Como fica o relacionamento do casal com a chegada dos filhos?

A chegada dos filhos pode significar um grande revés para o casal, que deve se adaptar em equipe à nova situação. É importante seguir algumas orientações simples para manter o relacionamento sob controle e não se sentir sobrecarregado.
Como fica o relacionamento do casal com a chegada dos filhos?

Última atualização: 11 Agosto, 2021

Para algumas pessoas, a chegada dos filhos é um dos eventos mais incríveis que se pode experimentar na vida, mas isso não faz com que deixe de ser um evento estressante no relacionamento do casal. Qualquer coisa que possa significar uma mudança importante no estilo de vida de uma pessoa de maneira que, até certo ponto, ultrapasse seus recursos, é um fator de estresse.

O estresse que a paternidade pode causar não é ruim em si, mas é trabalhoso e exaustivo. Nesse sentido, o casal tem que se tornar um ótimo time que trabalha em conjunto para poder aproveitar tudo o que a família pode lhes oferecer.

É inevitável que o fato de se tornar pais implique uma mudança no casal em relação à situação anterior. Muitos aspectos sofrem mudanças radicais. De fato, o tempo que cada membro do casal tem como ser individual é consideravelmente reduzido.

Portanto, ao não ter tempo nem para si mesmo, fica muito difícil ter tempo para o casal. A comunicação entre ambos pode se tornar escassa, assim como o tempo para o lazer e a diversão. De repente, passa-se de casal para “colega de trabalho” e isso, obviamente, pode ser doloroso e difícil de assumir.

O importante nessa situação é considerar que ela tem um fim determinado, ou seja, não vai durar para sempre. É verdade que a vida como a conhecíamos nunca mais será a mesma, nem a nível individual nem como casal, pois os filhos passam a ser a prioridade máxima, até acima de si mesmo.

Mas também é verdade que à medida que os filhos crescem, os níveis de exigência diminuem e, pouco a pouco, voltamos ao nosso tempo disponível, aos nossos hobbies, bem como às nossas relações interpessoais e, em particular, ao casal.

Família unida

O que vai acontecer com o relacionamento do casal após a chegada dos filhos?

Sempre que um acontecimento relevante se aproxima em nossas vidas, a melhor coisa a fazer é ser realista. Dessa maneira, estaremos mais preparados para enfrentar todas as mudanças que virão. Isso não significa que devemos nos preocupar demais, mas que é importante ter os pés bem ancorados no chão, para não nos deixarmos levar pelas mensagens idílicas que costumamos encontrar sobre a maternidade ou a paternidade.

A primeira coisa que acontecerá é um pequeno choque emocional. Essa sacudida envolverá emoções de todos os tipos, tanto positivas, como a euforia, a sensação de estar apaixonado continuamente, a união familiar, etc., quanto outras que não são tão positivas assim: confusão, tristeza ou às vezes ansiedade, entre outras.

Com o passar do tempo, o casal vai se adaptando melhor à nova situação. No entanto, durante os primeiros meses do bebê, podemos nos deparar com certas adversidades que não esperávamos. Por exemplo, as cólicas, o choro inconsolável, as noites sem dormir com a consequente falta de descanso, se o bebê está ou não ganhando peso suficiente, se ele ficar doente…

Todas essas circunstâncias que, por um lado, são normais, significam que o casal pode se desestabilizar. Evidentemente, a ansiedade produzida por tudo isso, somada a um cansaço extenuante a à falta de tempo em comum para se divertir ou conversar, pode fazer o casal vacilar, começar a discutir, ou levar um dos dois a fugir da situação, deixando o outro a cargo de tudo.

Também é conveniente saber que essa situação tem data de validade. Saber disso nos permite exercer um maior autocontrole quando essas situações surgirem, e nos impede de tomar decisões ou realizar comportamentos em momentos de emoções acaloradas, atitudes das quais podemos nos arrepender mais tarde.

Aos poucos, quando tudo estiver se encaminhando e se tivermos superado as etapas anteriores, a família vai se consolidar e o casal vai se tornar cada vez mais forte.

O que posso fazer para evitar que a chegada dos filhos prejudique o relacionamento do casal?

