As principais teorias sobre a liderança

janeiro 25, 2019

Por que alguns líderes são bem-sucedidos enquanto outros fracassam? O que faz com que algumas pessoas se sobressaiam em papéis de liderança? Nesse artigo vamos analisar as principais teorias sobre a liderança que podem responder essas e outras perguntas.

Não existe uma combinação mágica de características que faça com que um líder tenha sucesso de forma garantida. No entanto, isso não significa que não existam possibilidades maiores de alcançar esse êxito e que não possamos aprender a ser líderes mais eficientes. Como primeiro passo para este objetivo, precisamos compreender o que já se sabe sobre liderar, de modo que seja possível usar a teoria correta diante de uma situação específica. Uma forma de fazer isso é conhecer as diversas teorias sobre a liderança.

As teorias sobre a liderança buscam explicar como e por que certas pessoas se tornam líderes. Essas teorias costumam se concentrar nas características dos líderes, mas algumas tentam também identificar os comportamentos que as pessoas costumam adotar para melhorar suas próprias habilidades de liderança em diferentes situações.

Os primeiros debates sobre a psicologia da liderança sugeriam que tais habilidades eram simplesmente características com as quais algumas pessoas nasciam. Algumas teorias sobre a liderança mais recentes propõem que possuir certos traços pode sim ajudar as pessoas a se converterem em líderes, sendo quase líderes natos, mas a experiência e as variáveis da situação também têm um papel muito importante.

As teorias da liderança têm como objetivo explicar quais são os motivos e como é o processo de ser tornar um líder.

Teorias sobre a liderança

À medida que o interesse pelos diferentes tipos de liderança e suas consequências aumentou ao longo do tempo, foram criadas varias teorias sobre a liderança para explicar exatamente como e por que certas pessoas se tornam grandes líderes.

Muita gente está interessada na liderança, e sempre esteve ao longo da história da humanidade, mas a aparição de teorias sobre o tema é algo mais recente, pelo menos de teorias mais formais. A primeira metade do século XX foi o marco de aumento de interesse por esse tema.

As primeiras teorias sobre a liderança se concentraram nas qualidade que distinguiam líderes e seguidores, enquanto as teorias que surgiram depois analisaram também outras variáveis, como os fatores do ambiente e os níveis de habilidade.

Liderança empática com equipe

As teorias do “Grande homem”

De acordo com esse ponto de vista, os grandes líderes simplesmente nascem com as características necessárias, como o carisma, a confiança, a inteligência e as habilidades sociais.

Esta teoria supõe que a capacidade de liderar é inerente, ou seja, que os grandes líderes nascem, não se fazem. Essas teorias costumam descrever os grandes líderes como heróis míticos destinados a ocupar uma posição de liderança.

Usa-se o termo “Grande Homem” porque, no momento em que essas teorias surgiram, originalmente propostas pelo historiador Thomas Carlyle, a liderança era considerada principalmente uma capacidade masculina em termos de liderança militar. Essas teorias sugerem que as pessoas não podem aprender a se tornar líderes fortes, pois nascem com a capacidade inata para fazê-lo.

Teorias dos traços

As teorias dos traços são, em alguns aspectos, parecidas com as teorias dos grandes homens. As teorias dos traços supõem que as pessoas herdam certas qualidades e traços que são mais adequados para a liderança.

As teorias dos traços observam então os traços de personalidade e os comportamentos que contribuem para a liderança. O enfoque principal está na personalidade e nos comportamentos que são compartilhados pelos grandes líderes.

O problema, no entanto, é que as pessoas com traços similares podem acabar se tornando líderes completamente diferentes. Em alguns casos, um pode se tornar um líder, enquanto outro segue sendo um seguidor, independentemente das semelhanças em termos de personalidade e comportamento.

Teorias de contingência

As teorias de contingência enfatizam os diferentes estilos de liderança dependendo da situação em que o líder se encontra. Elas se concentram em variáveis particulares relacionadas com o ambiente do líder, que podem determinar um estilo particular de liderança, que é na verdade o mais adequado apenas para aquela situação.

