As redes sociais não aliviam o tédio, de acordo com a ciência

Para aliviar o tédio e limpar a sua mente, seria melhor pegar um lápis e um papel do que recorrer às redes sociais.
As redes sociais não aliviam o tédio, de acordo com a ciência

Última atualização: 29 Agosto, 2021

Todos nós usamos os nossos celulares para nos entreter nos momentos de tédio. Olhamos notificações, mensagens, comentários, fotos publicadas, notícias de última hora… Acreditamos que esses momentos nos ajudam a clarear nossas mentes. No entanto, de acordo com a ciência, as redes sociais não aliviam o tédio. O que elas fazem é algo muito diferente.

Alguns apontam que certas plataformas parecem salas cheias de pessoas gritando umas com as outras. Apesar de não ouvir a troca de palavras, a cacofonia de certos tweets, por exemplo, fica gravada em nossas mentes como ecos estressantes. Algo semelhante acontece em outras redes. Entramos para nos divertir por alguns minutos e às vezes saímos mais irritados do que relaxados.

Alguns apontam que, devido a essa fadiga das redes sociais, muitos usuários estão deletando seus perfis ou praticando o que é conhecido como “desintoxicação digital”. No entanto, talvez o problema mais marcante resida na população mais jovem: eles estão cada vez mais intolerantes ao tédio e experimentam altas doses de ansiedade quando não têm uma tela à sua frente.

“Uma geração que não suporta o tédio será uma geração de pouco valor.”
-Bertrand Russell-

Mulher olhando suas redes sociais

Por que as redes sociais não aliviam o tédio?

As redes sociais não aliviam o tédio e, na verdade, agravam a saúde mental de muitas pessoas. Isso foi observado por uma pesquisa de 2020 realizada no Instituto de Neurociências e Psicologia Comportamental da Califórnia. É verdade que esse impacto não é o mesmo em todo o mundo; há quem faça bom uso delas e obtenha benefícios agradáveis.

No entanto, os números de desconforto e estresse associados ao seu uso intensivo são notáveis e impressionantes. Há quem se vicie naquela pequena dose diária de dopamina obtida em cada publicação. Outros só entendem a vida por meio desse universo digital em que se comparam e onde, claro, é proibido perder qualquer coisa publicada no último segundo.

De alguma forma, muitos desses pontos já eram conhecidos por nós. O que a ciência ainda não havia abordado era o efeito das redes sociais em curtos períodos de tempo. Ou seja, elas nos ajudam a nos entreter e a aliviar o estresse ou o tédio ocasional no trabalho, nos intervalos, no metrô, etc.? A resposta é não. Vamos entender o porquê.

Curtos períodos de tempo com o celular não melhoram o nosso humor

Foi a Radboud University, da Holanda, que realizou este interessante estudo para descobrir se as redes sociais, como todos acreditam, nos ajudam a clarear nossas mentes quando estamos estressados ou quando temos um breve momento de descanso. Os resultados foram publicados na Royal Society Open Science e não poderiam ser mais interessantes.

  • As redes sociais não aliviam o tédio. Após usá-las, as pessoas se sentiam mais cansadas e até estressadas.
  • Também foi possível ver algo com que todos estaremos de acordo. Não usamos o celular apenas durante os intervalos. Não recorremos às redes sociais apenas em momentos perdidos. O celular não é uma forma de lazer, é um estilo de vida. Usamos nossos dispositivos mesmo nas situações mais inexplicáveis. Portanto, é difícil diferenciar momentos de descanso de momentos de trabalho.

As pessoas fazem um uso intensivo do celular que prejudica a sua saúde. Verificamos as redes sociais com muita frequência independentemente da situação, e isso pode fazer com que nos sintamos mais estressados durante o trabalho e ainda mais sobrecarregados quando deveríamos estar descansando.

A sensação de urgência: se você não checar seu telefone, está perdendo alguma coisa

A necessidade que temos de verificar o celular não é algo acidental. Na verdade, se as redes sociais não aliviam o tédio, isso também se deve a um propósito que merece ser destacado. Cada aplicativo busca algo muito específico: que façamos um uso intensivo deles.

Todas essas plataformas usam técnicas muito sofisticadas para nos manter presos a elas. O sentido de urgência, a ideia de que perderemos alguma coisa se não olharmos para o celular é uma experiência muito recorrente.

Todo este universo digital não foi pensado para aliviar o tédio ou para ser um entretenimento nos momentos de ócio. O que ele busca é nos viciar.

Menu de filmes no celular

Se as redes sociais não aliviam o tédio, vamos encontrar outras formas de escape

Existem muitas maneiras de lidar com o tédio, mas o mais importante é aprender a tolerá-lo sem se desesperar. Na verdade, se há algo que esse estado de espírito nos permite é procurar outras fontes com as quais possamos nos manter ocupados, e que podem ser tão enriquecedoras quanto gratificantes se as escolhermos bem.

Ler, ouvir música ou praticar alguma atividade artística são recursos excepcionais para a mente e para o nosso bem-estar psicológico. Eles harmonizam as emoções, regulam o estresse e aumentam a criatividade.

Se tentarmos, perceberemos que existem universos maravilhosos além da tela de um celular e do barulho incessante das redes sociais.

Pode interessar a você...
A importância do tédio para as crianças
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
A importância do tédio para as crianças

A necessidade de estimulação gerada pelos eletrônicos vem se tornando um grande problema. Hoje, falaremos sobre a importância do tédio para as cria...



  • Bai, J., Mo, K., Peng, Y., Hao, W., Qu, Y., Lei, X., & Yang, Y. (2021). The Relationship Between the Use of Mobile Social Media and Subjective Well-Being: The Mediating Effect of Boredom Proneness. Frontiers in psychology11, 568492. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2020.568492
  • Dora J, van Hooff M, Geurts S, Kompier M, Bijleveld E. Fatigue, boredom and objectively measured smartphone use at workR Soc Open Sci. 2021;8(7):201915. doi:10.1098/rsos.201915
  • Firth, J., Torous, J., Stubbs, B., Firth, J. A., Steiner, G. Z., Smith, L., Alvarez-Jimenez, M., Gleeson, J., Vancampfort, D., Armitage, C. J., & Sarris, J. (2019). The “online brain”: how the Internet may be changing our cognition. World psychiatry : official journal of the World Psychiatric Association (WPA)18(2), 119–129. https://doi.org/10.1002/wps.20617
  • Karim, F., Oyewande, A. A., Abdalla, L. F., Chaudhry Ehsanullah, R., & Khan, S. (2020). Social Media Use and Its Connection to Mental Health: A Systematic Review. Cureus12(6), e8627. https://doi.org/10.7759/cureus.8627