A química da ansiedade

novembro 8, 2019
Um estímulo inocente... e a ansiedade é desencadeada. Uma situação em que precisamos realizar um enfrentamento cognitivo e os nossos músculos se enchem de sangue. Positivo em muitas ocasiões, mas em outras, o mecanismo de ansiedade é ativado sem sentido...

Neste artigo, falaremos sobre a química da ansiedade, ou sobre como ela funciona. Faremos uma pequena jornada, desde a observação de um estímulo perigoso até o subsequente aumento de linfócitos.

Devido à sua incidência e ao sofrimento que exerce sobre a população, é necessário saber como a ansiedade funciona e como começa, para fazer um trabalho um correto de prevenção.

Tanto para si quanto para as pessoas ao redor, saber como a ansiedade funciona poderá nos ajudar a evitar pensamentos catastróficos, cortar o feedback comportamental e gerenciar emoções derivadas ou associadas a ela.

Mulher sofrendo de ansiedade

A ansiedade é ruim?

Muitos especialistas tratam o estresse e a ansiedade como sinônimos, embora o peso dos preconceitos que a saúde mental sofre hoje recaia sobre a ansiedade.

Eles estão intimamente relacionados com a resposta de alarme. No entanto, a ansiedade não deve ser entendida em termos de boa ou ruim, mas de funcional ou não.

Quando as pessoas sentem ansiedade ou medo diante de um estímulo e se prestam a atacar ou fugir, em muitos casos essa ativação funcionou como um estímulo.

Esse mecanismo já está conosco há séculos, tanto que deu origem a nossa sobrevivência. Sem ele, não seríamos capazes de agir rapidamente, tomar decisões e contar com as vantagens que a ansiedade nos dá, mudando o nosso corpo para que, por exemplo, possamos ver melhor os contornos dos objetos.

O problema surge quando uma pessoa reage com uma resposta de alarme ou com ansiedade diante de estímulos que não são uma ameaça.

Dessa forma, a pessoa prepara o seu corpo para fugir ou lutar, mesmo que não seja necessário. Precisamente, essa é a origem das estranhas sensações que sentimos quando o nervosismo nos sufoca.

A química da ansiedade: o que acontece com o nosso corpo

A orientação do estímulo: correr ou lutar

Ao detectar um estímulo ameaçador, a pessoa geralmente tem uma resposta de orientação a esse estímulo, o que lhe permite olhar, ver, calcular. Pode adotar uma reação em segundos, como lutar ou fugir.

Embora as pessoas não sejam mais perseguidas por leões, isso é igualmente aplicável a qualquer estímulo que a pessoa perceba como uma ameaça.

Nesse sentido, pode ser um comentário simples ou um ruído de origem indeterminada. A única coisa necessária é que o sujeito entenda o ocorrido como uma ameaça para ele.

Sistema nervoso simpático: o jogo de dominó

A partir da orientação ao estímulo, a química do corpo começa a mudar, dando origem à química da ansiedade. Dentro do sistema nervoso simpático, a ativação do eixo adrenal hipotalâmico-hipofisário ocorre com a consequente liberação de ACTH – o hormônio adrenocorticotrófico.

A liberação desse hormônio é regulada pelo hipotálamo, uma região envolvida na regulação de alimentação, ingestão de líquidos, acasalamento e agressão. Portanto, é lógico que ele também aparece nos mecanismos neuro-hormonais da resposta de alarme, estimulando especificamente a hipófise para liberar ACTH.

O hormônio ACTH provoca uma estimulação nas glândulas suprarrenais que liberam glicocorticoides no sangue.

Glicocorticoides: a resistência diante de situações de estresse

Os glicocorticoides são necessários para que o indivíduo possa suportar situações estressantes. Essas situações podem variar, desde ferimentos físicos a quebrar a perna ou cair de uma árvore, até situações que envolvam ansiedade, medo, jejum…

Os glicocorticoides estimulam a síntese de adrenalina e peptídeos opioides endógenos. Estes últimos estão envolvidos na homeostase – manutenção do equilíbrio corporal -, regulação da dor, controle cardiovascular e o estresse.

A liberação de adrenalina e outros hormônios resulta na interrupção das funções corporais que podem ser um fardo naquele momento de ansiedade, estresse ou fuga, como a digestão por exemplo, que consome muita energia.

