sinais que confirmem o que você acredita. Isso pode te levar a ver comportamentos no seu amigo que você teria ignorado anteriormente. Assim, essa seleção enviesada de comportamentos faz com que você perceba uma mudança de atitude nele quando, na verdade, não é bem assim.

3. Crises existenciais

Uma pessoa pode mudar de atitude após uma crise existencial ou uma experiência traumática. Essas crises são um ponto de virada na vida de uma pessoa, que pode até mesmo reorganizar e reconfigurar as suas concepções do mundo, dos outros e de si mesma. Uma mudança dessa magnitude se estende também às atitudes.

Existem situações existenciais que podem produzir mudanças drásticas e repentinas na vida de qualquer pessoa. Um encontro face a face com a morte, por exemplo, pode levar uma pessoa a mudar de atitude em relação à vida. Afinal, sentir das profundezas do ser a transitoriedade da vida é uma experiência transformadora.

4. Crescimento pessoal

Mulher de olhos fechados
Progredir no âmbito pessoal implica uma mudança de atitude.

Nem toda mudança é motivada por razões negativas, pois também existem bons motivos para isso. Uma pessoa pode mudar de atitude como resultado de uma mudança na sua forma de viver. Querer progredir, avançar e se desenvolver pessoalmente e profissionalmente é um excelente motivo para uma mudança de atitude. Afinal, quem poderia crescer sem mudar o seu jeito de ser, sem encarar a vida e os desafios com uma atitude diferente?

O crescimento pessoal autêntico é como uma onda de choque que abrange diferentes áreas da vida. Ser e nos constituir como pessoas é um conglomerado de processos e dimensões que interagem entre si.

Assim, uma verdadeira mudança pessoal implica uma mudança nas diferentes formas de ser, agir, pensar e sentir. Como consequência, quando as pessoas crescem, também mudam as suas atitudes, principalmente aquelas que parecem não trazer nada de positivo.

5. Decepções

As decepções também são uma fonte de mudança. Quando as pessoas veem os seus projetos fracassarem, quando a sua imagem idealizada de outra pessoa desmorona ou quando as suas expectativas não são atendidas, a decepção que se experimenta pode levar a uma mudança de atitude.

Às vezes, essa mudança pode ser negativa, desesperançosa. Porém, também pode ser positiva. Tudo depende da pessoa e da sua resiliência.

6. Uso de substâncias

Os vícios produzem uma mudança biopsicossocial nas pessoas que leva a uma mudança de atitudes, como consequência. É preciso lembrar que as atitudes estão ligadas a cognições, emoções e comportamentos.

Ao consumir substâncias, ocorre uma transformação em todas essas dimensões, ainda mais quando se desenvolve um transtorno por causa do uso de substâncias.

Para finalizar, as atitudes são um aspecto fundamental de cada ser humano, pois, através delas, podemos expressar o que pensamos, o que acreditamos e sentimos. A atitude nos predispõe a agir de uma certa maneira diante de determinadas situações, objetos e pessoas. Nela está a marca de quem realmente somos.

This might interest you...
Técnicas de persuasão para mudar atitudes
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
Técnicas de persuasão para mudar atitudes

A psicologia social estuda há muitos anos quais tipos de técnicas de persuasão podem ser utilizadas para mudar atitudes e encorajar as pessoas.



  • Katz, D. (1960). The functional approach to the study of attitudes. Public opinion quarterly24(2), 163-204
  • Orduña, A. V. A., Sedano, I. F., Gómez, Á., Sáez, M. L., Alonso, F. M., Domínguez, J. F.
  • Rodrigues, A. (1987). Psicología social (2ª Ed.). Trillas.