Smart food: comer de forma inteligente

Você tem pouco tempo para comer? Nesse caso, a smart food pode ser do seu interesse. Com este método de alimentação, você aumentará a qualidade das suas refeições sem gastar mais tempo para prepará-las.
Smart food: comer de forma inteligente

Última atualização: 26 setembro, 2021

A smart food é um dos métodos alimentares mais recentes. É um tipo de dieta que oferece benefícios para a saúde a médio prazo. Baseia-se no consumo de produtos funcionais, como shakes ou barrinhas, para aqueles momentos em que não temos a opção de comer refeições mais elaboradas.

Para perceber um efeito positivo, é necessário combinar este método dietético com a prática regular de exercícios físicos. Se um estímulo não for gerado na forma de atividade, é possível que o corpo reduza a sua eficiência metabólica.

Diferença da smart food em comparação com outros substitutos alimentares

Mulher tomando shake

O consumo de produtos que substituem as refeições vem aumentando há alguns anos. No entanto, a maioria dos itens feitos para esse fim se enquadra na categoria de produtos industrializados ultraprocessados. Eles tinham poucos ingredientes de qualidade e uma concentração excessiva de aditivos prejudiciais à saúde.

A smart food propõe a criação de alimentos funcionais por meio do uso de ingredientes que apresentam propriedades positivas. Entre eles estão aveia, azeite, proteínas de ervilha, gofio… A combinação desses produtos resulta em um produto com bons valores nutricionais.

Por outro lado, a smart food não precisa ser sinônimo de dieta hipocalórica. É possível definir um regime que atenda às necessidades diárias, tanto de energia quanto de nutrientes. Isso gera uma boa aderência, uma vez que a fome entre as refeições é evitada.

Quando devemos consumir os produtos específicos da smart food?

Cada pessoa pode escolher a que altura do dia pretende ingerir os alimentos típicos da smart food. Porém, o mais comum é seu consumo no café da manhã e entre as refeições. Tanto a primeira quanto a penúltima refeição do dia costumam ser as mais conflitantes em termos de presença de alimentos ultraprocessados. Esses elementos são capazes de fazer mal à saúde, conforme afirma um estudo publicado na revista BMJ.

A inclusão destes alimentos funcionais permite melhorar a contribuição nutricional e evitar o consumo de grandes quantidades de açúcares simples e gorduras trans. A médio prazo, isso se traduz em uma incidência menor de diabetes tipo 2 e outras patologias metabólicas que afetam a composição corporal.

No entanto, também é possível consumir este tipo de produto no almoço e no jantar, como complemento dos pratos preparados ou mesmo como substituto dos mesmos. Ainda assim, não se pode esquecer da importância da ingestão de vegetais. Esses alimentos são caracterizados pela presença de antioxidantes, elementos que se mostraram decisivos na prevenção de patologias complexas.

A smart food respeita o meio ambiente

Outro benefício da smart food é que muitos dos alimentos neste plano de refeições são preparados em doses certas para o consumo em todos os momentos do dia. Isso nos faz desperdiçar menos alimentos, reduzindo assim a criação de lixo e resíduos. Com isso, é possível economizar uma grande quantidade de mantimentos, o que é uma melhoria ecológica.

É possível até encontrar alimentos preparados com restos de ingredientes de boa qualidade que seriam jogados fora. Partes saborosas e nutritivas de certos produtos às vezes são descartadas na indústria. Seu uso pode ser positivo tanto para a saúde humana quanto para o meio ambiente.

Uma nova forma de comer

Castanhas salgadas

Como você pôde ver, o smart food é um novo método de alimentação que propõe o consumo de produtos feitos com ingredientes frescos e com alta densidade nutricional. Em qualquer caso, continua a ser imprescindível verificar o rótulo destes produtos para se certificar de que são isentos de açúcares adicionados e aditivos artificiais.

Por outro lado, a inclusão desses elementos na dieta não deve reduzir a ingestão de alimentos saudáveis, como vegetais. É importante garantir que as necessidades diárias de proteína sejam atendidas e que os antioxidantes sejam consumidos em quantidades suficientes.

Pode interessar a você...
O cérebro e a alimentação: comer de forma saudável não é tão fácil quanto parece
A mente é maravilhosa
Leia em A mente é maravilhosa
O cérebro e a alimentação: comer de forma saudável não é tão fácil quanto parece

O cérebro e a alimentação possuem uma relação direta que devemos considerar. As emoções têm uma grande influência no que comemos.



  • Srour, B., Fezeu, L. K., Kesse-Guyot, E., Allès, B., Méjean, C., Andrianasolo, R. M., Chazelas, E., Deschasaux, M., Hercberg, S., Galan, P., Monteiro, C. A., Julia, C., & Touvier, M. (2019). Ultra-processed food intake and risk of cardiovascular disease: prospective cohort study (NutriNet-Santé). BMJ (Clinical research ed.)365, l1451. https://doi.org/10.1136/bmj.l1451
  • Neha, K., Haider, M. R., Pathak, A., & Yar, M. S. (2019). Medicinal prospects of antioxidants: A review. European journal of medicinal chemistry178, 687–704. https://doi.org/10.1016/j.ejmech.2019.06.010