Portanto, se após um ataque de ansiedade sentirmos o estômago estranho ou tivermos pouca vontade de comer, é aconselhável ser paciente e deixar o corpo gerenciar as suas próprias funções novamente.

No caso dos opiáceos, eles são liberados para tolerar melhor a dor no caso de ocorrer uma ferida, algo para o qual o corpo está preparado.

Resultados da química da ansiedade

Essa ativação hormonal leva a inúmeras alterações, e não apenas às variáveis ​​em que geralmente nos fixamos. A pessoa está experimentando muitas mudanças internas que não são percebidas do lado de fora ou são marcadas diretamente de uma maneira especial.

Após a ação dos hormônios, a frequência cardíaca aumenta para facilitar o bombeamento de sangue e o oxigênio é distribuído rapidamente por todo o corpo. Isso é muito característico da ansiedade e é um dos resultados desse processo que mais incomoda a pessoa.

Entre as técnicas utilizadas pelos psicólogos para reduzir essa ativação, podemos encontrar a respiração controlada e o relaxamento muscular progressivo. Ambas as técnicas incluem a respiração como uma maneira de reduzir a ansiedade, reduzindo a frequência cardíaca que aumentamos de maneira não consciente (deliberada).

Além disso, o baço se contrai com a consequente liberação de glóbulos vermelhos. Isso é muito útil se ocorrer uma lesão – lembre-se de que a resposta original da ansiedade nada mais é do que uma resposta de alarme a um perigo – ou se houver uma infecção.

Os glóbulos vermelhos fazem parte do nosso sistema imunológico: eles nos protegem contra uma possível infecção.

Da mesma forma, o açúcar é sintetizado e liberado pelo fígado. Ao mesmo tempo, aumenta a capacidade respiratória e a dilatação brônquica, otimizando o desempenho dos pulmões diante do aumento da demanda de oxigênio.

Além disso, as pupilas se dilatam, porque ao entrar mais luz, definimos melhor os contornos dos objetos. Finalmente, em relação ao possível perigo, são aumentadas a coagulação sanguínea e a circulação linfocitária.

Crise de ansiedade

A chave para reduzir a ansiedade

Por todo o exposto anteriormente, se a química da ansiedade é específica para o propósito que foi projetada, a química do relaxamento e os mecanismos que a ativam também são. De fato, o principal objetivo das técnicas de relaxamento está relacionado ao sistema nervoso parassimpático.

Enquanto o ramo simpático leva à ativação – mencionado acima -, o ramo parassimpático diminui o tônus ​​muscular e deixa a respiração mais lenta. Além disso, a vasodilatação arterial aumenta, aumentando a irrigação periférica.

Também diminui a frequência respiratória, a secreção de adrenalina e noradrenalina pelas glândulas suprarrenais, bem como o metabolismo basal.

A chave para reduzir a ansiedade é um fato: os sistemas simpático e parassimpático não podem ser ativados ao mesmo tempo. Portanto, o segredo reside em desativar o ramo simpático para ativar o parassimpático por meio de técnicas de relaxamento e respiração.

A ansiedade, portanto, tem uma base biológica e fisiológica notável. O corpo ajuda e se prepara para o que pode acontecer. Por outro lado, aprendemos que a química da ansiedade se baseia no que a pessoa pensa que é perigoso ou não.

A ansiedade não é ruim, pelo contrário, ou pelo menos os mecanismos fisiológicos que permitem a resposta da ansiedade. Ela pode ser um problema quando todos os estímulos, perigosos ou não, provocam essa resposta de ansiedade.

O corpo se prepara para algo que não vai acontecer: é como se pressionássemos o pedal do acelerador sem permitir que o carro aumentasse a velocidade. Um desgaste sem sentido.

  • Bruce, T.J., Spiegel D.A. y Hegel, M.T . (1999). Cognitive-behavioral therapy helps prevent relapse and recurrence of panic disorder following alprazolam discontinuation: a long-term follow-up of the Peoria and Dartmouth studies. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 67, 151-156.
  • Marks, I.M. (1987). Fears, phobias and rituals. Nueva York: Oxford University Press.
  • Schulte, D. (1997). Behavioural analysis: Does it matter? Behavioural and Cognitive Psychotherapy, 25, 231-249.