Segundo essa teoria, nenhum estilo de liderança é melhor para todas as situações. Os pesquisadores de liderança White e Hodgson sugerem que um líder verdadeiramente eficaz não tem apenas as qualidades de um líder; trata-se também de conseguir alcançar um equilíbrio entre os comportamentos, as necessidades e o contexto.

Nesse sentido, os bons líderes são capazes de avaliar as necessidades de seus seguidores, fazer um balanço da situação e então ajustar seus próprios comportamentos. O sucesso depende de uma série de variáveis, incluindo o estilo de liderança, as qualidades dos seguidores e os aspectos inerentes de cada situação.

Teorias situacionais

As teorias situacionais, como as teorias de contingência, defendem uma adaptação dos líderes à situação na qual eles se encontram. A diferença aqui está no fato de que se considera que o líder muda seu estilo de liderança de acordo com a evolução de uma situação.

As teorias situacionais incluem uma mudança na motivação do líder, assim como nas capacidades dos indivíduos que são seguidores. O líder pode mudar sua opinião sobre seus seguidores, sua situação e seu estado mental e emocional. Todos esses fatores contribuem para as decisões que um líder toma.

Além disso, as teorias situacionais propõem que os líderes escolham o melhor caminho para agir com base em variáveis situacionais. Diferentes estilos de liderança podem ser mais apropriados para certos tipos de tomada de decisão diferentes.

Como ser um bom líder

Teorias do comportamento

De acordo com as teorias do comportamento, a crença é que os líderes se formam ou são criados independentemente de terem nascido com uma característica ou outra. A liderança seria aprendida através da observação e do ensinamento. Assim como acontece com outros comportamentos, acredita-se que a liderança também possa ser aprendida e desenvolvida.

Ou seja, as teorias do comportamento da liderança se baseiam na crença de que os grandes líderes são criados, não nascidos. Segundo essa teoria, as pessoas podem aprender a ser líderes através do ensinamento e da observação.

Teorias participativas

As teorias da liderança participativa sugerem que o estilo ideal de liderança é aquele que leva em consideração o papel que os demais podem ter. A inclusão dos outros no processo de tomada de decisão do líder seria vital de acordo com as teorias da liderança participativa. Os bons líderes buscariam de maneira ativa a contribuição dos demais.

Esse processo envolve, então, as pessoas lideradas. Dessa forma, um bom líder seria aquele capaz de alcançar um estado em que as pessoas se sentissem valorizadas, além de poderem ter um papel de influência nas decisões que são tomadas. Essa sensação de fazer parte e realmente ser importante no processo faria com que os seguidores se sentissem mais comprometidos como um todo.

Teorias de gestão ou transacionais

As teorias de gestão, também conhecidas como teorias transacionais, concentram-se no papel da supervisão, da organização e do rendimento do grupo. Essas teorias baseiam a liderança em um sistema de recompensas e castigos, ou seja, é um sistema de gestão do desempenho dos indivíduos por parte dos líderes, no qual os seguidores são premiados pelo sucesso e castigados pelas falhas.

Esta é, na verdade, a forma mais comum de liderança. O papel do líder nesse contexto é também de gerir as expectativas dos seguidores e adaptá-las aos objetivos do grupo. Basicamente o líder seria um gestor, tanto de pessoas quanto de recursos.

Teorias de relações ou transformacionais

As teorias das relações, também conhecidas como teorias transformacionais, concentram-se nas conexões formadas entre líderes e seguidores. Esse enfoque não só se concentra no rendimento do grupo, mas também se interessa em saber por que e como cada um dos membros pode desenvolver todo o seu potencial.

Liderança no trabalho

Os líderes transformacionais motivam e inspiram as pessoas manejando e alinhando dois interesses: o do grupo e o individual. Além disso, para eles a definição do objetivo é tão importante quanto os meios necessários para alcançá-los.

O líder motiva e inspira, fazendo com que os seguidores assumam o melhor papel tendo em conta seu jeito de ser e sua capacidade para desempenhá-lo. Tudo isso é importante para o resultado. A relação e a conexão entre um líder e seus seguidores é o foco principal, sem deixar de lado o respeito pela ética e o cuidado de cada seguidor ou subordinado de maneira individual.