De acordo com a ciência, sentar-se ereto aumenta o bem-estar

De acordo com a ciência, o cérebro e o eixo postural estão relacionados. Então, algo tão simples quanto se sentar de forma ereta pode melhorar o seu humor e a sua atenção.
De acordo com a ciência, sentar-se ereto aumenta o bem-estar

Última atualização: 23 Agosto, 2021

Em que posição você está agora? Sentado, em pé, deitado? Você pode estar interessado em saber que sentar-se ereto ajuda a fortalecer a mente, melhora a atenção e até mesmo o humor. Se você é uma daquelas pessoas que tenta cuidar do seu eixo postural enquanto trabalha sentado em um escritório, deve saber que também está cuidando do seu bem-estar mental.

Agora você pode se perguntar: qual será a posição ideal para que a mente se sinta mais focada em uma tarefa? A verdade é que os neurocientistas nos alertam que postura e cérebro estão relacionados, a ponto de um nível mais ou menos elevado de estresse poder estar ligado a essas duas variáveis.

Pode ser que muitos já tenham percebido em algum momento: não é a mesma coisa estudar ou trabalhar com as costas curvadas e com as costas retas. Quando melhoramos nossa postura, levantamos nossa cabeça e alinhamos nossas costas à cadeira, notamos uma mudança. De repente, nossa atenção melhora e nos sentimos mais motivados.

É quase como fazer uma reinicialização do corpo e da mente…

A maneira como nos movemos e até mesmo como nos sentamos afeta o nosso humor.

Homem sentado ereto trabalhando

Por que sentar-se ereto ajuda a fortalecer a mente?

Ao longo de nossas vidas, podemos ter ouvido conselhos para nos sentarmos de forma ereta diversas vezes. Certamente pensamos que essa sugestão visava cuidar da nossa coluna. Todos nós sabemos o quão delicada e importante é esta parte do nosso corpo. No entanto, o que nem todos sabem é como as posturas se relacionam com as emoções.

Uma das figuras que mais estudou esse tópico é o Dr. Erik Peper, cientista comportamental e professor da Universidade de San Francisco. Em um de seus trabalhos de pesquisa, Peper mostrou que sentar-se ereto ajuda a fortalecer a mente de forma que, ao fazer isso, os alunos podem melhorar seu desempenho em matemática.

Algo tão simples não só otimiza a atenção e o comprometimento com a tarefa, mas também regula o humor. O Dr. Peper aponta que, quando estamos curvados, a mente não funciona 100%. Não apenas estamos tensionando e colocando em risco o equilíbrio da nossa coluna, mas a postura de preguiça também aumenta o desânimo.

Sente-se ereto: sua postura influencia a forma como você se vê e se sente

Nossa postura é um reflexo claro do nosso estado de espírito. Muitas vezes, quase sem saber como, nos encontramos curvados sobre nossas mesas de trabalho, presos pelo estresse, cansaço e até pela preguiça. Tudo isso se retroalimenta: as emoções influenciam nossa postura e a própria postura também aumenta o desconforto.

Além disso, sabemos, por exemplo, que a necessidade de ficar encolhido é uma reação promovida pela tristeza. Por outro lado, estados de estresse podem nos manter em uma posição desconfortável e até dolorosa por horas sem que percebamos.

Portanto, às vezes, basta fazer um alongamento, respirar fundo e colocar as costas retas em relação à cadeira para perceber como isso melhora o nosso bem-estar. Nesse ponto, a mente se reinicia e melhoramos nossos níveis de energia.

As costas, pescoço e cabeça estão alinhados, o olhar é direcionado para a frente e nosso cérebro ativa seu foco e nível de atenção.

O cérebro associa certas posturas a certos estados mentais: o fato de alguém estar deitado, encolhido ou encurvado está associado ao descanso ou ao desânimo. Portanto, os níveis de atenção são reduzidos.

Cognição corporificada: quando os movimentos e a postura melhoram o potencial do cérebro

Existe um fenômeno muito interessante que os cientistas chamam de cognição corporificada. Essa experiência é definida por algo muito simples: a postura não apenas modula o humor, mas nossos movimentos também podem afetar os nossos pensamentos. Como pode ser? Os dados são, sem dúvida, curiosos.

Trabalhos de pesquisa, como os realizados na Universidade Autônoma de Madrid, nos mostraram como assentir ou negar com a cabeça afeta a nossa avaliação de algo.

Imagine que alguém diz algo com o que concordamos plenamente, mas somos instados a balançar a cabeça negativamente. O que sentimos é dissonância e até aborrecimento.

A cognição corporificada nos lembra de que os movimentos também evocam emoções e até mesmo uma série de pensamentos no cérebro. Esta associação explica por que sentar-se ereto melhora a qualidade dos nossos pensamentos e até nos faz sentir mais criativos.

Adotar uma postura ereta nos permite controlar os pensamentos negativos muito melhor, o que é mais difícil quando ficamos curvados diante da mesa.

Coluna vertebral

Sentar-se ereto oferece vários benefícios

Quase todos nós sabemos que sentar ergonomicamente com as costas e o pescoço retos nos permite cuidar da coluna. Evitamos contraturas, tensões, fisgadas e as dores clássicas associadas a passar horas sentados diante do computador.

No entanto, é interessante notar que a postura não é apenas saudável para o bem-estar físico. Sentar-se corretamente também é bom para a nossa saúde mental e até mesmo para a nossa produtividade.

Sentir-se mais motivado, focado e até inspirado pode depender de algo tão simples quanto se apoiar corretamente no encosto da cadeira… Vale a pena fazer o teste.

Pode interessar a você...
6 posturas de ioga para aliviar as dores nas costas
A mente é maravilhosaLeia em A mente é maravilhosa
6 posturas de ioga para aliviar as dores nas costas

Se você quer aliviar as dores nas costas, vale a pena dar uma chance à prática de ioga. Estas posturas podem ser de grande ajuda. Confira!



  • Briñol, P., & Petty, R. E. (2003). Overt head movements and persuasion: A self-validation analysis. Journal of Personality and Social Psychology, 84(6), 1123–1139. https://doi.org/10.1037/0022-3514.84.6.1123
  • Muehlhan, M., Marxen, M., Landsiedel, J., Malberg, H., & Zaunseder, S. (2014). The effect of body posture on cognitive performance: a question of sleep quality. Frontiers in human neuroscience8, 171. https://doi.org/10.3389/fnhum.2014.00171