Quando a família afeta o relacionamento do casal

dezembro 23, 2018

Quando a família afeta o relacionamento do casal, os alicerces dessa relação são abalados e a situação se complica. É nesse momento que aprendemos a lidar com situações para as quais, talvez, não estivéssemos preparados. Façamos uma reflexão: no momento em que escolhemos com quem dividir a nossa vida, de alguma forma, também escolhemos a sua família.

A questão não é nova, sabemos disso. No entanto, no meio dessas situações orquestradas por dinâmicas interfamiliares, os conflitos, os confrontos e as discrepâncias continuam sendo (em média) bastante recorrentes. Além disso, como vários estudos revelam e especialmente um estudo publicado na revista Psychology Today, três de cada quatro casais experimentam problemas significativos com seus sogros, e 60% das mulheres experimentam divergências com as mães dos seus parceiros.

“Todas as famílias felizes se parecem umas com as outras; mas toda família infeliz tem uma razão especial para se sentir infeliz”.
-Leon Tolstoi-

De alguma forma, isso nos lembra o maravilhoso filme de Stanley Kramer, “Adivinhe Quem Vem Para Jantar”. Nele, os pais da jovem que acabara de se comprometer com um homem negro fazem uma reflexão que resumiria a essência dessas situações conflituosas. Os pais acreditam que educam os seus filhos da melhor forma possível; ensinam valores e diretrizes, mas no final, eles escolhem parceiros afetivos que nem sempre se ajustam às expectativas da família.

Frequentemente, os pais não definem seus filhos como pessoas livres e capazes de escolher os seus próprios caminhos, objetivos ou pessoas para amar. Os pais os veem mais como projetos pessoais sobre os quais projetaram uma série de ideais. Assim, quando iniciam um relacionamento, muitas vezes surge a sombra da decepção, o som desconfortável de algo que incomoda e, acima de tudo, aquela sombra alongada que ameaça o projeto da família…

Quando a família afeta o relacionamento do casal, os alicerces dessa relação podem ficar abalados se o assunto não for discutido.

Quando a família afeta o relacionamento do casal

Entre a cruz e a espada: quando a família afeta o relacionamento

Existem famílias de muitos tipos. Além disso, como dizia Oscar Wilde, nada é tão fechado e misterioso quanto uma casa onde se fecham as cortinas e ninguém consegue imaginar o que acontece, o que é vivido ali. No entanto, não podemos generalizar. Existem pais, é claro, caracterizados pelo princípio de saúde emocional que compreendem que existem limites, que sabem como facilitar e respeitar, tanto quanto possível, a relação dos seus filhos com os seus parceiros.

Agora, o oposto também acontece. O afeto da família se torna tóxico, controlador e até mesmo autoritário. Ainda mais, às vezes começamos um relacionamento sem saber que “levamos no pacote” uma família onde há rivalidades venenosas e as dinâmicas mais adversas. Sempre se fala da clássica e antagônica relação com os sogros, mas se esquecem dos problemas herdados, como a rivalidade entre irmãos, os primos conflitantes, tios e genros muito críticos, sogros que se metem em tudo…

Assim, podemos dizer que uma família é um microcosmo carregado de múltiplos significados e dinâmicas. Podemos entrar em choque com parentes mais velhos que tentam manter a sua posição de autoridade ou com mães acostumadas com comportamentos passivo-agressivos. Podemos ter discordâncias de ideias sobre como educar uma criança, sobre ideias religiosas ou políticas. Ou então, lidar constantemente com a certeza de que, para essa família, não somos bons o suficiente. E quando isso nos afeta, tudo começa a se desestabilizar. Quando a família afeta o relacionamento do casal e ultrapassa os limites da nossa privacidade, temos que enfrentar o desafio de redirecionar a situação sem sofrimento.

Mãe brigando com sua filha

Algumas pessoas optam por decisões extremas, colocam o casal entre a cruz e a espada para forçá-lo a escolher. Há quem faça aliados e, com isso, provoque verdadeiras tempestades. Outros escolhem o silêncio. Outros se fazem de vítimas que aguentam tudo pelo amor do casal. Então, mais cedo ou mais tarde, todas essas situações acabam afetando o relacionamento, chegando a situações tão tristes quanto decepcionantes.

Embora, em muitos casos, quiséssemos poder apagar ou desativar a presença dessas famílias conflitantes que às vezes acompanham os nossos parceiros como um apêndice, podemos dizer que há melhores opções.

Estratégias para fortalecer o relacionamento do casal

  • Precisamos manter uma comunicação constante com o nosso parceiro. É necessário falar sobre como certas palavras, atos ou circunstâncias nos afetam. Evite as críticas, é preciso apenas evidenciar realidades sem cair no desprezo ou ofensa.
  • A situação de cada família é particular. Partindo desta ideia, é necessário diferenciar entre o que é aceitável e o que não é, entre o que é compreensível e o que é abuso.
  • Chegue a um acordo com o seu parceiro sobre onde estão os seus limites. Sobre o que podemos aceitar e o que não estaremos dispostos a permitir. O consenso entre os dois deve ser muito claro, mas o mais importante é definir esses limites com a família, para que tudo fique claro entre todas as partes.
  • Além disso, é necessário mostrar o que nos fere ou o que nos incomoda diante daquela sogra que nos critica, daquele irmão que não nos aceita ou daquele pai que quer saber e controlar tudo. Vamos praticar a assertividade para que eles compreendam o impacto dos seus comportamentos, para que eles enxerguem os nossos limites e entendam que existem alternativas para melhorar o relacionamento.
Pais sentados com seu filho

Para concluir, mesmo que a família influencie o relacionamento, nem sempre é para pior. Na verdade, muitas famílias abrem espaço para a reflexão em tempos de crise. Ao contrário, se a influência é negativa, é importante chegar a um acordo com o casal sobre como agir, pois assim conseguiremos o seu apoio. Se fizermos isso, é muito provável que o casal saia fortalecido do desafio e o conflito seja resolvido.

Quando a família afeta o relacionamento, é importante estabelecer um acordo sobre como agir.