O que é a psiconutrição?

21 Novembro, 2020
A psiconutrição está em alta, preenchendo as mais diversas redes sociais no que diz respeito à alimentação e ao estabelecimento de hábitos saudáveis. Porém, o que é e quais são as suas características?

A psiconutrição é a ciência que estuda a relação entre a vida mental e a alimentação. Nesse trabalho, são necessários pelo menos dois profissionais distintos: o nutricionista e o psicólogo. Na psiconutrição, a relação com a comida não é a única levada em consideração; também são estudados os padrões emocionais que estão ancorados na escolha dos alimentos consumidos.

A partir dessa abordagem, diferentes comportamentos são estudados, como o uso da comida como moeda de troca para o alívio do sofrimento emocional. O propósito da psiconutrição é conseguir mudanças nos padrões alimentares que se mantenham a longo prazo para obter uma melhor qualidade de vida.

A alimentação e a mente

Características

A equipe de trabalho que pode atuar na psiconutrição vai além do nutricionista e do psicólogo. Ter outros profissionais vai melhorar os resultados, potencializando a performance da intervenção realizada em cada uma das frentes. Entre os profissionais que podem ser incorporados estariam personal trainers, psiquiatras, fonoaudiólogos, pedagogos, etc.

Portanto, as características da intervenção em psiconutrição seriam as seguintes:

  • Foca aspectos relacionados à alimentação e hábitos saudáveis; não só no aspecto alimentar, mas também em outros fatores, como emocionais, sociais e de trabalho.
  • Variáveis ​​psicológicas relacionadas à manutenção de hábitos não saudáveis ​​e ao desenvolvimento de novas habilidades são estudadas para estabelecer hábitos que melhorem a qualidade de vida.
  • Tanto a imagem pessoal quanto a aceitação dela são importantes para se iniciar um trabalho na área de psiconutrição. Há momentos em que lutar contra a sua própria imagem corporal gera frustração.
  • É estudado o contexto onde ocorre a alimentação, entre outras variáveis ​​que facilitam ou prejudicam uma alimentação saudável.
  • Auxilia na tomada de decisão e conhecimento de produtos saudáveis ​​e ultraprocessadosAlém disso, alguns conceitos enraizados socialmente são trabalhados, como o conceito de dieta e os mitos nutricionais que afetam a escolha dos produtos.

O que não é a psiconutrição?

A psiconutrição é um trabalho em equipe onde se pressupõe a colaboração com diferentes especialistas. É importante destacar isso, uma vez que não há uma vertente de formação ou especialistas “psiconutricionistas”. Como mencionado acima, você precisa pelo menos de um profissional psicólogo e um profissional de nutrição.

O termo psiconutrição não se reduz a estudar a ingestão de certos alimentos de acordo com o humor, o que não significa isso não possa ser feito quando a avaliação detecta uma estratégia de enfrentamento habitual e leva a resultados prejudiciais a longo prazo.

Assim, um dos desafios que a psiconutrição enfrentaria seria expandir a caixa de ferramentas da pessoa para aumentar seu repertório de estratégias de enfrentamento.

Os resultados nesta área são graduais; estamos falando de hábitos e, portanto, de intervenções que demandam tempo para redirecioná-los, alterá-los ou estabelecê-los. Por outro lado, estamos falando de resultados que vão além da perda de peso; trata-se de mudar a relação com a comida.

Paciente fazendo terapia

O trabalho do psicólogo na psiconutrição

Como vimos, a atuação do psicólogo nesse tipo de consulta não abrange apenas os transtornos alimentaresTambém falaríamos sobre outros transtornos, como a ansiedade derivada de diferentes circunstâncias mentais, como a rejeição da imagem pessoal.

A avaliação do uso de dietas restritivas como estratégias compensatórias é apenas parte do trabalho do psicólogo em uma consulta de psiconutrição. Algumas tarefas do profissional podem ser resumidas da seguinte forma:

  • Avaliação dos padrões alimentares e do uso de determinados alimentos em diferentes contextos.
  • Aumentar a probabilidade de escolhas alimentares saudáveis ​​por meio de informação e conscientização.
  • Trabalhar a imagem corporal e as estratégias de enfrentamento.
  • Reduzir o nível de exigência e a espera por resultados imediatos e/ou de curto prazo.
  • Avaliação da intervenção com aceitação e mudança de técnicas com foco no consumo de alimentos rejeitados.
  • Educação das emoções e das estratégias de enfrentamento.
  • Entrar em contato com as sensações físicas relacionadas à fome e à saciedade.

Os processos emocionais são especialmente importantes em uma consulta de psiconutrição, assim como as habilidades disponíveis para a inclusão de determinados hábitos saudáveis.

Por sua vez, é importante desmistificar certas crenças arraigadas na sociedade atual em relação à alimentação.