Para superar as etapas que discutimos no ponto anterior, é conveniente seguir uma série de recomendações ou orientações que podem nos ajudar a enfrentar melhor a situação. São as seguintes:

Estar ciente de que o que está acontecendo é normal e de que a maioria também passa por isso

Esse ponto é essencial. Não devemos romantizar a maternidade e a paternidade como se fossem um mar de rosas e estivéssemos no país das maravilhas, porque não é assim. Embora vejamos na televisão anúncios idílicos de leite ou fraldas com mães ou pais super felizes, a realidade não é essa. Pelo menos não completamente.

Ser pais tem momentos preciosos e momentos complicados; ambos são normais e fazem parte do processo. É necessário saber curtir os momentos doces, mas também tomar as rédeas naqueles que são mais amargos.

Saber que isso terá um fim

Provavelmente, você vai sentir saudades da sua antiga vida muitas vezes, mas é importante saber que essa situação vai acabar um dia. Você sempre terá o papel de pai ou mãe, mas depois de passar pelo choque inicial, ocorrerá a adaptação à nova situação e uma nova vida terá início.

Deixar o outro descansar

Esse ponto é crucial. O descanso é extremamente necessário para qualquer ser humano. Se não nos permitirmos dormir ou descansar o suficiente, podemos acabar nos desgastando, e isso também terá implicações na nossa saúde.

Não poderemos cuidar adequadamente dos nossos filhos se não estivermos descansados, saudáveis ​​e de bom humor. O casal deve se revezar para cuidar do bebê; enquanto um dos membros realiza as tarefas, o outro dorme ou simplesmente descansa.

Separar um dia por semana para o casal

Pelo menos um dia por semana é conveniente que o casal possa passar momentos juntos. Vocês podem recorrer a babás, aos avós, à creche, aos tios …

O objetivo é arejar a mente e fazer atividades alternativas à paternidade. A comunicação, as atividades de lazer, as relações sexuais que podem ocorrer com um clima adequado ou a realização de alguma tarefa que nos permita relaxar são fatores de extrema importância.

Aqui pode surgir o sentimento de culpa, mas não é muito difícil entender que nós também temos o direito de viver esses momentos com o nosso parceiro.

Influências recíprocas entre relacionamento e paternidade

Tempo de lazer com outras pessoas

Também é importante não perder o contato com os amigos. O apoio social é um poderoso amortecedor de estresse; portanto, encontrar um amigo ajuda a relaxar, conversar sobre outros assuntos, rir e esquecer um pouco do dia a dia da paternidade.

Manter a rotina

As rotinas não são essenciais apenas para as crianças, mas também para os adultos. Para manter a ordem na família e para que o casal possa ter seus momentos a sós, é importante manter certas rotinas.

É saudável que as crianças comam no mesmo local e horário todos os dias, tomem banho todos os dias antes de dormir e se preparem para dormir cedo. As crianças precisam de muito mais horas de sono do que os adultos, especialmente se forem pequenas. Se desde o início as acostumarmos com rotinas positivas para dormir cedo, o hábito se estabelecerá facilmente na vida delas.

Quando elas tiverem dormido, o casal também poderá ter um tempo para conversar, assistir a uma série na televisão ou simplesmente ficar junto.

Como podemos ver, a chegada dos filhos é um momento importante de mudança de vida. Para que essa mudança não fique muito descompassada, é fundamental cultivar tanto o tempo a dois e com os amigos quanto a comunicação e o sono.

À medida que nos acostumarmos com a sacudida inicial da chegada dos filhos, o relacionamento do casal ficará mais forte, com mais ferramentas, e começaremos a aproveitar muito mais o tempo em família, que, por outro lado, será o que teremos de mais maravilhoso.

Pode interessar a você...
O papel dos pais na prevenção dos transtornos alimentares dos seus filhos
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O papel dos pais na prevenção dos transtornos alimentares dos seus filhos

Como os pais podem contribuir para a prevenção dos transtornos alimentares de seus filhos? Infelizmente, este é um problema comum atualmente.



  • Adamsons, K. (2013). Predictors of relationship quality during the transition to parenthood. Journal of Reproductive and Infant Psychology, 31(2), 160–171. doi.:10.1080/02646838.2013.791919.
  • Belsky, J. & Rovine, M. (1990). Patterns of marital change across the transition to parenthood: Pregnancy to three years postpartum. Journal of Marriage and the Family, 52(1), 5–19. doi: 10.2307/352833.
  • Boivin, J., Bunting, L., Collins, J.A. & Nygren, K.G. (2007). International estimates of infertility prevalence and treatment-seeking: potential need and demand for infertility medical care. Human Reproduction, 22(6), 1506-1512. doi: 10.1093/humrep/dem046.