Quanto tempo vive um neurônio?

As células do nosso corpo são produzidas e destruídas continuamente, mas o mesmo não acontece com os neurônios do cérebro. De acordo com um estudo recente, eles poderiam viver indefinidamente...
Quanto tempo vive um neurônio?

Última atualização: 04 agosto, 2022

Se você perguntar a alguém quanto tempo vive um neurônio, é provável que lhe digam “não muito”. De alguma forma, a maioria de nós abriga a ideia de que as células cerebrais são destruídas ao longo do tempo, e mais ainda se nossos estilos de vida não forem adequados. Fatores como tabaco, falta de exercício, curiosidade para aprender ou má alimentação, levam à sua morte.

Lorenzo Magrassi, neurocirurgião da Universidade de Pavia, revolucionou o mundo da ciência há quase uma década com a informação. Os neurônios podem viver mais tempo indefinidamente, porque a chave está no corpo que os contém. Por exemplo, se atingíssemos uma expectativa de vida de 150 ou 160 anos e com boa saúde, eles ainda estariam lá.

Além disso, sabemos que quando uma pessoa morre, ela o faz com grande parte de seus neurônios intactos. Na verdade, eles ainda são os mesmos com os quais ele veio ao mundo. Somente quando o organismo hospedeiro deixa de ter sinais vitais, ele começa a se autodestruir pouco a pouco. Isso abre a hipótese do que pode acontecer no futuro.

Se conseguirmos viver mais e com boa saúde, o cérebro continuaria em ótimas condições para nos permitir continuar criando, sentindo, aprendendo, inovando…

Estima-se que um neurônio possa viver infinitamente, desde que não haja doença ou sofra um acidente.

Conexões neurais do cérebro de uma mulher simbolizando quanto tempo um neurônio vive
A morte neuronal não ocorre apenas devido ao envelhecimento do cérebro.

Quanto tempo vive um neurônio? Mais do que você pensa…

Os neurônios do seu cérebro têm exatamente a sua idade, enquanto as células do seu corpo são muito mais jovens. Por exemplo, sabemos que o tecido ósseo é completamente substituído a cada 10 anos e que a pele perde milhões de células por dia, mas sim, todo mês recebemos uma nova camada de células da pele.

Algo semelhante acontece no estômago, pois é constantemente forçado a renovar as células que o cobrem, devido ao seu ambiente ácido. Em essência, o organismo apresenta uma juventude celular invejável, graças à qual realizamos processos básicos que garantem nossa sobrevivência. No entanto, o cérebro retém uma parte dos neurônios com os quais viemos ao mundo.

Eles nascem quando nascemos e morrem quando morremos. Agora, se divagarmos um pouco e entrarmos nas teorias transumanistas, poderíamos nos fazer a seguinte pergunta: o que aconteceria se melhorássemos nosso corpo com tecnologia biônica e conseguíssemos enganar a morte e a doença? A resposta é simples: nossos neurônios ainda estariam em boas condições.

Neurônios não têm uma vida útil fixa, eles podem sobreviver para sempre

Lorenzo Magrassi é neurocirurgião da Universidade de Pavia e autor de um estudo de 2013 publicado na revista PNAS. Neste trabalho, Magrassi se concentra na ideia de que a vida útil de um neurônio depende do estado do corpo que o contém. Seus experimentos com ratos revelaram dados surpreendentes.

O que ele fez foi implantar neurônios de um cérebro de camundongo para outro. Não só eles não foram destruídos pelo transplante, mas eles tiveram uma vida útil proporcional ao seu hospedeiro. Eles chegaram a viver mais 36 meses, até que o camundongo morresse de acordo com sua expectativa média de vida.

O que o Dr. Magrassi apontou é que, na realidade, os neurônios não têm uma vida útil fixa, mas podem viver para sempre se estiverem em um corpo com as condições ideais para isso. Em outras palavras, não há programação genética que faça com que os neurônios comecem a ser destruídos com a idade. É o nosso estilo de vida e as doenças que o fazem.

E o envelhecimento?

Se perguntarmos quanto tempo vive um neurônio, já sabemos a resposta. Em média, boa parte deles vive como nós. Eles nascem e morrem quando cada um de nós o faz. Embora seja verdade que todos já ouvimos falar de neurogênese ou da capacidade de certos neurônios se regenerarem, deve-se notar que isso acontece em poucas regiões do cérebro.

A regeneração neuronal aparece basicamente no hipocampo, aquela área especializada em memória e aprendizado, mas isso não é normal. Agora, neste ponto, é possível que mais de um se pergunte o que acontece com o envelhecimento. Não é suposto que à medida que envelhecemos os neurônios são destruídos? A verdade é que existem nuances.

Pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte explicam em um estudo algo que o Dr. Magrassi já apontou. A morte de neurônios é resultado de distúrbios neurodegenerativos, como a demência, além de distúrbios infecciosos, traumáticos, imunológicos e inflamatórios.

homem se perguntando quanto tempo um neurônio vive
As doenças associadas ao envelhecimento são aquelas que destroem os neurônios, mas na ausência deles, eles permaneceriam em perfeitas condições.

Quanto tempo um neurônio vive vai depender do nosso estilo de vida… E da ciência

Com efeito, o que um neurônio experimenta é baseado em aspectos que nem sempre podemos controlar, como desenvolver uma doença. No entanto, também se baseia em realidades que dependem de nós, como alimentação, atividade física, vontade de aprender coisas novas, de se conectar com as pessoas…

Da mesma forma, e não menos interessante, a ciência também esquadrinha esse objetivo almejado, como aumentar nossa expectativa de vida. O objetivo será viver mais, mas em boas condições físicas, evitando doenças, enfermidades e condições médicas de maior ou menor gravidade. A engenharia genética, a biotecnologia e a medicina unem esforços para esse fim.

Se conseguirmos viver mais, mantendo um corpo saudável e em forma, o cérebro permanecerá na mesma condição. Pronto para continuar conquistando sonhos.

Pode interessar a você...
O exercício físico ajuda a gerar novos neurônios, de acordo com um estudo
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O exercício físico ajuda a gerar novos neurônios, de acordo com um estudo

O exercício físico traz grandes contribuições para a qualidade de vida. Sabe-se agora que também promove a geração de novos neurônios.



  • Magrassi, L., Leto, K., & Rossi, F. (2013). Lifespan of neurons is uncoupled from organismal lifespan Proceedings of the National Academy of Sciences, 110 (11), 4374-4379 DOI: 10.1073/pnas.1217505110
  • Yanuck SF. Microglial Phagocytosis of Neurons: Diminishing Neuronal Loss in Traumatic, Infectious, Inflammatory, and Autoimmune CNS Disorders. Front Psychiatry. 2019 Oct 3;10:712. doi: 10.3389/fpsyt.2019.00712. PMID: 31632307; PMCID: PMC6786049.